Junho a Outubro de 1961 

 

PARTE I

Período dos êxtases e aparições

18 de Junho de 1961 a 20 de Janeiro de 1963

18 de Junho, 1961

Calleja – 08:30 h da manhã

Aparição do Anjo S. Miguel

 

 

Disse Conchita no seu diário: “ O maior evento da minha vida, ocorreu em 18 de Junho, em San Sebastião de Garabandal…aconteceu num Domingo.”

 

Conchita, Jacinta, Mari-Loli e Mari- Cruz estavam a brincar numa área aberta da aldeia. De repente decidiram ir brincar para uma zona mais distante da aldeia. Quando chegaram ao Jardim da sua professora primária, elas tiveram a tentação de ir buscar maças de uma das árvores. As crianças encheram os seus bolsos e fugiram para uma a zona que se chama “calleja”, de maneira a que não fossem vistas, nem apanhadas por alguém. Segundo Conchita, a calleja é “ un trocito del Cielo”, um pequeno bocadinho do Céu “. Enquanto as meninas estavam a comer as maças, um trovão e uma luz em forma de zig-zag! (luz que piscava de forma intensa) apareceu. Eram 08:30 da tarde. As crianças começaram a ter medo, pois pensavam que iam ser castigadas pela asneira que tinham feito. Conchita foi a primeira a ver o Anjo, antes das outras começarem a chorar e a dizer “ Ai, Aí, …. O Anjo !. Depois entraram em êxtase.

 

Descrição do Anjo por parte das meninas

  

 

“Apareceu com uma túnica Azul, com asas que pareciam serem feitas de fogo, era uma bonita pessoa, rodeada de uma luz muito forte, que não incomodava os nossos olhos, dava a sensação de ter nove anos, mas parecia ser muito forte. Parecia ser um rapaz novo, mas perante ele, nós sentíamos por ele um grande respeito.”

Após terem visto o Anjo, as meninas refugiaram-se na Igreja. Antes disso tinham contado este acontecimento à sua Professora primária. O anjo apareceu por diversas vezes às meninas, até ao dia 1 de Julho, mas apenas falou com elas nesse dia.

 

 

19 de Junho, 1961

“Uma pequena voz interior”

 

 

 

No dia a seguir ao aparecimento do Anjo S. Miguel, as quatro meninas deslocaram-se ao mesmo local onde tinham visto o Anjo pela última vez. Naquele momento, já toda a aldeia sabia sobre a notícia da aparição do Anjo. Rezaram o rosário, mas o Anjo não apareceu. A professora que estava com elas, disse-lhes: “Se foi realmente o Anjo, ele há-de aparecer novamente.” No entanto, por volta das dez da noite, quando rezavam as suas orações, cada uma delas ouviu no seu quarto uma voz que disse:

“ Não tenhas medo! Tu irás ver-me outra vez”

 

 

20 de Junho, 1961

“Visão de uma nuvem brilhante”

 

  

 

Depois de terem ido à escola pela parte da manhã, já pelo fim da tarde, as meninas decidiram ir à “ calleja “[1]. Chegadas lá, e após terem terminado de rezar o rosário, o Anjo ainda não tinha aparecido. Começaram a descer pelo caminho, quando de repente, “ quando de repente, nós vimos uma luz muito brilhante que se escondia de nós de um sitio para o outro. Nós ficamos completamente tontas com a luz e começamos a gritar, pois estávamos assustadas. No entanto a luz já tinha desaparecido.”

 

Nota1: Este acontecimento só pode ser comparado com o que é citado no tema do antigo testamento “ a nuvem brilhante “, que denota a segunda das quatro manifestações do “ Shekinah”, que quer dizer em Hebreu, a presença de Deus. Relata sobre o aspecto feminino da Santíssima Trindade, “ uma nuvem que segue as crianças de Israel no deserto”. Significa também uma nuvem de luz de dia e uma coluna de fogo de noite que guiava os Israelitas ao Monte Sinai. Também na Transfiguração de Cristo, a nuvem representa o sinal da presença de Deus.

Nota 2: Conchita disse, no dia 13 de Abril de 1963, que no dia do Milagre “um pilar de fumo e fogo…”

  

 

21 de Junho, 1961

“Visão de um quadro luminoso”

 

 
 

 

Neste dia[2], as crianças tiveram uma visão misteriosa. Segundo elas: “ Parecia como uma luz vermelha ou fogo, na qual tinha dentro um triângulo, um olho e um texto, as letras estavam escritas numa forma de estilo arabesco.”Depois deste acontecimento ter acabado, o Anjo apareceu.”

Nota 1: Tudo leva a crer que se trate do nome de Deus “ Yahweh”. Esta visão é única na história de todas as visões Marianas. Faz-nos lembrar o famoso episódio da sarsa ardente.

“ Os puros de coração verão Deus…”

 

 

22 de Junho, 1961

“O anjo volta a aparecer”

 

 

 

Neste dia, o Anjo S. Miguel volta a aparecer, logo após as meninas terem acabado de recitar o rosário. Os seus êxtases foram presenciados pelo Padre Local Valentin Marichalar e por vários populares (a noticia sobre estes acontecimentos espalha-se pelas aldeias vizinhas). O mesmo informou o administrador apostólico sobre o sucedido nesta pequena aldeia. O padre Valentin Marichalar era o Sacerdote que ministrava no Cosio, aldeia onde vivia e que distanciava em cerca de 8 km da aldeia vizinha de Garabandal.

Este sacerdote conhecia bem as meninas e suas famílias. Observou sempre bem de perto, desde o seu começo, todos estes acontecimentos supernaturais, onde chegou a expressar mais tarde a sua opinião sobre o assunto de forma positiva. Uma vez informado sobre os factos ocorridos, ele começou desde o dia 19 de Junho a questionar as meninas de perto e de forma paciente. Don Valentin esteve pela primeira vez presente num êxtase das meninas no dia 22 de Junho.

