O número 18 e Garabandal

O número 18 e Garabandal

Introdução

 

Nas aparições de Nossa Senhora do Carmo de Garabandal, o número que aparece mais vezes associado a estes acontecimentos, é o número 18. Em Fátima, em 1917, Nossa Senhora decidiu escolher sempre o dia 13 de cada mês para aparecer em Fátima, por isso temos as aparições a 13 de Maio, a 13 de Junho, a 13 de Julho, 13 de Setembro e a última aparição a 13 de Outubro.

Em Garabandal, ocorreu o mesmo, mas com o dia 18. Por exemplo, a primeira aparição do Anjo S. Miguel foi a 18 de Junho de 1961, a primeira mensagem ocorreu a 18 de Outubro de 1961, a última mensagem de Garabandal ocorreu a 18 de Junho de 1965, o Milagre da Hóstia ocorreu também a 18 de Julho de 1962. 

O que podemos tirar de tudo isto? O que quererá Deus falar connosco através de tudo isto?

Sabe-se que existe uma relação na Bíblia Sagrada e os números. Deus representa a máxima ordem, e tudo que Ele realiza trás consigo a beleza, o bem e a ordem. A Bíblia usa os números com um sentido simbólico e completa com significado puramente aritmético. As línguas originais da Sagrada Escritura, o Hebreu e o Grego, têm a particularidade de que cada letra tem um valor. 

No Hebraico o número 8 é “sh´moneh” da raiz “shah´meyen”, cujo sentido é “engordar, cobrir com gordura, superabundar”. De modo que, como numeral, o número 8 é o número superabundante. Ele está associado com a Ressurreição, com o início de uma nova ordem, de um novo começo. O 8 deitado representa a eternidade e quando fica de pé representa a Ressurreição. Cristo ressuscitou dentre os mortos no primeiro dia da semana, que pode ser visto também como o oitavo dia.

 

 

Mais sobre o significado do número “8”

 

 

O “8” é o número da ressurreição. O Senhor Jesus ressuscitou dos mortos no primeiro dia da semana, que é o oitavo dia. Noé é a oitava pessoa preservada por Deus (II Pe. 2:5) e ele tem uma família de oito pessoas (I Pe. 3:20). Eles saíram da arca (a inundação representando a morte) e se multiplicaram e encheram a nova terra. Deus ordenou a Abraão que circuncidasse todas as crianças do sexo masculino no seu oitavo dia de vida (Gen. 17:11- 14). O significado da circuncisão é “a retirada do corpo da carne” (Col. 2:11). Isso concorda com “nós somos feitura [de Deus], criados em Cristo Jesus” (Ef. 2:10). David era o oitavo filho de Jesse (I Sam. 16:10,11), e ele estabeleceu o novo Israel. O leproso era limpo no oitavo dia (Lev. 14:10,23) e, assim, ele era considerado uma nova pessoa. O feixe das primícias era agitado diante do senhor no oitavo dia- ou seja, “na manhã depois do sábado” (Lev. 23:11). Cinqüenta dias depois era a Festa de Pentecostes (v.16), que significa a vinda do Espírito Santo e o começo da nova era. A Festa dos Tabernáculos durava sete dias, e no oitavo dia, havia uma santa convocação (v.36); assim como a festa tipifica o reino milenar, a santa convocação fala do novo descanso depois do reino milenar. Os sacerdotes eram também consagrados por sete dias, e no oitavo dia eles começavam o seu novo oficio (Lev. 9:1). No oitavo ano, os filhos de Israel semeavam a terra novamente (Lev. 25:22). O Salmo 8 fala do reino do Senhor (cf, Heb. 2:5-9). A Transfiguração do nosso Senhor Jesus aconteceu no oitavo dia (Lucas 9:28), evento esse que prediz o Seu poder e Sua aparição (II Pe. 1:16-18). O nome “Jesus” em grego e composto de seis letras, todas elas carregando vários valores numéricos respectivamente. 

 

Em relação a Garabandal

Sabemos que em Garabandal, Nossa Senhora profetizou sobre o fim dos tempos e que no fim desses tempos, surgirão posteriormente novos tempos e uma nova Igreja em Cristo, renovada. Por isso acredito que esta associação do número 18 em Garabandal tenha este verdadeiro significado, significa dizer que depois do fim dos tempos e da purificação, surgirá uma nova vida para a Igreja e para o mundo. É essa a nossa esperança, o aparecimento de uma Igreja renovada através do Espirito Santo, mais fiel a Cristo e em verdadeira comunhão com todos nós.

 

 

 

É interessante observar que a Bíblia só registra 8 ressurreições individuais. Elas são divididas da seguinte forma: 3 no Antigo Testamento, 3 nos Evangelhos e 2 no livro de Atos. O modo como elas foram registradas revela uma maravilhosa simetria: