Entrevista a Serafin Gonzalez ( irmão de Conchita), sobre os acontecimentos de Garabandal

Entrevista a Serafin Gonzalez ( irmão de Conchita), sobre os acontecimentos de Garabandal

Serafin Gonzalez era o irmão mais velho de Conchita Gonzalez, uma das videntes de Garabandal, ele próprio foi testemunha dos grandes acontecimentos de Garabandal. A 11 de Abril de 1993, Domingo de Páscoa, enquanto o grupo de Garabandal dos Estados Unidos estava nesta aldeia em peregrinação, um dos membros, Marc Conza da Flórida, perguntou a Serafin, se lhe podia realizar uma entrevista. Serafin, de forma graciosa, consentiu, e através da sua filha Conchita que sabia falar inglês e Espanhol, a entrevista foi realizada na parte da frente de sua casa.

 

 

Pergunta: Muita coisa mudou em Garabandal desde o tempo das aparições, por exemplo novas casas foram aqui construídas. Foi difícil esta adaptação ou desejavas que as coisas tivessem permanecido simples como antigamente?

Serafin: São as consequências normais de tudo aquilo que ocorreu aqui. As pessoas viajam para aqui, gostam disto e como consequência decidem construir uma casa. As pessoas vêem de todo o lado.

 

Pergunta: Quem é o actual pároco de Garabandal e há quanto tempo ele reside aqui?

Serafin: Chama-se Padre Juan Gonzalez e está aqui há muitos anos.

 

Pergunta: Ele foi testemunha dos acontecimentos de Garabandal?

Serafin: Nem todos os padres foram testemunhas, mas a maioria deles foram.

 

Pergunta: Qual é a sua actual posição?

Serafin: Ele continua a acreditar da mesma maneira como no tempo das aparições. Ele tem a mesma fé e a mesma esperança de que um dia todos estes acontecimentos serão cumpridos.

 

Pergunta: Qual foi a sua reacção quando o pároco de Garabandal anunciou que as restrições em relação aos sacerdotes tinham sido retiradas?

Serafin: Penso que da parte do anterior Bispo Del Val Gallo, foi uma boa decisão que tomou ao retirar as restrições aos sacerdotes. Penso que foi muito justo e correcto que se tomasse a decisão de permitir que sacerdotes pudessem vir aqui a Garabandal e realizar a Eucaristia.


 

Pergunta: O que acha sobre as novas investigações que se realizaram aqui?

Serafin: Penso que foi muito bom terem rectificado e corrigido a informação de tudo aquilo que aqui se passou, mas acho que foi feita tarde demais. Isto não foi por culpa dos investigadores, porque eles eram boas pessoas; eles fizeram um bom trabalho. Eles fizeram perguntas sobre tudo: se acreditávamos, se duvidávamos o que tínhamos visto e o que sentimos em relação a tudo isto. Fizeram tudo de forma muito positiva.

 

Pergunta: De que forma se pode comparar esta recente investigação com a anterior realizada em 1961?

Serafin: A primeira investigação foi realizada de forma incorrecta, fizeram muito pouco e não se esforçaram por encontrar a verdade. Penso que a segunda investigação foi mais útil do que a primeira de 1961. 

 

Pergunta: Quem eram estes mais recentes investigadores?

Serafin: Não me lembro dos seus nomes. Eles eram especialistas de diferentes áreas, e foram enviados pelo Bispo de Santander. Dois ou três deles, fizeram-me perguntas e fizeram o mesmo com outras pessoas. Fizeram-me perguntas específicas. Tudo foi realizado de forma competente, apontavam tudo o que ouviam. Uma parte deles foram depois embora da aldeia, e uma outra parte ficou ainda alguns dias. Todos eles vieram para aqui para fazer o seu trabalho de forma competente, mas alguns disseram-me: “ Temos que voltar aqui outra vez, mas por nossa iniciativa.” Todos eram boas pessoas, muito atenciosos e educados.

 

Pergunta: Durante o tempo das aparições, o pároco de Garabandal, Valentin Marichalar foi retirado. Porquê?

Serafin: Possivelmente, foram ordens do Bispo de Santander, por pensar que o pároco Valentin acreditava nas aparições de Garabandal. Depois de sair o padre Valentin, só chegaram sacerdotes que pensavam de forma negativa em relação às aparições ocorridas em Garabandal.

 

Pergunta: Qual foi o sacerdote que sucedeu a Dom Valentin?

Serafin: Não tenho bem a certeza. Penso que foi o padre Olano ou o padre Amador.

Conchita (filha de Serafin): O Padre Amador acreditou nas aparições. Ele disse-me.

 

Pergunta: Ele acreditou desde o início?

