Aparições de Nossa Senhora em Garabandal 1961 -1965

A história das aparições de Nossa Senhora em Garabandal

Nesta secção podem encontrar de forma resumida, toda a informação sobre a história das aparições de Nossa Senhora do Carmo de Garabandal que ocorreram entre 18 de Junho de 1961 e 13 de Novembro de 1965. 


Porquê em Garabandal?

Nesta secção fazemos a análise do contexto histórico, social, religioso da época quando ocorreram as aparições de Nossa Senhora em Garabandal.


A cronologia

Nesta secção colocamos de forma detalhada toda a cronologia dos acontecimentos de Garabandal :   Junho de 1961   a Fevereiro de 1966


A importância da Eucaristia nas aparições de Garabandal

Nesta secção pode encontrar pequenas histórias de meditações e reflexões realizadas na maioria por sacerdotes católicos a respeito da importância do conteúdo dos acontecimentos ocorridos em Garabandal entre 1961 e 1965.

 Eucaristia e Garabandal

Para todos aqueles que já conhecem a história de Garabandal, sabem que ela relaciona directamente sobre dois pontos fulcrais: a Eucaristia e o Sacerdócio.

Na primeira mensagem, Nossa Senhora insistiu muitas vezes sobre a " devoção ao Santíssimo Sacramento e sobre a necessidade de rezar pelos Sacerdotes.".

Sabe-se que muitos foram os Sacerdotes que subiram a Garabandal naqueles tempos, alguns deles vinham de forma mais despercebida, ou seja, sem batina Sacerdotal, no entanto Nossa Senhora instruia as meninas videntes sobre todos os Sacerdotes que estavam a chegar à aldeia .

Por outro lado, o Anjo dedicou grande parte do seu tempo, a ensinar as meninas sobre a forma como se deviam preparar para receberem a comunhão, todo o ritual, incluindo orações, gestos, foram ensinados pelo Anjo. Logo após esta primeira fase, e uma vez preparadas, o Anjo deu por diversas vezes a comunhão às quatro meninas videntes. Isto acontecia sempre que o Pároco estava ausente na sua paróquia.

Mais tarde, a 18 de Julho de 1962, aconteceu um milagre em Garabandal, para que todos os presentes em Garabandal pudessem ver e acreditar. O milagre denominou-se, milagre da hóstia, porque apareceu uma hóstia consagrada na língua de Conchita e isso foi visto por toda a gente presente.

Um outro facto, foi o que aconteceu com o Padre Andreu. Na noite que antecipou a sua morte, o Padre Andreu , um Sacerdote que pela terceira vez regrassava a Garabandal, viu juntamente com as meninas videntes, Nossa Senhora e o futuro milagre que se dará nos " pinos" num futuro próximo.

Escrevo tudo isto para vos dizer que Garabandal reside no essencial, ou seja, na Eucarístia.

Um dos Sacerdotes que tive a Graça de conhecer em Garabandal foi o Padre Justo, missionário e um dos Sacerdotes confidentes de Conchita. A sua missão está ligada à devoção do Santíssimo Sacramento, e neste momento actual, é um dos principais percursores da implementação da Adoração perpétua ( Adorar o Santíssimo Sacramento no Altar, 24 horas por dia )em Espanha. O Padre Justo visita por diversas vezes a aldeia de Garabandal e grande parte do seu tempo dedica-a à Adoração ao Santíssimo Sacramento na Igreja de Garabandal.

Meditações de Conchita sobre o    Santíssimo Sacramento

«É no Santíssimo Sacramento que encontrareis força suficiente para iniciar a vida que a Virgem vos exige constantemente. Visitem com frequência o Santíssimo Sacramento. Esvaziem os vossos corações das coisas mundanas que vos impedem de escutar Deus.»

«Quero acentuar o facto de que deveis visitar frequentemente o Santo Sacramento. Ele encher-vos-á de graças e de força para que possais levar ao mundo as mensagens de Nossa Mãe, e vivê-las nas vossas vidas quotidianas. A melhor maneira para nos ajudarmos uns aos outros é cada um de nós viver da forma mais perfeita que podermos, e, para o fazermos, Jesus espera por nós no Santíssimo Sacramento para nos dar a luz e a força para continuarmos no caminho da felicidade.»

