Garabandal visto por um sacerdote missionário

24-07-2011 22:54

 

O Padre Geraldo (Gerry) Farrel, natural de Nova Iorque, foi ordenado padre missionário em Junho de 1957. Dos 26 anos ao serviço ao Senhor, 21 anos foram passados na Korea. Em 1993, depois de passar alguns dias em Rhode Island, Nova Iorque, na casa de Betânia, voltou novamente a ser chamado para a Korea. No passado verão, regressou a Brooklyn onde vive a sua mãe e irmã, aproveitando o pedido de férias prolongado que costuma ter de três em três anos.

O padre Farrel, acredita que as mensagens de Garabandal vêm de Deus e a 15 de Julho de 1986, Marie Fitz Patrick da nossa equipa editorial entrevistou-o sobre assunto de Garabandal. As suas reflexões sob o ponto de vista de um missionário relativamente ao impacto do Aviso e do Milagre, são vistos numa outra perspectiva que quase ninguém ainda tinha considerado.

 

 

Pergunta: Como ficou a saber sobre Garabandal?

Resposta: Ouvi falar sobre Garabandal através de um livro de Joseph Pelletier. “ Our Lady comes to Garabandal”. A casa de Betânia ficava situada na diocese de Providence, não muito longe da casa de Pelletier em Worcester, Massachusetts. Quando em 1975 se soube que o padre Pelletier tinha tido um ataque cardíaco, fomos visitá-lo ao hospital. Foi nessa ocasião que fiquei a saber sobre o livro de Garabandal e foi a partir daí que comecei a lê-lo. Nos anos seguintes, eu visitei-o por várias ocasiões juntamente com outros sacerdotes, onde através dele aprendi muita coisa sobre Garabandal.

 

Pergunta: Chegou a encontrar-se com Conchita[1]?

Resposta: Sim, por diversas vezes. Depois da casa de Betânia ter sido mudada para a localidade de Hastings on Hudson, Nova Iorque, conheci um leigo numa conferência que me perguntou sobre o tipo de trabalho que realizávamos. Eu respondi: “ pela intercessão dos sacerdotes.” Ele depois comentou-me que ia muitas vezes à “ Hora santa pelos sacerdotes” a casa de Conchita Keena em Nova Iorque, e se um dia eu gostasse de lá ir, ele teria todo o gosto em levar-me com ele. Então, um dia aceitei a proposta dele e fui pela primeira vez a casa de Conchita no dia 18 de Junho de 1981.(Depois mais tarde as “Horas Santas” eram realizadas às sextas-feiras.) Durante o caminho pude constatar que naquele dia, faziam 20 anos depois da primeira aparição em Garabandal. Quando cheguei a sua casa, cumprimentei-a, ao início ela olhou-me de forma um pouco intrigada, mas depois sorriu. Depois da “Hora Santa”, ela trouxe-nos um bolo que trazia “ Feliz vigésimo aniversário “.

Uma vez que da casa de Betânia até casa de Conchita demorava apenas quarenta e cinco minutos, eu fui lá mais vezes e levava comigo alguns sacerdotes convidados. Quase todos os membros da nossa casa foram à “Hora Santa” que se realizava em casa de Conchita. Eles ficavam impressionados com a seriedade da “Hora Santa”, as orações pelos sacerdotes e a fidelidade das pessoas em relação àquele momento. Fiquei muito impressionado com a humildade, simplicidade e frontalidade de Conchita, alguém a quem Nossa Senhora quis aparecer e a quem quis confiar as mensagens, que foram ouvidas directamente por ela.

 

 

Pergunta: Também chegou a conhecer as restantes videntes?

Resposta: Conheci Mari-Loli e a sua família quando regressei de uma viagem a Garabandal, em 1982. Falei-lhe sobre as notícias mais recentes de Garabandal e ela ficou interessada em ouvir. Fiquei impressionado com a sua humildade e simplicidade.

 

Pergunta: Como conhecestes Joey?

Resposta: Através de um amigo comum, o padre Carl Hammer of Albuquerque, Novo México. O padre Carl esteve com o Joey na sua paróquia para falar sobre Garabandal, então quando o padre veio à casa de Betânia como convidado, em 1981, fomos juntos visitar Joey a sua casa. Um ano mais tarde fui com o Joey na peregrinação a Guadalupe, México, onde celebrou o quinto aniversário de casamento e os meus vinte e cinco anos de ordenação sacerdotal.

Pergunta: Como missionário, o que é que encontrou de tão especial sobre Garabandal, que o tenha levado a divulgar as mensagens?

Resposta: Existiram demasiados fenómenos ligados a Garabandal que foram muito marcantes para mim. O que eu achei de maior destaque, teve a ver com a forma como Nossa Senhora apareceu, a sua maior aproximação e ligação com as meninas, quando comparamos com as outras aparições, como Lourdes por exemplo.

