A posição da Igreja em relação às aparições de Garabandal


No caso das aparições, a Congregação para a Doutrina da Fé poderia ter intercedido e conduzido a investigação sobre as aparições, tirando-a das mãos do bispo de Santander. Contudo, a Congregação tem persistentemente recusado-se a interferir no processo, argumentando que nenhum evento de relevância teria ocorrido recentemente e, portanto, a Congregação não tem motivos para interferir. Ao fim, as decisões ficaram nas mãos do bispo, incluindo a que dizia respeito às diretrizes, e elogiando-o pelo zelo que ele teria mostrado na questão. Pode ser inferido que o Aviso ou o Milagre, anunciados, deveriam ser confirmados, e a Congregação para a Doutrina da Fé deveria mudar seu posicionamento. Assim sendo, com o passar do tempo, a Congregação se mantém na posição que tão frequentemente esteve no passado: aceitar o status quo e aguardar pelos resultados.

PRONUNCIAMENTOS DO BISPO DE SANTANDER

Embora dois comitês convocados pelos bispos de Santander tenham declarado que não houve fenômeno capaz de autenticar os fatos como indubitavelmente sobrenaturais, eles não invalidaram a mensagem.

A este respeito, a primeira comissão afirmou que "não encontramos nada que necessite de censura ou condenação eclesiástica, seja na doutrina ou em recomendações espirituais dirigidas aos fieis".O bispo Juan Antonio Del Val, que chamou a segunda comissão, ao se aposentar declarou que "a mensagem de Garabandal era importante e teologicamente correta".
Quatro bispos consecutivos de Santander fizeram declarações contestando o caráter sobrenatural das aparições de Garabandal, que já haviam ganhado força entre os fieis. Segue um breve sumário das declarações dadas por vários bispos que serviram a diocese desde o início das aparições até os dias atuais.

O bispo Doroteo Fernandez (administrador apostólico de maio de 1961 a janeiro de 1962) publicou duas notas. A primeira foi lançada pouco antes de completados dois meses do início das aparições, e apenas um mês antes depois das primeiras negativas de Conchita, nas quais ele afirmava que não havia evidências confirmando o caráter sobrenatural das aparições. A comissão fez apenas duas ou três visitas ao local das aparições.


O bispo Eugenio Beitia Aldazabal (janeiro de 1962 a janeiro de 1965) também publicou duas notas. A primeira diz que "fenômenos deste tipo carecem de origens sobrenaturais e têm explicações de ordem natural". Este julgamento foi indubitavelmente prematuro, uma vez que a comissão episcopal designada para investigar o que estava se sucedendo em Garabandal não produziu nenhum exame científico consistente. Ele também impôs restrições à ida de padres à cidade sem permissão da diocese; contudo, não condenou o que estava acontecendo e afirmou que "não encontramos nada que mereça censura eclesiástica ou condenação, seja na doutrina ou recomendações espirituais que tenham sido publicadas e sejam direcionadas aos fieis, uma vez que elas contém exortações à oração e ao sacrifício, devoção eucarística, devoção à Nossa Senhora de maneiras tradicionais e recomendáveis, e um temor sagrado a Deus, que se entristece com nossos pecados".


O bispo Vicente Puchol Montis (julho de 1965 a maio de 1967) tentou pôr fim a Garabandal. Ele lançou nota que não era baseada no relatório do comitê técnico, como fizeram seus predecessores, mas nas declarações dos visionários que, de acordo com o bispo Puchol, comprovavam que não haviam acontecido aparições e mensagens e que "todos os eventos que ocorreram nesta cidade têm explicação natural".


O bispo José Cirarda Lachiondo (julho de 1968 a dezembro de 1971) era frontalmente oposto a Garabandal e coordenou, através do cardeal Jean Villot (secretário do Vaticano), a apresentação à imprensa nacional e estrangeira de uma nova nota sobre os eventos em Garabandal, em 9 de outubro de 1968.


O bispo Juan Antonio Del Val Gallo (dezembro de 1971 a agosto de 1991) foi o único bispo de Santander que viu as visionárias no momento de maravilhamento. Com ele, houve uma mudança na posição oficial sobre Garabandal. Em 1987 abriu nova investigação sobre as aparições e suspendeu o banimento a visitas de padres ao local, autorizando-os a celebrarem missas na igreja da vila, com permissão do respectivo sacerdote.