 

 

23 de Junho, 1961

“A chegada da Guarda Civil”

 

 

 

A seguir ao êxtase desta sexta-feira, o Padre Valentin Marichalar questionou as meninas separadamente. No fim da sua análise, ele declarou que as suas respostas coincidiam todas na perfeição. Segundo o próprio, “ Até ao momento presente, tudo parece indicar que vem de Deus.” Logo a seguir decide ir a Santander informar ao seu superior hierárquico o Monsenhor Doroteo Fernández, sobre todos os acontecimentos ocorridos em Garabandal. Foi neste dia que chegou Juan Alvárez Seco, o sargento da guarda civil, responsável pela manutenção da ordem em Garabandal durante o período das aparições. Tudo o que este sargento viu e testemunhou tocou-lhe de forma bastante profunda, dado que o próprio teve que assistir a uma grande parte dos êxtases das meninas. Mais tarde acabou por afirmar que os acontecimentos ocorridos em Garabandal acabaram por ter um grande impacto positivo na sua vida cristã. O Sargento deu sempre o seu melhor contributo no sentido de proteger as quatro meninas. Por exemplo, ele colocava sempre dois guardas civis vinte e quatro horas por dia em Garabandal. As notícias sobre estes acontecimentos espalhavam-se sempre cada vez mais. No final do mês de Junho, multidões de pessoas[3] concentravam-se nesta pequena aldeia.

 

 

24 de Junho, 1961

“A mensagem escrita”

 

 

 

Mal as meninas tinham acabado de chegar à “ calleja” , quando o Anjo mostrou-se ele próprio às meninas. Neste dia, o anjo as meninas apercebem-se que o mesmo trazia uma mensagem escrita com ele. Só conseguiram decifrar apenas algumas letras do género “ Há que…” e a última linha dos números romanos, “ XVIII –MCM-LXI…” As crianças mais tarde aprenderam da Nossa Senhora que isto tratava-se de uma mensagem. A palavra mensagem era claramente usada pelo Anjo, pela Nossa Senhora, para designar, tal como na Bíblia, a palavra de Deus (Yahweh) ao seu Povo. Esta aparição ocorreu no dia do São João Baptista.

 

 

25 de Junho, 1961

“O quadro”

 

 

 

Neste dia, Domingo, alguns jovens da aldeia, construíram protecção rectangular através de troncos de madeira, com o objectivo de proteger as crianças das multidões de pessoas que se concentravam ali. Apenas os familiares, Padres, médicos, psiquiatras é que podiam passar essa barreira. Esta pequena barreira chamava-se de “ quadro”.

 

 

29 de Junho, 1961

“Sagrado Coração de Jesus”

 

 

 

Eram 8:30 da tarde, quando o Anjo apareceu às meninas. Nesse mesmo instante, Jacinta olha para o lado e vê a figura de Jesus, que estava situado num lugar um bocadinho mais acima do sítio onde as suas amigas se encontravam. Jesus aparece a Jacinta, precisamente no mês de Junho, mês consagrado ao sagrado coração de Jesus, e precisamente no dia 29 de Junho, o mesmo dia em que Jesus apareceu a Santa Faustina, e no dia de festa de S.Pedro e S. Paulo. Com a Sua mão direita, Ele apontava para o seu coração

Nota: Nas três vezes que apareceu Jesus a Jacinta, tanto o Anjo como Nossa Senhora não apareceram. Uma profunda lógica espiritual!

 

 

1 de Julho, 1961

“Conversa com o Anjo”

 

 

 

Como se sabe das aparições em Fátima, o Anjo apareceu em Fátima por três vezes em 1915 e outras três em 1916. Em Garabandal, este tipo de manifestações foi bem mais numerosa. Foi este mesmo anjo que lhes deu a Eucaristia, que lhes entregou as mensagens de Nossa Senhora e que apareceu às meninas de Garabandal nestes primeiros 9 dias. No entanto, só foi neste dia que o Anjo falou às meninas pela primeira vez.

O anjo disse” Sabem porque é que eu vim?” e as crianças responderam “ Não”. E o anjo disse novamente: “ Eu vim para vos dizer que amanhã Domingo, a Virgem Maria irá aparecer sobre o título de Nossa Senhora do Carmo “. E voltou a falar: “ Sabem o que está escrito na mensagem que trago na placa? “ A virgem Maria ir-vos-á comunicar amanhã”.

 

Nota: A segunda sessão do Concílio Vaticano II, foi aberta no dia de Festa do Anjo S. Miguel, dia 29 de Setembro.

 

 

2 de Julho, 1961

“Primeira aparição de Nossa Senhora”

 

 

 

Neste dia de festividade da Visitação de Nossa Senhora, dois anjos, S.Miguel e S. Gabriel, apareceram juntamente com Nossa Senhora. Foi também visualizado pelas meninas, a presença de um olho, o olho de Deus. Este sinal estava localizado acima de Maria, representa a presença de Deus, que criou toda a criação. Durante esta aparição, “ uma chuva de estrelas começou a cair do céu”, talvez quem sabe para simbolizar a chuva de graças de Deus através de Maria. Ao mesmo tempo que este fenómeno acontecia, formou-se à volta de Nossa Senhora, em forma de halo, seis palavras em espanhol que perfaziam 33 letras no total. As meninas chamaram a isto, o “ segredo do Anjo “. Há quem pense que este assunto tenha a ver com o último dogma de Maria, na qual o dia da Visitação tenha por sua base bíblica. MARIA DEPOSITORIA DE TODAS LAS GRACIAS, bem poderá ser no futuro a expressão a ser usada como “ definição de fé”….

Nesta Sua primeira visita, Nossa Senhora trazia consigo nos seus braços, o menino Jesus. A descrição que Conchita faz sobre o menino Jesus é: “ Ele é muito pequenino, como um recém-nascido, face redonda, com a mesma cor de Nossa Senhora, boca pequena, cabelo clarinho e loiro, pequenas mãos, trazia um vestido com tonalidade em azul. Ele estava sempre a sorrir”.

