Os Sagrados Corações em Garabandal

Os Sagrados Corações em Garabandal

Retirado do manuscrito “A Virgem ensina em Garabandal” publicado em 1978

 

 

Apesar de nossos irmãos protestantes encontrarem na devoção ao Sagrado Coração um ponto particularmente difícil, Padre Congar, teólogo, observa que não há nenhuma novidade doutrinal nesta devoção e o seu fundamento bíblico é sólido. No Antigo e no Novo Testamento, o amor de Deus por nós é amplamente expresso e cantado.

O estudo do homem revela uma base biológica na veneração de um coração amoroso, e quando esse coração amoroso é o filho de Deus, esta veneração torna-se um culto. Através do Seu Coração, somos capazes de chegar à pessoa carinhosa e amável de Jesus.

A veneração do Coração de Maria difere da veneração do Coração de Jesus. No entanto, a veneração ao seu coração é comparável, como Maria tem um coração maternal para todos os seus filhos. Seu primeiro filho, que ela concebeu no seu ventre era Jesus que era Deus. Todos os outros, como consequência da sua participação no Seu corpo místico da Igreja, são também os seus filhos.

Jesus é manso e humilde de coração. Ele diz assim (Mt. 11:29). Ele ama aqueles que são os seus e chama a si mesmo o bom pastor que dá a vida por suas ovelhas (Lucas 15:1-6); Amou em particular um jovem rico (Marcos 10:21);Lázaro e suas irmãs, (João 11:05), e João, o Apóstolo, descrito nas escrituras como "o discípulo que Jesus amava" (João 21:20). Pouco antes da Sua crucificação Ele disse: "Quem me ama ... eu vou amá-lo" (João 14:21). É certo que o sangue que fluiu do Seu lado, trespassado por uma lança, veio do seu coração e foi o símbolo do seu amor completo para toda a humanidade.

 

S. Paulo e S. João entenderam e experimentaram espiritualmente este amor. Eles testemunharam. "Quem nos separará do amor de Cristo?" (Rm 8:35) "Ele amou-me e Se entregou a Si mesmo por mim" (Gl 2:20). As epístolas de São João estão imbuídas com todo esse amor, pois Deus, por Jesus, por todos os homens,

Se o Concílio Vaticano II nos assegura que "a Virgem Maria ... se associou com um coração maternal ao seu único Filho" sacrifício "(Lumen Gentium, n º 58) cumprindo a profecia de Simeão" Uma espada trespassará a tua própria alma "(Lc 2 : 35), ainda mais penetrante que a espada é que ainda arde de amor por seu Filho, Jesus, e para os seus outros filhos, nós, que têm sido a causa da Sua Paixão.

 

 

O Coração de Jesus e do Coração de Maria estavam presentes em Garabandal.

 

Uma noite, em Janeiro de 1962, às duas horas da manhã, Mari Loli chegou em êxtase à casa de Clementina, a tia de Conchita. Seu propósito em ir lá foi apresentar aos filhos de Clementina uma imagem do Coração de Maria para ser beijada por ele. Esse menino era um afilhado de Mari Loli. 

 

A 20 de Julho de 1963, Conchita teve uma locução longa e impressionante com Nosso Senhor, na igreja da aldeia de Garabandal. Cito duas passagens:

 

"Será que a Rússia vai ser convertida?" perguntou Conchita. "Sim, ela será convertida e, assim, todo mundo vai adorar nossos corações", respondeu o Senhor.

"Devo ir para o céu?"

"Se tu amares muito e orares aos nossos corações ..."

Jesus também disse a Conchita que agora há mais pessoas que amam o Seu Coração. 