«Aquilo que mais ofende Nosso Senhor é a indiferença. Quando estamos na igreja, falamos uns com os outros e não pensamos em quem está no tabernáculo. Se o Papa ou o presidente estivessem sentados nesta sala, perderiam tempo a falar comigo ou com outra pessoa? Não, a vossa atenção recairia sobre essa pessoa importante presente. Por razões muito variadas, as pessoas esquecem-se de que Jesus está no altar e no tabernáculo. Temos que acreditar com fé que é Ele. Para além da missa diária, da Comunhão e do rosário, devemos, frequentemente, fazer uma visita a Nosso Senhor nas igrejas onde Ele está só.»

Igreja sem tabernáculos é    possível ?

Como uma Mãe sensata, Nossa Senhora em Garabandal conduziu-nos de forma gradual e com muita suavidade, para a totalidade da sua mensagem. Ela começou por alimentar-nos apenas com "leite", só depois mais tarde alimentou-nos com "comida" que era mais difícil de digerir. A sua primeira mensagem de 1961 era tão simples que as pessoas ficaram grandemente desapontadas. Por outro lado, a sua mensagem de 1965 chocou-os a todos de tal forma que tiveram dificuldade em aceitá-la.


Nós encontramos este contraste entre as duas mensagens Eucarísticas de Garabandal. Em 1961, Nossa Senhora simplesmente falou sobre a necessidade de visitarmos o Santíssimo Sacramento. Até aqui nada de complicado. Mas quando Ela disse em 1965 a respeito da existência de maus Cardeais, Bispos e Sacerdotes, que eram ministros da Eucaristia, e sobre o anúncio em que " cada vez é dada menos importância à Eucaristia", já se tornou num assunto mais sério e delicado.


O que Ela queria dizer com esta afirmação? Uma das coisas que Ela queria realmente aludir-nos era a respeito dos novos ensinamentos teológicos em relação à Eucaristia, ensinamentos esses que começaram a aparecer em revistas, livros, em meados dos anos 60 e que tanto incomodaram o Papa ao ponto de ele publicar uma encíclica sobre a Eucaristia com o nome de "Mysterium Fidei". Nesse documento ele reafirmou a nossa fé e os ensinamentos tradicionais associados a este importante Dogma. Isto desagradou a alguns teólogos que criticaram esta encíclica do Papa, enfraquecendo desta forma a sua autoridade como chefe da Igreja.

Uma das modernas teorias sobre a Eucaristia, faz-nos acreditar que Jesus não está presente no pão consagrado depois do momento da consagração. Se Jesus não está lá presente, então por que razão deixamos o pão no tabernáculo? E porque razão temos afinal tabernáculos nas nossas Igrejas?

Este novo e pouco ortodoxo ensinamento afectou e perturbou muitos sacerdotes, mais do que aquilo que os cristãos se aperceberam na realidade. Será que é completamente irreal dizer que um dia pode muito bem vir a acontecer que alguns sacerdotes não mais mantenham o Santíssimo Sacramento no Sacrário da sua Igreja ou até mesmo removê-lo definitivamente? Quem se atreveria a prever que o dia aconteceria que um sacerdote rasgasse um rosário no púlpito? E isso já aconteceu.


Rezem e ofereçam sacrifícios pelos sacerdotes que estão actualmente a serem torturados com dúvidas acerca da Eucaristia, por causa desses novos ensinamentos. Rezem muito e ofereçam sacrifícios para que nunca aconteça o tempo em que os tabernáculos ficarão vazios ou então que as Igrejas fiquem de forma permanente sem tabernáculos.


O Arcanjo S. Miguel e a oração de Santo Inácio 



"Ele vinha todos os dias quando não havia sacerdote na aldeia e ele dava-nos a Sagrada Comunhão. No início ensinou-nos a dizer o ato de contrição, antes de receber a Sagrada Hóstia e depois da Comunhão ensinou-nos a dizer a Oração de Santo Inácio (Sacerdote Jesuíta): "Alma de Cristo, santificai-me... etc".

"Depois, quando eu vi o Anjo com a Hóstia, começava imediatamente a dizer o ato de contrição, e o anjo esperava até que eu acabasse de o dizer, isto antes de me dar a Comunhão. E depois da Comunhão, eu dizia a oração "Alma de Cristo", e o Anjo esperava até que eu acabasse a oração e depois desaparecia....."