Isabel Daganzo era natural de Barcelona e era pintora profissional. Mia tarde, em 1967, e tendo como orientação Conchita, ela tentou desenhar e retratar a visão de Nossa Senhora. Essa imagem corre hoje todo o mundo, representando uma aproximação da imagem de Nossa Senhora. A descrição feita por Conchita foi:

Tinha uma coroa dourada com 12 estrelas por cima da Sua cabeça. Não conseguíamos ver-lhe os pés. Vinha com um vestido branco, manto azul, a suas mãos estavam abertas, e numa das suas mãos, encontrava-se um escapulário castanho. Tinha cabelos compridos, face longa, nariz fino e longo, e uma boca muito bonita. A sua voz era inconfundível. Conchita disse ainda:

 

“ Nenhuma outra mulher se pode comparar a Nossa Senhora, nem na voz, nem de outra forma qualquer.” (Diário de Conchita, p35).

 

Nota 1: Antes de Nossa Senhora aparecer às meninas, elas tinham sempre em antecipação 3 chamadas (uma espécie de voz interior). Após a terceira chamada as raparigas corriam para o local definido da aparição, mesmo que estivessem em diferentes locais, todas elas iam ter ao mesmo sítio. Isto só acontecia antes da visita de Nossa Senhora e nunca do Anjo.

Nota 2: Os êxtases aconteciam a maior parte das vezes de noite ou ao fim da tarde, e nunca aconteciam quando as meninas estavam a realizar tarefas domésticas, na escola ou na Igreja. No final do êxtase Nossa Senhora dizia sempre Dentro de pouco tempo, voltarei cá “

 

 

 

 

3 de Julho, 1961

“Novo encontro com Nossa Senhora”

 

 

 

As meninas para agradarem o menino Jesus, ofereciam pequenas pedras, pois não havia mais nada á mão para Lhe dar. Ele no entanto sorria, com este gesto. Nossa Senhora beijou estes objectos e disse para distribuir pelas pessoas. Nossa Senhora informou as meninas de forma bem precisa, as pessoas destinadas a receber este pequeno gesto. Esta prática, única do género, foi estabelecida desde muito cedo em Garabandal. No entanto e de acordo com as instruções de Nossa Senhora, apenas eram aceites objectos de devoção para serem dados a beijar a Nossa Senhora. As crianças, com as suas mãos cheias de medalhas e rosários e não sabendo de forma alguma a quem por direito pertenciam, sempre com os seus olhos fixos na Visão e com a orientação de Nossa Senhora, entregavam os respectivos objectos aos donos sem nunca se terem enganado. Por vezes sentia-se um pequeno aroma dos objectos beijados por Nossa Senhora.

 Conchita explicou mais tarde, 14 de Setembro de 1965, que “A virgem Maria disse-nos que Jesus realizaria graças e milagres através de todos os objectos que fossem beijados, e para quem os usasse com fé e verdade, essas pessoas seriam abençoadas e teriam o seu purgatório na Terra.”

 

Nota: Um importante detalhe: Nunca a Nossa Senhora em Garabandal abençoou qualquer objecto ou pessoa. Esta situação está de acordo com a lei canónica da Igreja que apenas define esta função para os sacerdotes.

 

 

4 de Julho, 1961

“Pergunta de Nossa Senhora”

 

  

 

Pela primeira vez Nossa Senhora faz uma pergunta às meninas.” Sabem qual é o conteúdo da mensagem que o Anjo trazia consigo? “, as meninas responderam: “ Não, não sabemos”. Nossa Senhora disse Será a mensagem que vocês irão dar a conhecer a toda a gente no dia 18 Outubro de 1961.”

                              Primeira importante mensagem ao Mundo

“ Temos que fazer muitos sacrifícios, fazer muita penitência, e visitar o Santíssimo Sacramento frequentemente. Se não o fizermos, um castigo cairá sobre nós. A taça está enchendo e se não mudarmos, um grande castigo virá sobre nós.”

  

Nota: Nossa Senhora insistiu muitas vezes sobre a “ devoção ao Santíssimo Sacramento e rezar pelos Sacerdotes[4], que estariam muito presentes em Garabandal”. Conchita perguntou também se todos os Padres eram bons. Nossa Senhora respondeu que não. Nossa Senhora espera de um Padre acima de tudo a sua Santificação, uma vez que dele dependem muitas almas para Deus, isto se derem o bom exemplo.

 

 

8 de Julho, 1961

“Catequese eucarística com o Anjo”

 

  

 

As quatro crianças aprenderam através do Anjo, como receber a comunhão da melhor maneira. O Anjo perguntou-lhes “ Deixem-me ver os vossos belos dentes”, ao que elas mostravam e sorriam ao mesmo tempo. Apesar de acharmos ser irrelevante este facto, é através da boca que recebemos o corpo de Cristo. Durante toda esta semana, o Anjo preparou as videntes, para a sua primeira comunhão dada pelo Anjo no dia 16 de Julho, dia de Festa de Nossa Senhora do Carmo. Até esse dia importante, o Anjo apenas dava às meninas hóstias não consagradas.

 

 

11 de Julho, 1961

“O início dos testes de investigação”

 

 

 

O Monsenhor Doroteo Fernández instituiu uma comissão especial que era constituída por três Padres e dois psiquiatras, entre eles o famoso Dr. Luís Morales. Todos eles realizaram vários tipos de testes, desde picadas, queimaduras, intensivos focus de luz sobre os seus olhos. Dr. Morales que no início se pôs contra Garabandal, acabou por contrariar a sua posição bem mais tarde (já no ano de 1983), onde afirmou que as visões das meninas eram verdadeiras. Os membros da comissão apenas visitaram a aldeia por três vezes durante os quatro anos em que os acontecimentos ocorreram.

 

 

16 de Julho, 1961

“A primeira comunhão”

 

  

 

No dia de Nossa Senhora do Carmo, as meninas receberam em diversos locais( com excepção da igreja e suas casas), a sua primeira comunhão. Eram 5:00 da manhã, quando Mari-Cruz e Conchita receberam a primeira comunhão nos “ Pinos”. Uma hora mais tarde, o Anjo dá a comunhão a Mari-Loli e Jacinta, junto ao local da pedra do Anjo, localizado mais um bocado abaixo dos ” pinos” uma vez que este sítio era um local onde frequentemente aparecia o Anjo. A partir desse dia, as meninas recebiam diariamente a comunhão, quer através da Eucaristia que era celebrada pelo Sacerdote, quer através do Anjo.

