Entrevista ao Bispo Del Val Gallo de Santander sobre os acontecimentos de Garabandal

Entrevista ao Bispo Del Val Gallo de Santander sobre os acontecimentos de Garabandal

Em Junho de 1992, foi realizada a primeira entrevista ao Bispo de Santander sobre os eventos ocorridos em Garabandal. As perguntas foram preparadas por Maria Saraco do centro de Garabandal dos Estados Unidos. Os textos foram traduzidos para espanhol por Mari Loli, uma das videntes de Garabandal. Sari, uma das irmãs de Mari Loli, realizou a entrevista em espanhol que foi gravada em vídeo pelo fotógrafo de imprensa, Michael Tubberty, da Nova Zelândia. A impressão e distribuição desta entrevista tiveram a permissão do Bispo.

  

Pergunta: Quais são as suas origens?

Resposta: Como resultado de algo que aconteceu com a minha família, nasci em Burgos, mas quando tinha quinze dias de idade, fui levado para Santander onde residi até aos dias de hoje.

 

 

Pergunta: O que é que o levou a tornar-se sacerdote?

Resposta: Quando tinha quatro anos de idade, o pároco da minha aldeia perguntou-me se queria tornar-me sacerdote. Eu disse “ Sim”, daquela forma como todas as crianças sabem responder. Mais tarde, quando tinha 9 euros, uma tia que era irmã do meu pai e freira na ordem “ As filhas da caridade”, tinha morrido em santidade. Houve nessa altura uma grande epidemia com elevado grau de contágio entre todas as crianças, e apesar de tudo isso, ela decidiu tomar conta dos doentes. Disseram-lhe para ter muito cuidado porque ela podia ficar contaminada, mas ela disse: “ A minha vida foi consagrada a Deus para que pudesse servir os pobres e por isso não vou parar quando eles precisam mais de mim, por isso continuarei a fazê-lo.” A minha tia acabou por ficar doente devido à epidemia, acabando por falecer. Este assunto acabou por ser discutido várias vezes entre a família, quando tinha 9 anos, e isso fez-me uma grande impressão. Este acto heróico da minha tia, acabou por fazer-me pensar. Podia eu fazer tudo isto se me tornasse sacerdote? Foi aí que tomei a decisão de me tornar sacerdote. Depois, quando tinha 12 anos de idade, entrei para a Universidade de Comillas e tornei-me sacerdote em 1944.

 

 

Pergunta: Que idade tinha quando foi ordenado sacerdote? Por quem e onde?

Resposta: Tinha 28 anos de idade. Fui ordenado sacerdote pelo Arcebispo Parrado de Granada. Ele já morreu há já alguns uns anos atrás. O lugar onde fui ordenado sacerdote foi na Igreja que pertence à Universidade de Comillas.

 

 

Pergunta: Quando foi pela primeira vez a Garabandal e porquê?

Resposta: Eu fui oito dias depois das primeiras aparições. Eu fui lá porque o Bispo Doroteo Fernandez chamou-me. Ele era naquela altura o Administrador Apostólico da diocese. Um vez que eu era um sacerdote na qual confiava, quis que eu fosse lá para observar os acontecimentos e para que lhe reportasse todas as impressões de tudo aquilo que eu observasse. Por isso fui para Garabandal, oito dias depois das primeiras aparições de Garabandal.

 

Pergunta: Quantas vezes visitou Garabandal durante o tempo das aparições?

Resposta: Só fui a Garabandal por duas vezes, tudo por ordem do Bispo.

 

 

Pergunta: Conseguiu testemunhar alguns dos êxtases das meninas? Se sim, por favor descreva aquilo que viu e ouviu. Quais foram as suas impressões?

Resposta: Sim, sim, vi-as em êxtase. Isso era aquilo que eles chamavam de transe psicológico. Eu acredito que era um transe, mas não tão profundo como o primeiro, porque elas entravam e saiam do êxtase. Eu disse na altura que acreditava tratar-se de um transe, e isso fez com as que pessoas acreditassem que se tratava de algo supernatural. As minhas impressões foram de mero espectador. Iremos ver. Iremos ver o que irá acontecer, porque com este tipo de situações, não podemos ter pressa.