Conchita González

O Sacerdócio e Garabandal

Nesta secção pode encontrar pequenas histórias de meditações e reflexões realizadas na maioria por sacerdotes católicos a respeito da importância do sacerdócio tantas vezes referida neste contexto das aparições de Garabandal.

Uma predilecção especial pelos Sacerdotes em Garabandal

A visita de sacerdotes a Garabandal durante o tempo das aparições foi inevitável, em especial a visita constante do Padre Valentim Marichalar, pároco não residente, que para além de Garabandal também ministrava na aldeia vizinha do Cosio.

No dia a seguir às aparições, o Padre Valentim Marichalar subiu aos " pinos[1]" para questionar as crianças acerca dos rumores que ele próprio tinha ouvido relativamente aos acontecimentos ali ocorridos no dia anterior. Ele estava a tomar conta da sua responsabilidade, pelo facto de ser pároco desta comunidade. Nesse dia, ele encontrou três das quatro meninas videntes, Conchita, Mari-Loli e Jacinta, no caminho de suas casas para a escola local e Mari-Cruz já na sua casa. Ele deu uma sugestão: que da próxima vez que elas tivessem a aparição, perguntassem qual era o nome do Anjo e sobre a razão da sua vinda. A sugestão foi aceite com bom agrado por parte das meninas videntes. Essas perguntas foram feitas ao próprio Anjo no dia 21 de Junho de 1961 (a primeira aparição do Anjo foi a 18 de Junho de 1961) em obediência ao pároco Valentim Marichalar. No entanto, o Padre Valentim Marichalar teve que esperar mais algum tempo até que ficasse a saber sobre a verdadeira identidade do Anjo. O nome só ficou a saber-se no dia em que Nossa Senhora apareceu pela primeira vez e Ela revelou o seu nome, chamava-se Anjo S. Miguel. As quatro meninas videntes chegaram a falar com Nossa Senhora sobre o Padre Valentim Marichalar que descreveram-no como sendo um sacerdote muito bom.

[1] Local principal das aparições de Nossa Senhora e do Anjo. Este local fica situado um pouco mais acima da aldeia de Garabandal

Muitos outros sacerdotes também acabaram por se envolver nos acontecimentos de Garabandal. Acreditando nesses acontecimentos de forma favorável estiveram: os irmãos Andreu, o Padre Luís e o Padre Ramon, o Padre José Garcia de la Riva, bem como a presença de muitos teólogos que fizeram registos daquilo que observaram em Garabandal. Também existiram sacerdotes que demonstraram possuir opinião desfavorável, como foi o caso do Padre Luís Odriozolla, Padre Francisco Pajares, entre outros. No geral, crentes ou não crentes tinham um ponto em comum, ambos demonstraram afecto, carinho e respeito pelos acontecimentos ali ocorridos.

Informações inquietantes

As meninas foram ensinadas pelos seus pais para terem sempre grande respeito pelos Sacerdotes. Na aparição de 29 de Agosto de 1961. Conchita ficou bastante impressionada com a informação inquietante que Nossa Senhora tinha-lhe transmitido em relação aos Sacerdotes. Conchita ao ficar admirada com tal informação exclamou da seguinte forma:" Não são os Sacerdote todos bons? " No dia seguinte, Conchita em êxtase, ainda com admiração sobre o assunto, voltou a falar sobre o mesmo a Nossa Senhora: " Eu pensava que todos os Jesuítas fossem bons."

Cinco anos mais tarde, falando com a irmã Maria Nieves Garcia no internato em Burgos, lembrou-se novamente deste êxtase e disse: " Antes de Nossa Senhora falar-me sobre esse assunto, eu pensava que os Padres eram todos bons. Nunca me tinha ocorrido que também eles cometiam pecados! Ao início eu era amiga de todos, mas notando que a minha confiança era erradamente interpretada por alguns, eu então mudei de atitude."

Envolvimento dos Sacerdotes

No início destes acontecimentos, as meninas videntes demonstraram uma especial predilecção pelos Sacerdotes e religiosas. Frequentemente, elas tinham por hábito contar o número de Sacerdotes que chegavam à aldeia, observando os seus hábitos religiosos. Em muitos dos seus êxtases, elas falavam dos Sacerdotes com Nossa Senhora. Se lhe perguntassem, " Quem queriam que viesse mais à sua aldeia ", elas quase sempre respondiam, " Sacerdotes ".