 

Nota1: Forma de comungar: Benziam-se, rezavam o acto de contrição, recebiam a comunhão, e depois rezavam a oração alma de Cristo….” E benziam-se novamente no final. Não demorava mais de 10 minutos.

Nota2: Os nove pinheiros foram plantados pelo Avô de Conchita em 1947, local este que foi escolhido para a realização do futuro Milagre.

 

 

22 de Julho, 1961

Personalização dos “êxtases”

 

 

 

 Sabe-se que neste dia e pela primeira vez, as meninas caminhavam em “ êxtase “sempre aos pares, ou seja, Conchita e Mari-Cruz, Mari-Loli e Jacinta.

 

 

23 de Julho, 1961

O menino Jesus

 

 

 

 Pela primeira vez Nossa Senhora autorizou entregar o menino Jesus às crianças, apesar delas próprias não terem sentido o seu peso. Tiveram também a impressão de não terem tido contacto com o Seu corpo. Neste dia, as quatro meninas viram no céu estrelas grandes com uma cauda, e que eram visíveis para o resto das pessoas. Este fenómeno atingirá o seu auge no dia do grande milagre, que será anunciado por Conchita alguns dias antes.

  

 

27 de Julho, 1961

A viagem a Santander

 

  

 

Conchita saiu nesse dia de Santander com a sua Mãe, Aniceta e sua tia madrinha Maximina A ideia desta saída tinha como objectivo mudar as ideias da Conchita e também porque tinha sido combinado ter uma entrevista com o Monsenhor Fernández. Esta viagem estava para durar uma semana. Os Padres, médicos e psiquiatras, membros da comissão especial “questionaram Conchita, longe do seu local nativo. Durante este tempo de presença em Santander, não a deixaram frequentar a missa, nem fazer confissões, nem receber a comunhão. Levaram-na a ver filmes e ir à praia. Tudo isto foi feito com o objectivo de dissuadi-la de voltar à aldeia e de volta aos acontecimentos que aí ocorriam.

No dia da sua partida para Garabandal, Conchita teve um êxtase em frente à Igreja da Consolação em Santander. Ao mesmo tempo, nos “ pinos” as outras 3 videntes tiveram a visita de Nossa Senhora. Este foi o único “ “êxtase “ de Conchita na cidade de Santander. Numa locução[5] interior, Conchita aprendeu que haverá uma altura no futuro em que ela e as suas companheiras negarão as aparições e que terão dúvidas sobre tudo aquilo que aconteceu com elas. Conchita confidenciou esta informação à sua mãe e tia madrinha, logo após a sua chegada a Garabandal.

Aniceta, mãe de Conchita, era viúva já há muitos anos, tomava sempre conta de todos os seus filhos de forma sempre muito atenta e cuidadosa. Ela pediu por diversas vezes sinais para poder confirmar a autenticidade destes acontecimentos. Ela obteve-os e nunca mais teve qualquer dúvida sobre o assunto. Faleceu em 1990. Maximina, primeira confidente de Conchita, sempre apoiou Conchita e nunca duvidou da origem supernatural das aparições. Ela continua a ser até ao momento presente, uma das melhores testemunhas destes acontecimentos.

 

 

28, 29 de Julho, 1961

O êxtase das lágrimas

 

 

 

Tal como tinha sido prometido por Nossa Senhora, desde o dia 4 de Julho que a Mãe do céu explicou-lhes a essência da mensagem. Esta catequese foi extremamente essencial, se considerarmos que eram meninas de pequena idade e pelo facto de não possuírem conhecimento religiosos. O que significava para elas o sentido da palavra “ sacrifício e “ penitência “e como na prática elas podiam ser boas pessoas?

Os êxtases do dia 28 e 29 de Julho, de 1961, foram particularmente importantes para Jacinta e Mari-Loli. Pela primeira vez Nossa Senhora mostrou a “taça a transbordar com a ira de Deus”. Ela falou-lhes sobre as consequências que os pecados da humanidade poderão trazer para um futuro mais longínquo, num tempo que poderemos chamar de “tempo de pré-aviso”.

 

Nossa Senhora falou-lhes ainda mais tarde sobre o fenómeno “ AVISO” que irá ocorrer num futuro próximo, fenómeno de carácter cósmico e espirtual-moral que afectará toda a gente do Mundo. Como se Deus fizesse um “ scanner “ da nossa consciência. Disse que poderemos morrer de susto. Saberemos então que este futuro acontecimento vem de Deus. Será um aviso de Graça e misericórdia.

Finalmente Nossa Senhora falou sobre o condicional castigo, caso a humanidade continue a persistir em não mudar de rumo de vida. A primeira das duas noites de choros, ocorreu no quadro e a segunda nos “ pinos”. Apenas Sari e Mari-Carmen, duas meninas pequenas, foram autorizadas para estarem presentes juntamente com as meninas de Garabandal. As multidões de pessoas, ficaram a alguma distância, ouvindo o choro das crianças.

Os padres Luís Maria e Ramón Maria Andreu Rodamilans estavam também entre as quatrocentas pessoas que estavam no segundo dia do “ êxtase das lágrimas “, a 29 de Julho de 1961. Ambos eram Jesuítas e professores de Teologia. Luís ele próprio foi professor de Teologia numa escola de Oña (Burgos) e o Ramón um pregador em retiros e exercícios espirituais. Durante a sua primeira visita que realizaram à aldeia de Garabandal, apenas estavam ali por mera curiosidade, através de amigos, a família Fontanela, muito conhecida em Espanha pelos seus biscoitos ( “ galletas “ ). O padre Ramón Maria Andreu conseguiu retirar uma quantidade substancial de notas acerca dos êxtases de Jacinta e de Mari-Loli. Numa fase inicial, pensou logo tratar-se de um caso de hipnotismo, até ao momento em que presenciou um pormenor que o fez inquietar: um pequeno pensamento que tinha acabado de formular na sua mente….” Se isto é verdade, que uma das meninas sai imediatamente do êxtase e as restantes mantenham o êxtase”. Foi isto que realmente aconteceu. Mari-Loli saiu naquele mesmo instante instante do êxtase.