 

 

Pergunta: Quando começou a fazer parte da diocese de Santander? Foi esta a primeira diocese como Bispo?

Resposta: Entrei para a diocese no dia 4 de Dezembro de 1971 e fui destacado a 16 de Janeiro de 1972. Estive aqui durante 20 anos. Antes disso, estive em Jerez de la Frontera, na região de Cadiz, que pertence à diocese de Sevilha. Fui colocado aí pelo Cardeal de Sevilha, onde realizava as minhas tarefas normais como qualquer outro Bispo.

 

 

Pergunta: Desde o início das aparições, quantos Bispos o precederam?

Resposta: Muitos. Eles foram muitos, se considerarmos que uns foram Bispos e outros administradores Apostólicos, porque durante esse tempo, houve muito movimento na diocese de Santander. Esteve o Doroteo Fernandez, Eugénio Beitia, Vicente Puchol, Enrique de Cabo e depois veio Jose Maria Cirarda que na altura tomava conta da diocese de Bilbau como Bispo Auxiliar e administrador Apostólico. Depois um outro Bispo que se chamava Rafael da Fuente e finalmente eu em 1972.

 

 

Pergunta: Não é verdade que de todos os Bispos, foi o único que realmente testemunhou as meninas em êxtase?

Resposta: Penso que sim. Penso que fui o único. Ouvi dizer que Conchita caiu em êxtase em frente ao Bispo Puchol mas não tenho a certeza. Sim, penso que fui o único a testemunhar os êxtases.

 

 

Pergunta: Alguma vez tinha imaginado que Deus iria colocá-lo nesta situação única?

Resposta: Sempre tentei estar nas mãos de Deus. Sempre tentei, independentemente de serem situações difíceis ou fáceis, e neste caso (Garabandal), foi difícil mas ao mesmo tempo, proporcionou-me alegria.

 

 

Pergunta: Quando decidiu retirar as restrições que os anteriores Bispos tinham imposto aos sacerdotes em relação a Garabandal e porquê?

Resposta: Não me lembro claramente da data exacta. Tudo foi feito passo a passo. Primeiro disse ao pároco para retirar as restrições, depois mais tarde tornei pública essa decisão, mas não me lembro da data exacta em que isso aconteceu. Penso que foi seis anos antes de reformar-me. No entanto, penso que foi no meu último ano, em Setembro.

 

 

Pergunta: As aparições de Garabandal foram alguma vez condenadas pela Igreja?

Resposta: Não. Os Bispos que me antecederam nunca admitiram que as aparições eram sobrenaturais, mas para as condenarem, não, essa palavra nunca foi usada.

 

 

Pergunta: Quando decidiu reabrir o estudo sobre Garabandal e quem fez esse estudo? Como foi ele conduzido e quando foi concluído?

Resposta: O estudo foi finalizado em Abril de 1991, durante uma reunião que tivemos em Madrid, mas o mesmo não foi aberto numa data específica. Começou seis anos antes, na qual se tiraram várias notas sobre todas as circunstâncias ali ocorridas. No início fazíamos pouco a pouco, por isso demorou seis a sete anos até que o processo estivesse concluído. Até aí, tinha ido exactamente até onde os outros Bispos foram. Eles tinham dito não, mas pessoalmente sempre achava que devia fazer algo mais. Tive que realizar uma investigação pessoal, isto porque a responsabilidade assim o exigia. Tinha que fazer algo, porque sentia que algo de muito importante e sério tinha acontecido em Garabandal. Pelo facto de ser tão sério, tinha eu mesmo a obrigação de tentar descobrir o que se tinha lá passado na realidade.

 

 

Pergunta: O que é que aconteceu aos resultados dessa investigação?

Resposta: Os resultados foram entregues à Santa Sé, à Sagrada Congregação da Doutrina da Fé. Foram entregues ao Cardeal Ratzinger.