O ponto mais alto que demonstrou todo este elevado carinho e afecto pelos Sacerdotes foi particularmente evidente durante dois êxtases, e isto ocorreu algum tempo antes de Conchita ter tido conhecimento sobre o estado das almas de alguns Sacerdotes. Esses êxtases ocorreram a 8 e a 16 de Agosto de 1961. Os irmãos Sacerdotes Luís e Ramon Andreu, seguiram bem de perto todos estes acontecimentos e tiraram deles algumas notas bastante detalhadas. Eles tornaram-se familiares entre as meninas videntes que os aceitaram sem qualquer dúvida ou medo.

No segundo êxtase do dia 8 de Agosto de 1961, o Padre Luís Andreu estava junto das meninas quando o próprio entrou também em êxtase. Enquanto ele permanecia no estado de êxtase, ele viu directamente a imagem de Nossa Senhora e o futuro milagre que um dia ocorrerá em Garabandal com o objectivo de convencer todo o mundo sobre a sua autenticidade. Aparentemente as meninas videntes não tiveram conhecimento sobre este futuro milagre, até ao dia 5 de Setembro de 1962 quando Conchita mencionou a ocorrência de um milagre em adição ao " pequeno milagre " (milagre da hóstia visível) que ocorreu neste mesmo ano de 18 para 19 de Julho. O padre Valentim Marichalar foi informado a respeito desse milagre, por volta do dia 24 de Setembro desse ano.

O padre Luís Andreu depois de ter visto o futuro milagre, exclamou por três vezes: " Milagre". As meninas videntes ficaram admiradas pelo facto de o terem visto no seu espaço de Visão, uma vez que uma das características dos êxtases era a total ausência do espaço do mundo que as rodeavam. Apenas tinham a visão de Nossa Senhora e do Anjo. Desta vez, tinham também a inclusão do Padre Luís Andreu no seu êxtase. Este acontecimento particular não ocorreu com mais ninguém, nem como nenhum outro Sacerdote, apenas com o Padre Luís Andreu.

Na madrugada do dia seguinte, durante a viagem de regresso a casa que realizou com alguns amigos seus, o Padre Luís Andreu morreu subitamente. O seu irmão, padre Ramon, apesar de ter tido conhecimento sobre a alegria que contagiou o padre Luís pouco tempo antes de morrer, a sua morte mesmo assim veio trazer-lhe uma grande depressão. O padre Luís Andreu faleceu a 8 de Agosto de 1961. No seu regresso a Garabandal, a 14 de Agosto, as quatro meninas videntes foram ao encontro do Padre Ramon e demonstraram-lhe toda a sua tristeza em relação à notícia do falecimento do seu irmão. Depois, elas informaram o próprio Padre Ramon que Nossa Senhora falou-lhes também sobre este incidente.

Antes do Padre Ramon ter assimilado esta informação que tinha sido comunicada pelas meninas videntes, ele disse-lhes que as tinha ouvido a dizer durante esse êxtase, que elas iriam voltar a falar com o Padre Luís Andreu, mas mais tarde. Para o Padre Ramon, tratava-se de notícias desoladoras. Ele não tinha qualquer expectativa nem convicção que isso fosse possível, uma vez que o seu irmão tinha já falecido. Nesse momento, ele ficou com a certeza que as meninas sofriam de um comportamento de auto-sugestão devido ao falecimento súbito do seu irmão Luís.

A continuação deste afecto para com os sacerdotes, ocorreu no êxtase do dia 16 de Agosto de 1961, na qual o falecido Padre Luís teve possibilidade de falar com as meninas videntes, apesar de o próprio não ter estado visível para elas. Isto ocorreu precisamente oito dias depois da sua morte. Ele falou com as meninas, utilizando palavras em francês, inglês e alemão; ensinou-lhes também a ave-maria em grego; e também transmitiu uma mensagem particular para o seu irmão Ramon. Este fenómeno repetiu-se por algumas vezes.