  

Nota: A maioria dos êxtases ocorria mais frequentemente de noite, e muitas das vezes elas prolongavam-se até de manhã cedo. O facto de ser realizado à noite, tornava estes acontecimentos serem mais discretos, por outro lado porque o símbolo da noite evoca o mal que os homens cometiam naquela hora. Também tudo isto acontecia de noite, de forma a que os momentos de êxtase não coincidissem com a altura dos afazeres diários, em casa a ajudar os pais, na escola, ou durante cerimónias litúrgicas. No final do êxtase, Nossa Senhora anunciava de forma directa quando voltava a aparecer: “ Dentro de pouco tempo, regressarei….”,“Dentro de uma hora….” Também nunca precisaram de repor o sono perdido sempre que tinham êxtase com Nossa Senhora.

  

 

1 de Agosto, 1961

O credo

 

 

 

Neste dia, as meninas em Êxtase rezaram o credo em separado do Rosário. Isto trata-se de um acontecimento único na história das aparições. Esta situação repetiu-se por mais de 20 vezes e em especial na passagem do dia 1 para o dia 2 de Novembro. A esta recitação de fé, as meninas adicionaram um elemento de extrema importância, de natureza puramente profética, dizendo:” Eu acredito numa Igreja Santa, Católica, apostólica e romana…” Esta adição destas últimas palavras poderá estar relacionado com a futura “reunificação das Igrejas “, predita em Garabandal. Neste dia , 1 de Agosto, comemorava-se a festividade dos Santos mártires Macabeus. Foi também neste mesmo dia que Loli e Jacinta recitaram a Ave Maria com o adicionamento de:” Santa Maria, Mãe de Deus e Nossa Mãe…..”, no entanto Nossa Senhora pediu às meninas que não usassem esse novo termo sem que a Igreja assim o permitisse.

 

 

3 de Agosto, 1961

As quedas estáticas

 

8 de Agosto, 1961

A terceira e última visita do Padre Andreu

 

3 de Agosto, 1961

As caminhadas estáticas

 

 

 

Padre Andreu nasceu em Bilbao em 1925. Entrou para uma escola Jesuíta em 1942, depois estudou em Roma, Paris, Geneva e Innsbruck. Quatro dos seus 6 irmãos eram Padres. O mais velho, José Maria foi casado e viveu em Madrid. Tinha quatro irmãos que se tornaram sacerdotes e todos eles Jesuítas: Alexandro, missionário na Venezuela, Ramón, missionário na California, e Marcelino, missionário em Taiwan. O irmão Rafael era o mais novo.

Neste dia o Padre Andreu ficou responsável por rezar a missa, pois o pároco local não ia estar e deixou-lhe as chaves da Igreja. Para quem o viu celebrar disse que foi uma Missa muito especial. No final da tarde e pela terceira vez as meninas entraram em êxtase, saíram da Igreja e rumaram em direcção aos “ pinos”. O padre Andreu decidiu segui-las . Já nos “ Pinos”, e sem que ninguém previsse, o Padre Andreu entra também em êxtase e diz “ Milagre!” por quatro vezes. Com os seus olhos fixos no Céu, ele estava contente de ver Nossa Senhora e por ver também com antecipação o futuro milagre que vai acontecer um dia neste local os “ pinos”. As meninas confirmaram mais tarde que pela primeira vez viam no seu campo de visão uma outra pessoa, e era o Padre Andreu.

Após o êxtase ter terminado, o Padre Andreu desceu dos “ Pinos “ e passado algum tempo comentou com o Padre Valentin que tinha acabado de regressar à aldeia, dizendo “ Padre, o que as meninas dizem é verdade.” No caminho de regresso no carro, na estrada para Reinosa, já eram quatro da manhã, quando Padre Luís comentou com os colegas:

“Estou cheio de alegria! Que grande presente Nossa Senhora me deu! Que sorte termos uma Mãe assim no Céu. Não devemos ter medo do sobrenatural. As crianças ensinam-nos como falar com Nossa Senhora. Para mim, não posso ter nenhuma dúvida. Porque é que Nossa Senhora nos escolheu, porquê? Este é o dia mais feliz da minha vida.”

Depois fez-se silêncio. De repente a cabeça do Padre Luís pendeu para a frente e morreu naquele preciso momento.

 

Nota: Durante os êxtases, as meninas não viam mais nada no seu campo de visão, a não ser a elas próprias e a Nossa Senhora. No entanto, naquele dia também viram o Padre Andreu: “ Ele estava lá, de joelhos…e vimos Nossa Senhora a olhar para ele”. Tiveram também a impressão de ouvir Nossa Senhora a dizer-lhe “ Daqui a pouco tempo estarás perto de mim “.

Nota: Conchita disse numa locução (18 de Junho de 1964), que no dia a seguir ao futuro Milagre, o corpo do Padre Andreu será encontrado intacto, como no dia em que morreu.

Nota: Nossa Senhora disse às meninas que o Padre Andreu encontra-se no Céu.

Nota: O padre Andreu usava a medalha do escapulário de Nossa Senhora do monte Carmelo. De acordo com a importância do escapulário (Inserido pelo Papa Paulo V, em 1605-1621), que quem o usasse com devoção e o venerasse constantemente, a pessoa falecida sairia do purgatório no primeiro sábado a seguir à sua morte.

 

 

12 de Agosto, 1961

Sábado

O privilégio Sabatino

 

  

 

Sabe-se que de acordo com a importância do escapulário (Inserido pelo Papa Paulo V, em 1605-1621), que quem o usasse com devoção e o venerasse constantemente, a pessoa falecida sairia do purgatório no primeiro sábado a seguir à sua morte. Este privilégio Sabatino foi ilustrado de forma extraordinária neste dia, 12 de Agosto, em Garabandal. Sabia-se que o Padre Andreu usava uma medalha do escapulário do Carmo. Nossa Senhora transmitiu às meninas que naquele momento que o Padre Andreu já se encontrava no céu.