Serafin: Não, mas da primeira vez que ele viu um êxtase da minha irmã Conchita, veio ter comigo e disse-me:” Eu vi o êxtase da tua irmã, e foi um êxtase perfeito. É bem possível que Nossa Senhora esteja a gracejar-nos, mas temos de ter muito cuidado, pois muita gente vem ter com as raparigas e escrevem-lhes cartas. Toda a gente gosta delas, mas tudo pode-se perder, através da vaidade. Mas é provável que Nossa Senhora esteja a conceder-nos uma graça especial.”

O padre Amador ficou depois aqui durante pouco tempo. Ele foi depois substituído, possivelmente porque deve ter ido a Santander alguma vez dizer que entretanto tinha mudado de opinião em relação aos acontecimentos de Garabandal (que acreditava nas aparições).

 

  

Pergunta: Foi dito durante o tempo das aparições, que Nossa Senhora disse a Conchita que existiam pessoas que viviam no espaço, noutros planetas. Podes dizer alguma coisa sobre isto?

Serafin: Lembro-me de ouvir dizer isso. Eu pessoalmente penso que os outros espaços ou lugares têm a ver com o lugar onde estão os anjos, os Santos ou do lugar onde habitam as almas do purgatório.

 

Pergunta: Lembras-te do dia em 1962, em que o Rei e a Rainha da Bélgica visitaram a aldeia de Garabandal?

Serafin: Ninguém sabe com toda a certeza sobre isso. Nessa altura disseram que eles estiveram presentes aqui em Garabandal, mas de forma disfarçada, de maneira que as suas identidades não fossem descobertas.

 

Pergunta: O que disse Nossa Senhora às meninas sobre as modas?

Serafin: Nossa Senhora disse que as modas arrastam as pessoas para o inferno e que deviam vestir-se com decência e modéstia se quiserem ser salvas. Estas foram as suas palavras. Tudo isto foi dito em forma de canções que Nossa Senhora lhes ensinou enquanto estavam em êxtase. (Serafim chegou a cantar os últimos trechos da música). A mensagem incutida nessas canções tem mais significado agora do que na altura, quando observas o desastre que as modas têm actualmente na vida das pessoas.

 

Pergunta: Nossa Senhora apareceu em Garabandal com o título de Nossa Senhora do Carmo. Ela disse alguma coisa sobre a utilização do escapulário?

Serafin: Não me lembro muito bem sobre as palavras exactas, mas lembro-me qualquer coisa que se o utilizarmos, muitas almas se salvarão.

 

Pergunta: Ela disse isso aqui em Garabandal?

Serafin: Sim, sim. Não me lembro das palavras exactas, mas sei sobre o seu real significado – protege-nos ou é a nossa salvação; qualquer coisa similar a isso. Mas ela falou sobre isso aqui.

 

Conchita (Filha de Serafin): Quando a minha avó morreu (estava-se a referir a Aniceta), a minha tia Conchita estava aqui presente para o velório da sua mãe. Nessa altura esteve presente um homem de Saragoza, que veio dar os seus sentimentos pela morte da mãe. Ele era um bom homem, mas não ia à Missa nem praticava a sua fé, no entanto acreditava nas aparições de Garabandal. O meu pai lembra-se que a primeira coisa que a minha tia Conchita disse foi: “ Ponham o escapulário nele.” Ela dava muita importância ao uso do escapulário.

 

Pergunta: Em 1961 a Igreja removeu do calendário, uma grande quantidade de Santos. Muitas pessoas começaram a pensar que eles não eram santos e que não voltariam a ser colocados de novo no calendário. Alguma vez, Nossa Senhora beijou as medalhas de S. Cristóvão? S. Cristóvão foi um dos santos que foi retirado do calendário.

Serafin: Não me lembro sobre isso.

(Nota do entrevistador: Tive oportunidade de entrevistar outra pessoa da aldeia, Aurélia Gonzalez, tia de Serafim e Conchita, em relação ao mesmo assunto e ela disse-me de forma convicta, sem qualquer hesitação: “ Oh, sim. Nossa Senhora beijou muitas medalhas de S. Cristóvão.”

 

Pergunta: Foi reportado, que as meninas quando ficavam em êxtase, havia uma alteração drástica ao nível do seu peso. Tivestes alguma experiência disto?

Serafin: Sim. Elas ficavam bastante mais pesadas do que eram na normalidade. Algo também muito similar com a questão do peso acontecia nas chamadas “ marchas extáticas”. Elas corriam com os seus braços esticados em forma de cruz e com as suas faces esticadas para cima e era muito difícil poder alcançá-las, apesar de que no seu estado normal eu era mais rápido do que elas. Mas quando estavam em êxtase era extremamente difícil conseguir alcançá-las. Outra coisa, outro milagre aconteceu quando elas desceram da zona dos “pinheiros” de joelhos sem olharem para onde iam. Elas nunca olhavam onde colocavam os seus joelhos, parecia que alguém colocava as suas mãos debaixo dos seus joelhos, porque parecia que os seus joelhos estavam sempre muito limpos, não se via nenhum arranhão, cortes, ou outra coisa qualquer. E muitas vezes no inverno, elas desciam de lá quase cobertas com meia cintura de neve! Era extraordinário.