 

 

Pergunta: As mensagens de Garabandal são teologicamente correctas e estão de acordo com os ensinamentos da Igreja Católica?

Resposta: Penso que sim. Teologicamente correctas, sim. Mas um dos detalhes incomoda-me um pouco:” Muitos Bispos e sacerdotes vão pelo caminho da perdição…”. Penso para mim, que estas afirmações são demasiado severas. No entanto, as mensagens não dizem nada contra a doutrina da Igreja.

 

 

Pergunta: Quando e porquê decidiu aposentar-se?

Resposta: Decidi aposentar-me devido à minha idade. A Igreja pede isso a todos os Bispos do mundo, e somos à volta de 4000. Quando atingimos a idade de 75, enviamos uma carta ao Papa pedindo a nossa substituição. Foi o que eu fiz. O meu aniversário dos 75 anos de sacerdócio realizou-se no dia 13 de Junho do ano passado (1991), e eu retirei-me a 29 de Setembro.

 

 

Pergunta: Tem alguns planos especiais para o futuro?

Resposta: Sim, o meu plano será rezar mais, isto porque agora eu tenho mais tempo, e por isso é um dos meus primeiros planos. O meu segundo plano é ajudar os não privilegiados. O meu terceiro plano é …..bem eu escrevia muito, antes de ser Bispo, acabei por não fazê-lo mais por falta de tempo. Se queres ser um bom Bispo, não existe tempo para escrever, isto porque existe sempre muito trabalho para fazer. Mas para agora, escrever também faz parte dos meus planos. Se na altura em que era Bispo tivesse escrito muito, não conseguiria realizar as minhas tarefas da melhor maneira. Sempre pensava que retomaria esta função de escritor quando estivesse reformado. Por isso, actualmente estou a escrever um livro que demorará cerca de ano e meio até que o conclua. Penso que o título será mais ou menos parecido com “ Os Cristãos no ano 2000.” Será um livro que falará sobre a cultura europeia e de que forma ela está a influenciar a vida cristã e também de que forma, como cristãos que somos, esta cultura vai ao encontro de Deus.

 

 

Pergunta: Como “ Mãe redentora” e “ Mãe da Igreja”, que tipo de influência acredita que a Nossa Mãe do Céu terá na vida de toda a humanidade?

Resposta: Em resposta a essa pergunta, a primeira coisa que me vem à cabeça é a vida do Cardeal Wyszynsky da Polónia. Ele foi Cardeal em tempos de grandes dificuldades. Com a instalação do império comunista, a Igreja foi oprimida e perseguida, não havia liberdade. Foi nesse pior momento que o Cardeal Wyszynsky confiou todo o seu sofrimento à Virgem Maria, Nossa Senhora de Czestochowa. Nesse momento de aflição extrema, o Cardeal e a sua fé encontraram refúgio em Nossa Senhora, porque ela é a única que irá salvar a fé. Em relação a esta pergunta, posso perfeitamente identificar-me com o Cardeal Wyszynsky, isto porque penso da mesma forma que ele, ou seja, será Nossa Senhora que irá salvar a fé.

 

 

Pergunta: Acredita que as mensagens são a parte mais importante de Garabandal?

Resposta: Com certeza. Eu considero importantes as mensagens, porque elas são muito importantes dentro desta área, e pelo facto de serem similares às de Fátima e Lourdes. É muito importante para nós cristãos vivermos de acordo com o conteúdo das mensagens, se considerarmos que ela disse isso, não estou a admitir isso, porque senão desta forma estaria a admitir que as aparições seriam verdadeiras, e eu não posso dizer isso porque a Igreja ainda não se pronunciou sobre isso. A Igreja é a única que terá a última palavra

 No final desta sessão de questões, o Bispo del Val Gallo deixou o seguinte comentário: “ Fiquei muito contente com a vossa visita. Foi bastante significativa para mim.”

 

 

 

 

 

 

 

Tradução para língua portuguesa – Apostolado de Garabandal em língua Portuguesa, Portugal