 

 

14 de Agosto, 1961

 

 

 

Neste dia, 14 de Agosto chega a Garabandal o Padre Lucio Rodrigo, um importante e conceituado Padre Jesuíta. Este Padre ensinava teologia à maioria dos Bispos Espanhóis, era responsável pela pelo ensinamento de Teologia na Universidade de Comillas. Ele testemunhou nesse dia o primeiro êxtase das meninas. Foi confessor do Rei Juan Carlos, mas também de Conchita entre 1966 e 1968. Mais tarde, o director espiritual de Conchita passou a ser o Padre Garcia Nieto, também um Padre Jesuíta.

Pouco tempo antes de falecer, O padre Lucio disse:” Depois dos mistérios da redenção, não havia na história da Igreja nenhum sucesso de natureza religiosa, espiritual, relacionado com a história da Salvação, tão importante como Garabandal. Em Garabandal, Nossa Senhora profetiza o fim dos tempos.”

O Padre Rodrigo procurou em todos os seus momentos de vida, propagar as mensagens dadas por Nossa Senhora em Garabandal. Pouco tempo antes de morrer, foi-lhe confirmado a autenticidade dos acontecimentos em Garabandal, através de uma visão que teve de Jesus Cristo. Faleceu a 30 de Março de 1973.

 

Nota: Ao Padre Rodrigo devemos uma importante afirmação, que um dia o Papa visitará Garabandal. Ele anotou aquilo que Nossa Senhora tinha dito a Conchita.

  

 

15 de Agosto, 1961

A vigília

 

  

 

As Vigílias são familiares a todos os cristãos. Em Garabandal isso também aconteceu. As Vigílias em Garabandal eram realizadas com grande emoção, as raparigas moviam-se de um lado para o outro da aldeia e nas suas redondezas. A Vigília no dia da Assunção, 15 de Agosto de 1961, foi aquela que foi considerada como sendo das mais bonitas.

Quando a Vigília começou eram 2.45 da madrugada, logo após Conchita, Loli e Jacinta terem entrado em “ êxtase “ na casa de Conchita. Pela primeira vez elas cantaram Aves, outras músicas de curta duração. Depois foram todas  a casa de Mari Cruz. Nessa noite, as meninas andavam como candeias iluminadas pelas zonas escuras da aldeia. A vigília acabou por volta das 5 da manhã. Nesse mesmo dia, chegou a Garabandal o Dr. Ortiz, um pediatra que estudou o fenómeno de Garabandal de forma muito séria. Analisou as meninas durante 15 dias e chegou à conclusão que as meninas estavam bem, no estado normal, dentro de cada ponto de vista.

 

 

16 de Agosto, 1961

Pequena conversa…

 

 

 

Neste dia, por volta das 11 da manhã, as crianças tiveram a primeira das 12 conservas com o falecido Padre Andreu. O Padre chamou-as uma a uma. Elas no entanto não o viam, apenas podiam ouvi-lo. O padre Luís falou-lhes em diversas línguas estrangeiras, chegando a recitar com elas a ave-maria em grego. O padre Jesuíta deu uma mensagem às meninas para ser entregue ao seu irmão Ramón, encorajando-o para perseguir com o role de observações e testemunhas de Garabandal. Pediu-lhe também para manter-se fiel ao seu Bispo….

Neste mesmo dia, as meninas experimentaram um outro fenómeno “ ouvimos uma voz vinda de longe, como se tivesse a descer a montanha, que dizia: vai….vai….vai.”A Nossa Senhora disse para não terem medo e para seguirem esta voz. Não se sabe ao certo o porquê desta voz, só Deus sabe o seu verdadeiro significado.

  

 

18 de Agosto, 1961

Orações

 

 

 

Neste dia, Nossa Senhora pediu às meninas que rezassem com Ela o Rosário. Nossa Senhora ajudou-as a prenunciar de forma correcta estas orações.

Nossa Senhora sugeriu assim às meninas “ Eu começarei e vocês responderão muito devagar”.

As posturas das meninas induziam as multidões a estarem calmas e recolhidas em oração. “ Elas caiam de joelhos, numa fracção de segundos e adoptavam uma atitude de humildade, as suas faces viravam-se para o céu “. Elas também cantavam muitas canções numa bonita harmonia. Nossa Senhora também ensinou as meninas a realizarem correctamente o sinal da cruz. Muitos dos filmes que existem sobre estes acontecimentos, retratam este pormenor.

 

 

18 de Agosto, 1961

Segredos não revelados

 

 ........

 


 

 

22 de Agosto, 1961

A chegada do Padre Ramón de la Riva

 

 

 

No dia 19 de Agosto, dia de S. João Eudes, Nossa Senhora informa as meninas que lhes será dado a conhecer 3 importantes segredos nos próximos 3 anos.

O Sacerdote Don José Ramón Garcia de la Riva, chegou neste dia pela primeira vez a Garabandal. Ele era responsável pela paróquia de Nossa Senhora das Dores de Barro, uma pequena aldeia situada a poucos quilómetros de Garabandal. O nome deste Sacerdote estará profundamente ligado a Garabandal.

O Padre Ramón de la Riva era um excelente fotógrafo e realizador amador de filmes, por essa razão chegou a tirar muitas fotos e realizou algumas filmagens sobre esta magnífica história. Chegou também a publicar um livro com o título “ Mémoires d ún cure de campagne espagnol “. Neste mesmo dia de chegada à aldeia, os membros da “comissão especial “, que também estiveram presentes nesse dia, informaram que a Igreja teria que ser fechada para as meninas caso elas estivessem em “ êxtase “. Quatro dias mais tarde, o Monsenhor Doroteo Fernández publicou a sua primeira nota sobre o assunto, no boletim oficial da diocese. Nesse boletim foi referido que proibia que sacerdotes fossem a Garabandal, tudo isto como forma de existir alguma prudência em relação ao assunto.