Embora nestas notas, com o tempo, os bispos não tenham apontado nada sobrenatural sobre as alegadas aparições (uma questão que permanece aberta a revisões, sob a luz de novas informações ou de melhores estudos científicos sobre as já existentes), eles não disseram nada que vá contra o conteúdo ("não encontramos nada que mereça censura eclesiástica ou condenação, seja na doutrina ou em recomendações espirituais que tenham sido publicadas"), e isto era e é precisamente suas funções, tal como a Igreja orienta.


UMA AVALIAÇÃO DAS NOTAS DOS BISPOS DE SANTANDER

Para avaliar adequadamente o parecer desfavorável dos quatro bispos de Santander, devemos considerar os argumentos nos quais eles se baseiam, como no caso dos primeiros dois, no relatório do comitê técnico, e no caso dos outros dois, não apenas o julgamento dos bispos antecessores mas também na negação das visionárias.


Este comitê aparentemente consistia em três cânones e professores de Santander. O fato é que há informação mais do que suficiente para haver suspeitas, em níveis razoáveis, que os membros desta comissão adotaram uma atitude a priori negativa e preconcebida em relação às aparições em Garabandal, uma atitude que podemos resumir no fato de que para eles era inaceitável que a Abençoada Virgem Maria poderia aparece com tanta frequência, em vestimentas tão incomuns, para quatro garotas de uma pequenina vila nas montanhas de Santander e que, portanto, tudo teria que ser atribuído à imaginação das quatro meninas, encorajadas pelos peregrinos que continuamente se dirigem a Garabandal.


Depois de 40 dias das primeiras aparições Conchita, que era considerada a protagonista, foi transferida para Santander, por requisição de certos membros do comitê, num esforço para dar um fim às alegadas aparições, recomendando o que seria um "bom ambiente e distrações em Santander" como tratamento ao que seriam suas "fantasias e alucinações".


Além disso, os membros do comitê raramente fizeram visitas ao local dos eventos, como numerosas testemunhas oculares afirmam e, consequentemente, eles presenciaram poucos momentos de maravilhamento e de fenômeno extraordinário. De acordo com os relatos de testemunhas confiáveis, o membro que testemunhou por mais vezes estava presente em apenas seis ocasiões, sempre demonstrando um viés evidentemente negativo e preconcebido. Há muitas frases e incidentes envolvendo membros do comitê que demonstram esta posição preconcebida. Dado tudo o antes mencionado, segue-se que as notas que foram publicadas pelos bispos de Santander, baseadas nos relatos do comitê técnico, sofrem de ausência de informações sérias e imparciais por parte da comissão.


Em 30 de maio de 1983, Dr. Luis Morales Noriega, indicado pelo bispo administrador apostólico Doroteo Fernandez como examinador-chefe da Comissão de Investigação das Aparições, reviu suas opiniões prévias negativas e reconheceu as aparições da Virgem Maria em Garabandal durante palestra na Universidade de Santander, com grande número de pessoas na audiência e com permissão do bispo de Santander. Ele também disse que não havia comissão ou investigação formal; era uma farsa.


DECLARAÇÕES DA SANTA SÉ

A respeito da Santa Sé, a Congregação para a Doutrina da Fé não publicou ou editou qualquer declaração em seu nome direcionada ao mundo católico, sobre os eventos em Garabandal. Ela nunca expressou publica ou oficialmente sua opinião sobre as aparições contemporâneas na Espanha. Entretanto, o secretário da Congregação enviou duas cartas aos bispos de Santander e outra, mais recentemente, ao arcebispo Hannan, de Nova Orleans. Mas não se trata de posicionamentos oficiais dirigidos ao mundo em nome da Congregação, tampouco eles possuem a autoridade para tais declarações oficiais.Nestas cartas enviadas às pessoas mencionadas, a Congregação nunca incluiu uma declaração positiva, expressando concordância com o julgamento dos bispos de Santander. Estas cartas elogiaram os vários bispos de Santander pela "prudência e zelo pastoral" que eles teriam demonstrado ao examinar as aparições de Garabandal, mas não ofereceram nenhuma concordância explícita ao veredicto dos bispos de Santander, que recusa admitir a origem divina de Garabandal.


A Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé tem guardado silêncio sobre sua posição sobre os eventos de Garabandal. Mesmo o forte apoio dado por ela aos bispos de Santander está longe de ser uma opinião sobre o caráter daqueles fatos. Além de não assumir a responsabilidade pela investigação, a Congregação pode somente apoiar o trabalho da diocese - o qual, entretanto, não implica concordância com a diocese em matérias de doutrina.