O reconhecimento dos Sacerdotes

À medida que os acontecimentos se desenrolavam, as meninas adquiriram a capacidade de reconhecer os sacerdotes que chegavam à aldeia de Garabandal, vestidos à civil, com o objectivo de não serem reconhecidos. Parece que a primeira vez que isto ocorreu foi durante o êxtase de Mari-Cruz no mês de Agosto, entre o dia 17 e 28 desse mês. Nesse êxtase, ela recebeu a informação da Visão que naquele dia estava presente em Garabandal um sacerdote dominicano que estava vestido à civil. Uma continuação desta extraordinária capacidade aconteceu no primeiro êxtase do dia 27 de Julho de 1961, quando as meninas anunciaram como a multidão deveria organizar-se para serem testemunhas do êxtase que iria ter lugar naquele dia. Incluído nestas instruções elas mencionaram " as irmãs ".

O Padre Valentim Marichalar, pároco de Garabandal, não tinha nenhum conhecimento sobre a presença de religiosas na aldeia nesse dia, e questionou ao Padre Ramon sobre o assunto, que tal como ele não tinha também nenhum conhecimento sobre a presença de religiosas na aldeia. Mas, durante o êxtase, depois das meninas videntes terem subido até aos pinos, as irmãs religiosas apareceram no local onde ocorriam as aparições. Em relação a esta faculdade de reconhecimento de sacerdotes vestidos à civil, existem algumas considerações a este respeito, por parte do Padre Ramon:

" A capacidade que estas meninas possuíam em conseguir obter informações camufladas e escondidas entre a multidão presente, foram reconhecidas durante várias ocasiões. No entanto, essa capacidade de descobrir foi mais marcante no que respeita à identificação de sacerdotes. Muitas vezes elas diziam que os sacerdotes estavam num determinado local, quando a maioria das pessoas não suspeitava de nada, ou que existiam muitos mais sacerdotes presentes na aldeia, muito mais que aparentavam existir, devido aos seus trajes à civil."

É preciso realçar que tudo isto acontecia, não devido às capacidades psíquicas das meninas. Numa determinada data de Agosto de 1961, durante um êxtase de Mari-Cruz, foi Nossa Senhora que a informou em relação ao disfarce de um sacerdote dominicano que estava presente entre a multidão, um facto que foi verificado por um espectador a quem o sacerdote veio depois a revelar. Em Outubro desse mesmo ano, Jacinta foi informada pela Nossa Senhora que havia um sacerdote entre a multidão a quem Jacinta teve que lhe dar três sinais de clareza para confirmar que ele era realmente um verdadeiro sacerdote, isto porque ele tinha dúvidas em relação à validação do seu sacerdócio e Jacinta acabou por encontrá-lo. Maximina, madrinha de Conchita, testemunhou um êxtase na qual cinco sacerdotes disfarçados à civil, foram encontrados por Conchita. Ela também testemunhou que mesmo em êxtase, as meninas continuavam a mostrar um elevado respeito pelos sacerdotes e enquanto caminhavam em êxtase ofereciam-lhes os crucifixos para serem beijados, ajoelhando-se primeiro diante dos sacerdotes. Em Junho de 1962, um padre carmelita e um outro passionista estavam presentes durante um êxtase de Conchita, ambos ajoelhados em reverência. Conchita chegou-se perto deles e de forma muito gentil conseguiu que se levantassem e ficassem de pé. Nossa Senhora também demonstrava possuir uma elevada estima pelos sacerdotes.

Muitos outros sacerdotes receberam particular atenção no que respeita a questões de consciência. Depois da grande graça que recebeu o padre Luís Andreu em Agosto de 1961, foi depois mais tarde a 14 de Outubro de 1961 que o seu irmão Ramon Andreu foi também gracejado. Nesse dia, o padre Ramon Andreu encontrava-se em Garabandal, de cama e com bastantes dores, o que parecia indicar uma possível fractura na região da anca. As dores eram tão grandes que ele próprio não conseguia levantar-se e ficar de pé. Às 3:30 da madrugada, Jacinta chega em êxtase à casa onde se encontrava o Padre Ramon oferecendo-o um crucifixo para que o beijasse. Ao mesmo tempo ela informou-lhe pessoalmente que ele estava curado. A sua dor desapareceu imediatamente. Posteriormente, o padre Ramon fez mentalmente um pedido para que Jacinta oferecesse a cruz a Maximo Forschler, um amigo não católico que o tinha trazido a Garabandal. Ele (Maximo Forschler) estava situado por detrás de Jacinta. Jacinta volta-se imediatamente para trás e sem olhar entrega o crucifixo a Maximo Forschler para o dar a beijar.