  

 

23 de Agosto, 1961

O crucifixo

 

  

 

No dia a seguir à interdição que foi referida anteriormente, foi sabido que as meninas em êxtase foram orientada no sentido de irem buscar um crucifixo a suas casas, com excepção de Mari-Cruz (por razões familiares). É interessante que este convite para “ usarem um crucifixo “ tenha coincidido no dia do santo Filipe Benizi que foi um dos sete fundadores dos “ servos de Maria “. No momento antes da sua morte, ele chorava dizendo “ Dêem-me o meu livro (quer dizer, meu crucifixo).

Este gesto é uma clara referência à Paixão de Cristo, que está especialmente retratada na segunda mensagem de Garabandal (18 de Junho de 1965). Ao longo das aparições, as meninas passaram a ter presente o crucifixo donde davam a beijar ou fazendo o sinal da cruz com o crucifixo. As meninas também realizavam este procedimento nos doentes, nas cabeceiras das camas, nos veículos dos visitantes, etc. O beijo no crucifixo foi utilizado por imensas vezes em Garabandal, gerando emoções profundas, curas e conversões entre as pessoas presentes.

 

 

28 de Agosto, 1961

O baptismo

 

 

 uriel Catherine, uma rapariga de 19 anos da cidade de Paris, filha de um pai judeu e uma mãe protestante. No dia 28 de Agosto, decidiu ir a Garabandal. Nesse dia comemorava-se o dia de festa de Santo Agostinho. Como se sabe, Santo Agostinho foi conhecido pela sua grande conversão ao cristianismo, tal como aconteceu com o apóstolo S. Paulo.

Eram 0.30 da manhã, 29 de Agosto, Muriel assistia a um êxtase de Mari-Loli e Jacinta. As meninas falaram de Muriel a Nossa Senhora. Pouco tempo depois elas faziam os seguintes comentários para Nossa Senhora: “ Ela não é baptizada “ Ela não é baptizada!....Anda, vamos ajudá-la….Ah, por causa dos seus pais…..”. De repente, Loli estica o seu braço e retira um frasco de água benta que entretanto um Sacerdote lhe tinha dado. Loli abre a garrafa e espalha a água em frente dela. Mas em vez da água seguir o seu percurso normal, segundo a lei da física que conhecemos, a água espalhou-se de forma misteriosa sobre a forma de uma trajectória inexplicável, caindo sobre Muriel em forma de chuveiro!

Mais tarde, a 20 de Outubro de 1963, Muriel baptizar-se oficialmente com nome de Maria do Carmo Catherine. O baptismo teve lugar na Igreja de Burgos. Muriel representa o primeiro dos três casos de conversão tipicamente relacionado com Garabandal. Os outros dois casos de conversão foram um Evangelista, Maximo Foerschler e Barbara Painter, uma Anglicana protestante.

 

 

1 de Setembro, 1961

Reflexões sobre Garabandal

 

 

 

 

2 de Setembro, 1961

O Padre Lucio Rodrigo é consultado

 

 

No início de Setembro, o Padre Ramón Maria Andreu prosseguiu as suas observações. Apesar do estudo ter sido feito de forma limitada, ele estava a completar o seu memorandum sobre os acontecimentos ocorridos em Garabandal, com a aprovação do Monsenhor Doroteo Fernández.

O Padre Lucio Rodrigo, que já falamos anteriormente, foi consultado pelos membros da comissão (com excepção do Dr. Moralés). Depois do Padre Lucio Rodrigo, seguiu-se a presença do prestigiado teólogo Don Juan Antonio del Val., que acabara por ser mais tarde o futuro bispo de Santander.

 

 

3 e 4 de Setembro, 1961

S. José

   

 

Em resposta a Don Valentín Marichalar, as meninas aprenderam da Nossa Senhora que o S. José é o maior de todos os Santos. Ele deu sinais da sua presença em Garabandal, sempre de forma discreta.

 

 

4 de Setembro, 1961

A chegada do Padre Alejandro Maria Andreu

 

 

Nossa Senhora avisou Conchita em êxtase, que um missionário estava na aldeia de Garabandal. Era ele o Padre Alejandro Maria Andreu que vinha pela primeira vez a Garabandal para conhecer as meninas. Manifestando particular predilecção pelos Sacerdotes, Nossa Senhora revelou a Conchita muitos detalhes da vida de Alejandro, que foi para a Venezuela desde os seus 18 anos.

  

 

8 de Setembro, 1961

O questionário

 

 

O cónego Júlio Porro Cardeñoso tornou-se uma testemunha perfeitamente convicta da autenticidade dos fenómenos ocorridos em Garabandal. Ele acabou por escrever, anos mais tarde, vários livros a esse respeito.

Na tarde da sua chegada, Don Valentin pediu ao Dr. Porro para definir uma série de questões (10 questões) para virem a serem submetidas a Nossa Senhora, através das crianças. Mari-Loli ficou encarregue de realizar essa tarefa.

1.   Quais são os pecados que Nossa Senhora se ofende mais? R: Os pecados mortais

2.   O que é que Nossa Senhora acha que os espanhóis devem fazer para se poderem emendar? R: Eles têm de ir confessar-se e receber a comunhão.

3.   Que sacrifícios Ela pede para Espanha? R: Todos devem ser bons.

4.   Quais são os pecados das pessoas mais novas que mais ofendem-na? R: Não respondeu.

5.   Que pecados dos pais a ofendem mais? Quando discutem

6.   Que pecado sociais ferem mais o coração de Jesus? R: Não respondeu.

7.   É o impacto da mensagem maior para Espanha que para o resto do mundo? R: Não respondeu.

8.   Que nação cumpre melhor os mandamentos de Jesus Cristo? R: A Espanha.

9.   Que Nação pode ser considerada como um modelo de fé? R: Não respondeu.

10. Esta mensagem é para todo o mundo ou só para Espanha? R: É para todo o mundo.

11.Porque é que estas coisas acontecem de noite? R: Não respondeu: a face de Nossa Senhora ficou triste….