Curiosamente, a pressão constante colocada na Congregação pela diocese de Santander nestes anos, para obter uma declaração que encerraria o caso de Garabandal - pressão documentada em correspondência publicada entre as duas entidades - nunca obteve a declaração desejada, nem do cardeal, tampouco do Papa.


Assim, falando oficialmente tanto em nível de diocese como nos termos do Vaticano, "o caso permanece aberto", e prossegue juntando novas informações.
Clérigos visitantes podem celebrar missas na igreja local.

Em termos técnicos, o caso das aparições de Garabandal não pode ser encerrado até que duas grandes profecias sejam cumpridas: 1) O Aviso e 2) O Milagre

.


A posição do Papa Paulo VI em relação a Garabandal


O Papa Paulo VI pronunciou as mais autorizadas e elogiosas palavras que se fizeram falar a respeito das aparicões de Garabandal.. Isso sucedeu na ocasião da audiência que concedeu ao Padre Escalada S.J. e disse:


"É a historia mais bela da Humanidade desde o Nascimento de Cristo. É como a segunda vida da Santíssima Virgem na terra, e não há palavras para agradecer-lo."



Esta noticia foi publicada na revista que edita  a Difusora Mariana de A.C. do México, e também na Legião Branca Peruana, com «IMPRIMÁTUR» do monsenhor Alfonso Zaplana Belliza, Bispo de Tacna, Perú, a 7 de novembro de 1968. O Papa tinha abundante informação sobre as aparições. Tinha lido com grande interesse a história das aparições, as circulares do Dr. Bonance e sobre a informação do Cardeal Ottaviani a respeito da entrevista com Conchita que se realizou em Janeiro de 1966. de modo que ao P. Escalada lhe bastou fazer-lhe uma rápida exposição dos acontecimentos.

Fazia alguns anos que o Padre Morelos comunicou ao Padre Lúcio Rodrigo S.J., catedrático durante muitos anos na Universidade Pontífica de Comillas na Cantábria esta notícia:"O Padre Escalada, jesuita mexicano, que difunde as mensagens de Garabandal na sua terra, foi recebido em audiência pelo Papa; o Padre Escalada ia acompanhado pelo Superior General da Companhia de Jesuitas, Padre Pedro Arrupe". O Padre Escalada falou ao Papa sobre o seu trabalho de difusão no México. O Papa  animou-o a seguir e disse-lhe: "É necessário dar a conhecer essas mensagens".

Quando se conheceu esta noticia, de tanta importância, quis-se ter a maior garantia sobre a sua autenticidade e uma senhora de Barcelona escreveu ao jesuita Padre Ramón María Andréu; Este respondeu desde Valladolid, com data de 13 de abril de 1967:" A noticia sobre o Padre Arrupe e o Padre Escalada é certa. Os dois estuveram com o Papa. O Padre Escalada perguntou se podia seguir difundindo a mensagem de Garabandal e o Papa disse-lhe que SIM."O P. Escalada, confiado pela excepcional apreciação do Papa, indicou-lhe: «Sim, Santidade, mas há muita gente que se opõe, mesmo dos nossos».Então o Papa levantou a voz e respondeu: «Não importa; diga a essas pessoas que é o Papa que o diz, que é urgente dar a conhecer ao mundo estas mensagens».


O Papa Paulo VI e as irmãs da Nossa Senhora do Sagrado Coração de Barcelona

Segundo o testemunho dado em Garabandal pelas mesmas Superiora da  Nossa Senhora do Sagrado Coração de Barcelona, confirmado pelo sacerdote suiço presente nesse dia em Garabandal diante da Madre Superiora do tal Instituto, na sua visita ao Papa Pablo VI, preguntou-lhe se ela podia permitir a difusão no seu Instituto Religioso das mensagens de Garabandal e o Papa respondeu: «Difundi a mensagem de Garabandal com caridade entre vós».O sacerdote suiço, M. Luis Demierre, o confirmou por carta no dia 4 de Dezembro de 1969.


Bendición Apostólica a los Centros de Garabandal de Inglaterra e Irlanda.

Mr. N. Baco enviou a Sua Santidade Paulo VI, no dia 5 de Dezembro de 1968, uma carta suplicando uma especial benção Apostólica para os seus centros de Garabandal. A carta ia acompanhada de um breve «dossier», que o cardeal Secretário de Estado, monsenhor Cicognani, remitiu à Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé.No dia 3 de março de 1969, o Papa Paulo VI concedeu a sua especial benção Apostólica ao Mr. N. Baco e a todos os Centros de Garabandal de Inglaterra e Irlanda, para que difundam as mensagens de Garabandal no seu  apostolado.