 

 

Pergunta: Quando as meninas recitavam o rosário em êxtase, elas rezavam aquilo que Nossa Senhora ensinou aos pastorinhos de Fátima: “Ó meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno….”?

Serafin: Penso que sim, mas não tenho a certeza. Penso lembrar-me qualquer coisa sobre isso, mas não posso ter a certeza. Era um grande privilégio poder ouvir a recitação do rosário que as meninas rezavam com Nossa Senhora, isto porque ela ensinava-as a rezá-lo de forma muito lenta e com muita paz. Era um verdadeiro presente poder ouvi-las. Era lindo!

 

Pergunta: Ela recitava 15 dezenas, ou apenas 5?

Serafin: Penso que eram cinco, mas não tenho a certeza.

 

Pergunta: Como é que te sentes ao saber que Nossa Senhora visitou a tua aldeia, a tua casa e esteve com a tua irmã?

Serafin: É difícil de explicar, isto porque quando tentas perceber a razão da vinda de Nossa Senhora aqui e o facto de ter estado com a minha irmã, verificas que é algo que está fora da nossa capacidade de compreensão. Não sei explicar o porquê dessa razão.

 

Pergunta: O que pensas sobre as mudanças que se realizaram na Igreja desde o tempo das aparições?

Serafin: Desde o Concílio Vaticano II que tem sido bastante difícil. Existe uma enorme confusão entre as pessoas.

 

Pergunta: Lembras-te de ouvir dizer que Nossa Senhora disse que não haveria mais uma guerra mundial?

Serafin: Tenho quase a certeza de ter ouvido a minha irmã dizer que não haveria nenhuma guerra atómica, pelo menos. É por isso que para mim o Aviso é muito claro. O Aviso será um acontecimento global; toda a gente perceberá que será algo que vem de Deus e não de origem humana. Ninguém ficará magoado; será uma preparação da consciência, está tudo ligado. Em primeiro, não haverá nenhuma guerra atómica, ouvi isso de Conchita, isto porque o Aviso será algo que assustará as pessoas, criará pânico nas pessoas. É muito claro para mim que durante o Aviso haverá sentimentos de medo e pânico, mas tu saberás que virá de Deus. Será algo que preparará as nossas consciências, porque quando o Aviso acontecer, as pessoas nessa altura não serão dignas de receber o Milagre.

 

 

Pergunta: Em primeiro o Aviso será visto no céu e só depois entrará dentro de cada um de nós, é assim?

Serafin: Como a Conchita disse, sim. O mundo terá medo, mas o seu propósito será purificar as nossas consciências, isto porque de acordo com o que disse Nossa Senhora, a consciência do mundo nessa altura será muito má.

 

Pergunta: Tenho a certeza que deves notar que o mundo está cada vez pior.

Serafin: Na forma espiritual, sim.

 

  

Pergunta: Durante quanto mais tempo, achas que Deus deixará que a situação no mundo se deteriore, antes do Aviso?

Serafin: Não consigo imaginar uma situação dessas. Talvez ainda o mundo não esteja assim tão mau como irá estar no futuro; talvez vá piorar mais ainda. Em Espanha, por exemplo, vejo cada vez pior a situação espiritual e moral das pessoas.

 

Pergunta: Como é que achas que um grande número de pessoas consiga chegar aqui no dia do Milagre, tendo apenas 8 dias de antecedência de aviso?

Serafin: Não será fácil. Nem toda a gente poderá estar aqui presente. Mas haverá tempo. Actualmente já temos fáceis acessos e comunicações. Os que vierem terão a responsabilidade de explicar tudo aquilo que se passará aqui utilizando os meios de comunicação social como a televisão, por exemplo. Deus sabe que nem toda a gente poderá vir até aqui, mas acho pessoalmente, é a minha convicção pessoal que o mundo será tão mau depois do Aviso, tão impassível, que não se mostrará interessado em vir aqui.

 

Pergunta: Mesmo depois do Aviso?

Serafin: Talvez não haja tanta gente que se mostre interessada em vir. Talvez as suas consciências sejam demasiado más. Não conseguimos imaginar como serão as coisas na altura. Se pensarmos que Nossa Senhora avisou-nos que nessa altura as consciências estarão mal, imaginem como estarão os corações dessas pessoas.

 

 

Pergunta: O que achas que deves dizer a todas aquelas pessoas que dizem que já passaram 32 anos desde as aparições e ainda não aconteceu nem o Aviso nem o Milagre?

Serafin: Tens de ter esperança e esperar com paciência. Tenho a certeza de que essas coisas acontecerão, mas saber qual será a geração que assistirá a tudo isso, eu não sei. Nossa Senhora disse-nos que tudo vai acontecer e tudo virá a seu tempo e eu acredito que virá mesmo.

 

 

 

 

  

 

Traduzido pelo apostolado de Garabandal em língua portuguesa, Portugal