 

 

12 de Setembro, 1961

A visita do Rei Baudoin da Bélgica

  

 

O Rei Baudoin já tinha visitado Garabandal por diversas vezes. Aproveitando as férias que estava a tirar com a sua mulher[6] em Espanha, ele regressou a esta aldeia no dia 12 de Setembro de 1961.Ele assistiu aos êxtases que ocorreram nesse dia.

O rei Baudoin faleceu a 31 de Julho de 1993. Foi uma pessoa bastante religiosa e tinha grande devoção a Nossa Senhora e à Eucaristia.

Nessa mesma noite, de 12 para 13 de Setembro, no dia de festividade do Santo nome de Maria, as meninas, em êxtase, recitaram os 15 mistérios do rosário.

 

 

13 de Setembro, 1961

Fotografia de Nossa Senhora

  

 

Da meia-noite até às 4.00 da manhã, Loli e Conchita tiveram cerca de cinquenta êxtases na casa de Conchita. Nesse dia O padre Ramón de la Riva encontrava-se junto delas, num determinado momento de pausa dos êxtases, aproveitou para entregar a Conchita a sua câmara e sugeriu que ela tirasse uma foto a Nossa Senhora. A Conchita apanhou a máquina e entregou-a a Mari-Loli. Já em êxtase, e mesmo sem saber como funcionava a câmara fotográfica, acabou por realizar os cinco passos necessários para tirar uma foto. No entanto, as fotos falharam…. Nossa Senhora explicou ao Padre Ramón, através de Mari-Loli, que “ mesmo que essas fotos tivessem sido tiradas, ele não iria acreditar mais do que aquilo que acredita no momento presente”.

Ouve no entanto mais duas tentativas por parte de Mari-Loli para “ fotografar “ Nossa Senhora, uma a 12 de Março de 1961 e a 1 de Janeiro de 1963… Não se sabe se as fotos ficaram melhores…..

 

 

15 de Setembro, 1961

O filme dos pecadores

  

 

Nas duas mensagens de Garabandal, a previsão de um castigo poderá atingir toda a humanidade, se continuar a persistir a existência do comportamento imoral em todo o mundo. O horror dos pecados da humanidade foram fortemente visados às meninas por Nossa Senhora, desde o início das aparições, através de uma catequização profunda, na qual Nossa Senhora fazia ver às meninas as consequências do pecado.

Neste dia, 15 de Setembro de 1961, dia de festividade de Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora mostrou às meninas um “ filme dos pecadores “, com visões perturbadoras sobre os pecados da humanidade e suas consequências com o possível castigo para toda a humanidade. O impacto que o filme causou nas meninas, é facilmente verificado nas expressões dos seus rostos.

Enquanto durava este cenário de êxtase, ouviam-se as crianças gritar:” Não, não…. Que horror! Tirem isto daqui para longe….Sim, sacrifícios!”

   

 

1 de Outubro, 1961

Detalhes importantes…

  

 

Após ter terminado nesse dia o êxtase de Conchita, ela falou com o Don Valentim que Nossa Senhora teria-lhe ensinado um ponto muito importante, mais importante que todos os escritos e anotações que o Don Valentin tinha feito até ao momento. Este assunto, poderá estar ligado certamente com a futura conversão e reunificação das Igrejas, de acordo com o que disse Conchita a Placido Ruiloba na altura:

“ Porque criticas os protestantes, uma vez que em breve eles estarão reunidos connosco”.

Terá isto a ver como futuro grande evento da Igreja? Unificação das Igrejas de Cristo?

Numa determinada altura, um Protestante, Maximo Foerschler, foi pela primeira vez a Garabandal. Nossa Senhora, através das meninas disse-lhe algo do género:

“Ele acredita em Deus, mas pouco em Mim. Ele há de acreditar….”

 

 

6 de Outubro, 1961

Silêncio e Meditação

  

 

Este dia foi o único dia em que não aconteceu nenhuma aparição de Nossa Senhora, nem a realização da Santa comunhão pelo Anjo. Neste dia de festividade de S. Bruno, fundador dos cartuxos, a intenção poderá ter sido honrar a atitude de solidão, silêncio e contemplação desta organização monástica.

 

7 de Outubro, 1961

O Rosário

   

 

Neste dia, o primeiro sábado do mês do Santo Rosário e o dia de festividade da “ Nossa Senhora do Santo Rosário “, foi um momento rico em significado. As meninas em êxtase, choraram todas em uníssono: “ Viva Santo Domingo que lo há fundado!”, como se estivessem a recitar o rosário. Não terá sido esta manifestação uma poderosa contraprova contra a corrente que se estava a tentar provar que São Domingo não tinha sido o responsável pela origem do rosário? Os “mistérios[7]” como já foi falado anteriormente, fazia parte integrante da recitação do Rosário em Garabandal…pela primeira vez na história das aparições Marianas!

 

 

11 de Outubro, 1961

Unidade dos Cristãos

  

 

As conversas entre o falecido e as meninas, parece de certa maneira terem andado à volta do assunto do ecumenismo. Neste dia de festividade da maternidade de Maria, o Padre Luís Andreu e Conchita voltaram a falar sobre a questão profética já levantada no passado dia 1 de Outubro: “ Todas as Igrejas serão unificadas?”, e o Padre Andreu disse-lhe: “ “Sim, serão todas unificadas”. Conchita ficou na altura extremamente contente com estas notícias de carácter profético. Em Novembro de 1965, Conchita voltaria de novo a confirmar a veracidade desta revelação a um editor alemão, Albrecht Weber·. Ela voltou a clarificar aquilo que Nossa Senhora tinha-lhe dito no que concerne ao grande evento da Igreja que estará para vir:

“ Ela (Nossa Senhora), disse-nos que as Igrejas divididas, serão reunificadas. Apenas haverá uma “religião”. Uma melhor tradução: “ As Igrejas cristãs serão uma só na Igreja Católica “.

Daqui se percebe o significado pelo facto de Conchita ter recitado no dia 1 de Agosto de 1961 o credo “ …una, Católica, apostólica e Romana …”