Três dias depois, dois sacerdotes vestidos à civil lideravam um grupo de rapazes das Astúrias a São Sebastião de Garabandal. Quando Conchita parecia estar a aproximar-se deles, como forma de a evitarem, eles subiram uma série de degraus de uma escada exterior que conduzia à entrada de uma das casas da aldeia. Conchita mesmo assim, continuou a insistir com eles, oferecendo-lhes o crucifixo para que o beijassem. Ambos recusaram, mas um deles ficou bastante indeciso. Quando Conchita estava a descer as escadas, naquele momento ele requisitou mentalmente um pedido: que se isto era realmente de origem sobrenatural, que Conchita voltasse a ir ter com ele e que deixasse de estar em êxtase. De forma abrupta, Conchita voltou-se para trás, voltou a subir os degraus da escada, fez o sinal da cruz sobre ele, saindo depois do estado de êxtase em que se encontrava.

Conchita estando agora no seu estado normal, e regressava a sua casa quando de repente voltou a entrar novamente em êxtase. Já em êxtase, Conchita voltou de novo a confrontar esse mesmo sacerdote, oferecendo-lhe o crucifixo para que ele o beijasse, fazendo de novo o sinal de cruz sobre ele. Ele tinha feito pouco tempo antes, mentalmente, um segundo pedido, se a supernaturalidade de Conchita sabia que ele era um sacerdote, então que ela voltasse a ir ter com ele e realizasse tudo o que tinha feito durante a primeira vez. Isto mostrava o amor paciente que Nossa Senhora demonstrava ter para com os sacerdotes. Nossa Senhora demonstrava ter também um elevado interesse em assistir e ajudar sacerdotes que tivessem dúvidas de âmbito espiritual.

Vamos falar sobre mais um pormenor, antes de falarmos verdadeiramente sobre as verdadeiras causas deste tipo de reconhecimento. A 18 de Outubro de 1961, a primeira mensagem era para ser transmitida às 10:00 da manhã, em frente Igreja de Garabandal. Membros da comissão diocesana, decidiram que o anúncio teria que ocorrer nos "pinos" e não junto ao pórtico da Igreja. O padre Ramon encontrava-se entre a multidão que subia naquele momento até ao local dos "pinos". A meio da caminhada, ele experimentou um enorme desalento e dúvida em relação a tudo aquilo. Parecia que tinha entrado numa grave crise moral. Ele estava desolado e pensava assim: "O que é que eu estou a fazer aqui? Estas crianças não são mais do que crianças doentes e tudo isto é uma patética comédia."

Naquele dia o tempo estava bastante mau, mas a mensagem era extremamente simples:

" Temos de fazer mais sacrifícios, realizar mais penitência, e visitar o Santíssimo Sacramento frequentemente. Mas antes, temos de ser bons. Se não o fizermos, um castigo cairá sobre nós. A taça está quase cheia, e se não mudarmos, um grande castigo cairá sobre nós."

Esta proclamação da mensagem simples em nada alterou o seu estado de espírito. Passado um tempo, foi levado para a casa de Mari-Loli. Ao chegar a sua casa, Mari-Loli voltou-se para o padre Ramon informando-o que Nossa Senhora fez-lhe dar a conhecer que ele não estava a acreditar, dizendo:

" O padre duvida de tudo, e sofre muito. Chama-o e diz-lhe para não duvidar mais...diz-lhe que quando subia ele estava feliz e quando descia, ficou triste."

Loli também disse também ao padre Ramon, que Nossa Senhora falou algum tempo com Conchita sobre ele. Ele ao saber deste facto, dirigiu-se imediatamente a casa de Conchita, onde a mãe de Conchita, Aniceta, deu autorização para que ele falasse com a sua filha. Conchita tinha-se já retirado para o seu quarto juntamente com a sua prima Luciuca. Conchita disse-lhe que Nossa Senhora tinha falado muito sobre ele. Ela (Conchita), repetiu precisamente as mesmas frases que Mari-Loli tinha proferido antes. Depois relatou-lhe todos os pormenores que ele tinha pensado ao longo do dia e indicou o local exacto onde ele teve todas as dúvidas. Nossa Senhora disse-lhe que tudo isto aconteceu para que ele no futuro ao pensar nisto não voltasse a duvidar.