 

A 13 de Novembro de 1965, Conchita diz-nos que "(a Santíssima Virgem) disse-me: “Tu lembras-te do que eu disse no dia da festa de tua padroeira (8 de Dezembro), que tu irias sofrer muito na terra? Bem, tem confiança em nós e oferece o teu sofrimento generosamente nos nossos corações para o bem-estar dos teus irmãos. Desta forma, vais sentir o quão perto estamos contigo ... Conchita, Eu não vim só por tua causa. Eu vim para todos os Meus filhos, para que eu possa levá-los mais perto dos nossos corações. " 

 

Depois de uma leitura atenta destas passagens referidas anteriomente em que Jesus e Maria falam de seus corações, somos levados à conclusão de que são pronunciadas num clima de amor, que Jesus e Maria tanto nos amam e que se manifestaram em Garabandal por amor a fim de que possam ser amados em troca.

 

Eles amam-se tanto que, Jesus e Maria dizem "nossos corações." Os dois corações estão perfeitamente unidos pelo amor mútuo, o amor de Deus e o amor dos homens. Um Padre da Igreja, uma vez disse: "O coração de Paulo é o coração de Cristo." Se isto é verdade para o apóstolo, não é mais verdadeiro ainda para a Imaculada Mãe de Jesus?

A medalha que Maria pediu a Santa Catarina Labouré em 1830 contém no seu lado reverso os dois corações unidos de Jesus e de Maria.

Sabemos do Padre Rodrigo, e da mãe de Jacinta (falou com Jaime Garcia Llorente na presença da sua filha) que Jacinta foi favorecida com uma aparição do Sagrado Coração de Jesus, no "cuadro" em Garabandal. Sobre este assunto, Jacinta disse: "Que a Virgem Maria, perdoe-me, mas o que eu nunca vou esquecer é de ter visto o Sagrado Coração de Jesus." Uma experiência inesquecível para a visionária, e ainda referindo que "não me hablo." (Ele não falou comigo ).

Esta visão silenciosa ocorreu pouco antes de 2 de Julho de 1961, antes da primeira aparição da Virgem Maria em Garabandal. Jesus apontou para o Seu coração com a mão esquerda, e acenou com a Sua mão direita Jacinta, para que ela fosse ter com Ele. Sobre Jesus, Jacinta disse o seguinte, "Ele era o mais belo de todos os homens. Ele tinha um olhar penetrante que me fez sentir como se ele entrasse de forma profunda dentro da minha alma…. " (cartas particulares de Janeiro e Fevereiro de 1977.)

O fato desta aparição ter ocorrido é interessante. Ele confirma que os acontecimentos de Garabandal são destinados a mostrar aos homens como Eles nos amam. Isto foi claramente afirmado pela Virgem na segunda mensagem de 18 de Junho de 1965, "Eu vos amo muito e não quero a vossa condenação."

 

Os corações de Jesus e Maria deixaram em Conchita uma profunda impressão. Depois da sua última visão de Nossa Senhora a 13 de Novembro de 1965, a visionária Conchita escreve, "Eu deixei de ver (a minha mãe celestial e meu melhor amigo e o menino Jesus) ... Eles deixaram a minha alma cheia de paz e alegria e com um grande desejo para superar os meus defeitos e amar com todas as minhas forças os Corações de Jesus e Maria, que nos amam tanto. " 4 Isto foi escrito a 10 de Dezembro de 1965.

 

A 24 de agosto de 1970, quase quatro anos depois, Conchita convidou alguns jovens franceses ao arrependimento, sacrifício e oração "para satisfazer o Sagrado Coração de Nossa Mãe". 

A devoção de Conchita aos Corações de Jesus e Maria deu frutos para si e fez com que ela desse testemunho disso mesmo aos jovens da sua idade.

Conchita mostrou claramente essa impressão permanente na sua alma pelos Corações de Jesus e Maria, quando, em 1975, na sua carta ao povo da Irlanda disse: "... Vamos sempre estar dispostos a defender e honrar o nome dos Corações de Jesus e Maria ... eu vou sempre estar unidos convosco nos Sagrados Corações ".

 

FIM

Traduzido pelo apostolado de Garabandal em língua portuguesa