Em Lourdes, esteve numa gruta, em Fátima esteve numa azinheira, em Guadalupe numa colina. Mas em Garabandal ela foi muito maternal e doméstica, muitas das vezes aparecia em todas as casas da aldeia, vielas, no cemitério, na Igreja e nos “pinos”. Ela queria estar com as meninas em todos os lugares e em todas as situações, mesmo nas brincadeiras como as escondidas, etc. Por isso acho que esta aproximação maternal foi o facto mais notável para mim.

 

 

Neste ponto da entrevista, o padre Farrel falou e reflectiu sobre alguns tópicos chave relacionados com os acontecimentos de Garabandal:

 

 

 

A mensagem eucarística

 

 

O ponto mais importante para mim em relação ao meu apostolado foi estabelecer nas paróquias da Koreia, as Adorações Perpétuas, o que vai ao encontro da urgência com que Nossa Senhora falou em Garabandal sobre a importância da Eucaristia e da visita ao Santíssimo Sacramento. Na primeira mensagem pública que diz:” visitar o Santíssimo Sacramento frequentemente…” e na segunda mensagem:” Cada vez dão menos importância à Eucaristia…”, a palavra Eucaristia é usada de forma bastante significativa. Também pelo facto das meninas receberem a Eucaristia por parte do Anjo sempre que um Sacerdote não estivesse presente em Garabandal, pelo facto de ter havido um prodigioso milagre da hóstia visível em Garabandal, é de facto notável.

 

O Aviso e o Milagre

 

 

Na mensagem de Fátima de 1917, Nossa Senhora disse que se o seu apelo não fosse atendido, a Rússia espalharia os seus erros pelo mundo. E isto aconteceu! Muitas pessoas encontram-se privadas de entrar em contacto com missionários, porque os seus países transformaram-se em países comunistas. Existem milhares de pessoas no mundo que estão impedidas de escutar o Evangelho. Por exemplo, na China, onde moram um bilião de pessoas, pregar o Evangelho é estritamente proibido. Para além disso, poderíamos falar de mais situações de países comunistas ou de países onde se pratica o budismo, o Hinduísmo, onde a evangelização cristã é proibida. Esta situação de confronto com os missionários é muito mais grave agora do que em 1917.

Acredito que estas duas profecias transmitidas por Nossa Senhora revelam o lindo antídoto de Deus para toda esta situação. Estas profecias dizem-nos que Deus através de um acto da Sua misericórdia, independentemente da relação que cada um de nós terá com Deus, irá dar-nos uma oportunidade de conversão. Estes dois eventos profetizados por Nossa Senhora, estão projectados para nos trazer os elementos essenciais para a realização de uma verdadeira conversão de vida, e que podemos encontrar nas primeiras palavras proferidas pelo Senhor: “ Arrependei-vos e acreditai no Evangelho.”

 

 

O Aviso, o primeiro dos acontecimentos, foi designado para nos trazer o arrependimento. Através deste evento, todas as pessoas, ao mesmo tempo, os que acreditam e os que não acreditam, verão a sua relação com Deus num verdadeiro momento de verdade na qual teremos a oportunidade de nos arrependermos dos nossos pecados. Será um acontecimento único na história da humanidade. Deus faz simplesmente isto porque Ele é um Pai amoroso que vê as nossas necessidades e decidiu fazê-lo desta forma.

 

 

O Milagre, o segundo acontecimento, foi designado para conseguirmos aprofundar a nossa fé no Evangelho, a nossa fé em Jesus Cristo. Isto porque será claro que é Ele que preparará o Milagre apontado desta forma para a Sua verdadeira Igreja. Tal como no Aviso, os benefícios do Milagre serão apreciados por todos. De acordo com a providência de Deus, tudo isto irá acontecer num tempo de comunicações globais. Muitos verão directamente, outros serão informados desses acontecimentos. Uma vez que todos vão vivenciar o Aviso, aqueles que se arrependerem, estarão dispostos para acreditarem em Jesus e no Seu Milagre, completando desta forma a sua conversão pessoal.

Quantos irão arrepender-se? Só Deus sabe a resposta a esta pergunta. Mas de certeza que serão muitos e tudo isto criará um enorme desafio aos missionários para ensinar as verdades do Evangelho para todos aqueles que foram recentemente convertidos, e dar-lhes também as boas-vindas à Igreja. Por outras palavras, num futuro próximo, poderemos olhar para um glorioso período de Evangelização.

 

 

 

 

 

Traduzido pelo apostolado de Garabandal em língua Portuguesa

 

 


[1] Nota: Conchita Gonzalez, uma das videntes de Garabandal vivia e ainda vive nos Estados Unidos.