Quantos mais episódios teremos que falar para provar que Nossa Senhora quer que a felicidade dos sacerdotes esteja presente no Seu coração Imaculado? Quantos mais episódios teremos que dar para provar a predilecção de Nossa Senhora pelos Sacerdotes nos acontecimentos ocorridos em Garabandal?

Uma marca eterna

Em Dezembro de 1965, um decreto do Vaticano II referente ao ministério e a vida dos sacerdotes, foi promolgado. No capítulo 1, parágrafo 2 está constatado o seguinte:

"O ministério dos sacerdotes, enquanto unido à Ordem episcopal, participa da autoridade com que o próprio Cristo edifica, santifica e governa o seu corpo. Por isso, o sacerdócio dos presbíteros, supondo, é certo, os sacramentos da iniciação cristã, é, todavia, conferido mediante um sacramento especial, em virtude do qual os presbíteros ficam assinalados com um carácter particular e, dessa maneira, configurados a Cristo sacerdote, de tal modo que possam agir em nome de Cristo cabeça."

Neste parágrafo podemos encontrar o segredo, relativo ao sucesso de Nossa Senhora em encontrar sacerdotes que se encontravam incógnitos entre a multidão. Neste parágrafo também encontramos a verdadeira razão da Sua especial predilecção aos sacerdotes. O sacramento que institui o Sacerdócio, marca as almas dos padres com uma marca espiritual eterna e permanente que nunca mais pode ser apagada. É uma espécie de barra de luz que pode ser vista independentemente de todas as condições. O brilho permanente é devido à graça de Deus, brilhante, persuasiva e permanente.

Como Nossa Senhora pertence a esse mundo espiritual, na qual é rainha, então Ela tem consciência da presença dessa luz nas almas dos sacerdotes que se encontram mergulhadas na escuridão deste mundo, por isso não é dificuldade para Ela, verificar tudo isto. Noite e dia, dia sim, dia não, esta marca identifica o padre e através deste Sacramento a graça do Deus infinito pousa sobre eles.

À medida que essa graça envolve o sacerdote, ele torna-se configurado em Cristo. Como se sabe, toda a vida de Nossa Senhora concentrou-se na vida de Jesus Cristo; ela exerceu de forma contínua o papel de mãe em relação ao Seu filho Jesus, que tanto amava. Não é assim natural que Nossa Senhora tenha especial devoção pelos sacerdotes, uma vez que os mesmos estão configurados em Jesus Cristo?

Que proximidade teria o Padre Luís Andreu com a imagem de Cristo, pelo facto de ter obtido tão elevada graça, enquanto estava na Terra, e também pelo facto de ele ter voltado a estar com as meninas videntes oito dias depois da sua morte? Apesar da sua presença não ter sido visível, ele demonstrou a sua presença através da sua voz e das instruções que ele deu às meninas, e aos apelos que deu ao seu irmão Ramon Andreu.

Nossa Senhora fez mostrar em Garabandal a predilecção especial que tinha pelos sacerdotes devido ao carácter sacramental que os mesmos possuíam. Eles não foram capazes de ocultar a sua luminescência espiritual que está em conformidade com a imagem e semelhança de Jesus Cristo. Mesmo que eles estejam com dúvidas e medos, essa marca brilhante que se encontrava por cima deles, fez com Ela pudesse vir em seu auxílio. Ela vem assim assistir todos aqueles que queiram assimilar e dar exemplo dos ensinamentos da fé cristã, cujo fundamento é Jesus Cristo, o nosso Messias e também para todos aqueles que queiram seguir a humildade e a santidade de Cristo, Seu filho.

FIM

Traduzido pelo apostolado de Garabandal em língua portuguesa, Portugal


Reflexões do Pe.Turner sobre o sacerdócio e Garabandal


O Concílio ensina que a função fundamental do sacerdote é ser ministro da Eucaristia (presb, n º s 2 e 5).

A Santíssima Virgem falou muitas vezes sobre os sacerdotes às videntes. Ela disse-lhes que se encontrarem um anjo e um padre, elas em primeiro devem saudar e venerar o sacerdote, porque o padre consagra, enquanto o anjo não.