Difusora Mariana de A. C do México

Em Juno de 1969, o Papa Paulo VI enviou aos membros da Junta da " Difusora Mariana de A.C." do México, uma benção especial, e acompanhada com um presente pessoal para cada um deles, um crucifixo, para incentivar-lhes a seguirem o seu apostolado, dizendo-lhes o seguinte::

«Digam aos da Difusora Mariana, que sigam difundindo as mensagens, que eu os abençoe e que rezem por mim. " 


Bendición especial al grupo de María Saraco.

No dia 7 de Maio de 1970, entrava na Basílica de S. Pedro do Vaticano, uma nutrida peregrinação de Norte Americanos desdes da explanada da praça da Basílica Vaticana e estavam com um estandarte com uma imagem grande da Virgem de Garabandal com esta inscrição:

«St. Michael's Garabandal Center for our Lady of Carmel. Brockton. Mass. U.S.A.».

Tratava-se do Centro de Garabandal de S. Miguel situado na costa Este dos Estados Unidos dirigido por Maria Saraco. Desde 1964, que ela difunde as mensagens dadas pela Santíssima Virgem em Garabandal. Anos mais tarde, este centro mudou-se para a Califórnia.

Com o estandarte no alto dentro da  Basílica de S. Pedro, eles assistiam à audiência geral situado num local bem destacado e junto ao altar Papal. Ao chegar Sua Santidade perante estes peregrinos, mandou parar o cortejo diante do estandarte da Virgem de Garabandal e realizou sobre este uma Bendição especial. Assim que terminou de realizar a Bendição, disse estas palavras: Continuem em frente".  Os peregrinos ao saber do que se tratava e depois de verem o que o Papa tinha feito, começaram a beijar o estandarte dentro da mesma Basílica de S. Pedro para render homenagem à Virgem de Garabandal. Era o dia da Ascensão do Senhor. Este grupo de norteamericanos estava presente em Roma, mas como próximo destino, Garabandal. No dia 8 de Maio, " LÓSSERVATORE", dava a notícia em primeira página.  


Bendición Apostólica al padre Verfaille S.D.B. y a sus colaboradores.

No dia 12 de Dezembro de 1970, o Papa concedeu outra nova Bendição Apostólica especial ao padre Verfaille S.D.B. e aos seus colaboradores do Centro Mariano de Garabandal, da República do Zaire, em Africa.


Em Janeiro de 1966 o Papa Paulo VI abençoa a Conchita


Miércoles, 19 de enero de 1966.El Papa en la Silla Gestatoria sale de la sala donde ha tenido la audiencia general. Divisa al profesor Medi, su médico personal, y le llama:-- Profesor, profesor.A continuación dice a los portadores de la Silla:-- Fermi tutti.Una indicación de que dejaran en el suelo la Silla Gestatoria y se alejaran.El Papa queda solo con el pequeño grupo del Dr. Medi en el que estaban Conchita, su madre y el Padre Luna y se produce así la audiencia fuera de programa.Han podido hablar con toda tranquilidad. Conchita habló personalmente con el Papa. Esta audiencia, sobrenatural, preparada y conseguida por la Santísima Virgen, acabó así:El Papa, encantado, como iluminado, bendice a Conchita con estas palabras:"Conchita, yo te bendigo, y conmigo te bendice toda la Iglesia".Después de esto, el pequeño grupo, con una alegría indecible, se dirigió al coche para marchar directamente al aeropuerto para el viaje de vuelta a España. Declaración del Cardenal Ottaviani sobre las Apariciones de Garabandal, que en esas fechas estaban en estudio por el Santo Oficio.A las 10 horas de la mañana del día 27 de noviembre de 1968, el hermano David García Muga, natural de La Cerca, provincia de Burgos, España, nacido en el año 1913, entraba el Palacio Vaticano del Santo Oficio para entrevistarse con su Pro-Prefecto, S. E. cardenal Ottaviani.Durante la entrevista, el Hermano David le preguntó:H. David: ¿Es cierto que esta Congregación está estudiando el caso de Garabandal?
C. Ottaviani: Sí, es cierto.
H. David: ¿Es cierto que la Congregación mandó un delegado a Garabandal?.
C. Ottaviani: Sí, es cierto. Yo lo mandé.
H. David: ¿Es cierto que la Congregación llamó a Conchita a declarar?
C. Ottaviani: Sí, sí, es cierto. Estuvo conmigo.
H. David: Y ¿cual es su opinión personal?
El cardenal se sonrió y dijo:Mire, perdone, pero cuando un asunto se está tratando en esta Congregación, todos los miembros tenemos la obligación grave de no decir nada a nadie, ni en favor ni en contra.Dice el Hermano David:Yo entonces le expliqué mi curación de leucemia por la Virgen de Garabandal y mi compromiso de hablar de sus Mensajes en todas partes y le dije:En varios lugares me han querido prohibir hablar de estas cosas, porque dicen que estas Apariciones no están aprobadas. Entonces ¿quiere decir, que hasta que esta Congregación no se pronuncie, yo no puedo cumplir mi promesa con la Santísima Virgen?.El me respondió sin titubeos:De ninguna manera. Usted puede seguir hablando donde quiera. Pero eso sí, siempre a título personal y bajo su responsabilidad propia, sin hacer intervenir a la Iglesia.Por lo demás, nadie le puede prohibir que cuente su curación milagrosa y la atribuya a la Virgen de Garabandal, que hable de los hechos maravillosos que usted conoce y que se han realizado allí, o cuente otros favores que se hayan conseguido con ocasión de Garabandal, etc. Nadie se puede oponer a estas cosas. Ahora bien, el día en que esta Congregación se pronuncie, usted aténgase a lo que diga.Solucionado así mi problema, él me acompañó con toda deferencia por varios salones, hablando muy bien de España y sobre todo de la Virgen del Pilar, donde me dijo que había tenido la dicha de estar.El hermano David, cuyo nombre de pila es Bernardo, pertenece al Instituto Religioso de los Hermanos del Sagrado Corazón. En estas fechas enseñaba en el Colegio Gral. Benito Nazar de los Hermanos del Sagrado Corazón en Buenos Aires, Argentina. La Comisión investigadora.Hay que decir que, de los miembros de la Comisión, es muy conocido que el Doctor Morales, médico principal de la misma, se retractó de su anterior posición negativa y, a partir del año 1983, se convirtió en un ferviente defensor de las Apariciones.De igual modo, D. Juan Antonio del Val gozaba de la plena confianza de D. Doroteo Fernández y por ello fue miembro de la Comisión y testigo de las Apariciones. A finales de 1971 fue nombrado Obispo de Santander.El Obispo de Santander desde 1971 a 1991, D. Juan Antonio del Val, estudió por su cuenta todo, pues vio que todo ello requería un estudio mas profundo y que aquello era muy serio. Dio permiso a Conchita para hacer la película de la BBC y más tarde dio permiso a los Sacerdotes para subir a Garabandal y decir la Santa Misa en la Iglesia, que anteriormente había estado prohibido, y promovió un nuevo estudio sobre las Apariciones que posteriormente fue enviado a Roma.


El Papa Juan Pablo II y las Apariciones de la Santísima Virgen María en Garabandal.

En el Vaticano, los testimonios de D. Valentín, el párroco de Cosío y Garabandal durante las Apariciones, y el testimonio de las videntes fueron muy bien acogidos, tanto por el Papa Pablo VI como por Juan Pablo II.En la foto vemos al Papa Juan Pablo II con Joey Lomangino, fundador de «The Workers of Our Lady of Mount Carmel of Garabandal», «Los Trabajadores de Nuestra Señora del Monte Carmelo de Garabandal» que difunden los Mensajes y las Apariciones de Garabandal desde 1965 y Joey, lo hizo personalmente, ya desde 1963.Joey, ciego desde los 16 años por un accidente de trabajo, tiene la promesa de la Virgen en Garabandal de que el día del Milagro recuperará su vista. El Papa Juan Pablo II cree en las Apariciones de Garabandal. El leyó el libro en alemán sobre las Apariciones «Garabandal, Der Zeigefinger Gottes» de la foto, escrito por Albretch Weber.
A partir de su segunda edición se pueden leer estas palabras que el Papa escribió a su autor:«Que Dios te recompense por todo. Especialmente por el profundo amor con que estás dando a conocer los sucesos relacionados con Garabandal.Que el Mensaje de la Madre de Dios sea acogido en los corazones antes de que sea demasiado tarde. Como expresión de gozo y gratitud el Santo Padre te da su Bendición Apostólica».El Papa Juan Pablo II añadió un saludo personal con su letra y firma.