Os padres também são responsáveis pela instrução, e é por isso que Ela disse às meninas para que elas pedissem ao seu pároco o significado da palavra "sacrifício" que elas não entendiam. Isto sugere que a Santíssima Virgem insinuou que um bom padre é sacrificado e consagrado. Se for esse o caso, podemos entender porque Ela tantas vezes falou sobre eles, incentivando as meninas a rezar com frequência aos sacerdotes. Ela expressa uma preocupação especial para com os sacerdotes, nomeadamente na segunda mensagem, porque se eles (Sacerdotes), não dão um bom exemplo e não demonstram qualidades de liderança, alguns dos fiéis podem ser tentados a aventurar-se "na estrada para a perdição." A sua tarefa é ajudar-nos a viver uma vida santa, a cada um de nós na nossa vida individual e pessoal. Esta preocupação especial da Virgem, e de Deus, que A enviou, é absolutamente positiva. Em 20 de Julho de 1963, Nosso Senhor disse a Conchita numa locução interior, "Que Me façam conhecer a quem me ignora, e fazer com que me Amem para aqueles que me conhecem, mas não me amam."

Na segunda mensagem Ela recomenda a todos que rezemos pelos padres, bispos e cardeais. É sabido que a Virgem deu às videntes o poder de reconhecer sacerdotes vestidos como leigos, sugerindo assim que eles (sacerdotes) foram marcados com uma espécie de "selo"...

Estamos agora em condições de entender por que razão as videntes tratavam os sacerdotes com uma consideração especial, mesmo quando alguns deles tratavam-nas mal ou as importunavam. Nenhum assunto parecia preocupá-los, com excepção da própria vocação. Conchita, uma vez perguntou à Virgem se todos os sacerdotes eram bons, e Conchita ficou bastante surpresa ao receber uma resposta negativa. Mari Loli por diversas vezes rezou por eles, especialmente para aqueles que desejavam que eles não fossem sacerdotes. Ela chegou a pedir à Virgem, numa locução, uma cruz para que pudesse sofrer por eles. De onde vieram esses pensamentos e sentimentos de Mari Loli?

Ela confidenciou uma vez a um sacerdote, "A Santíssima Virgem disse-me para fazer sacrifícios pelos sacerdotes, porque se houver muitos sacerdotes santos, muitas almas são levadas a Cristo e ao amor Dele.

Ela disse-me para rezar especialmente por aqueles que querem abandonar o sacerdócio... que um sacerdote, pelo menos, que continue a celebrar a Missa, porque ele é sacerdote para sempre". "A noção do "carácter" permanente do sacerdote é reencontrada nestas últimas palavras.

A fim de deixar que os convidados usassem a sua cama, a tia madrinha de Conchita, Maximina, colocou os seus dois meninos, com idades entre quatro e cinco anos, num colchão de palha estendido sobre o chão. A fim de esconder tudo isso, ela tinha cercado o colchão com cadeiras cobertas com folhas. Conchita entrou na casa de Maximina, em êxtase, cruzou as camas, e saiu. Ela desceu alguns passos, com a cabeça esticada para cima e para trás, no caminho de volta, com a sua mão a segurar o crucifixo.

Ela começou a rir-se, parecia falar com alguém, depois voltou, subindo os degraus andando para trás, chegou ao local onde as crianças estavam escondidas, retirou uma cadeira, ajoelhou-se e, sem olhar para os meninos, descobriu os seus pés, cruzou-os e disse a um deles: "Oh! ... Este vai ser padre? "Isso foi visto e ouvido por muitas pessoas, entre as quais Maximina, que não esconde a confusão que sentia naquele momento, quando ela narrou este episódio.

Um padre, asceta e piedoso foi o primeiro confidente de Conchita sobre o milagre da hóstia, e anotou o nome dele no seu Diário: Padre José Ramon Garcia de la Riva. Outro padre que tinha fama de ser santo, o padre. Luís Andreu, foi a única pessoa a ver o grande Milagre de antemão, para além do Padre Pio, e foi o único que com excepção viu a própria Virgem Maria em Garabandal.

Na altura das aparições, durante muitas ocasiões, as meninas contavam os sacerdotes que vinham a Garabandal e prestavam atenção aos seus hábitos. Quando lhes perguntavam quem gostariam que viesse, respondiam: "os padres". Muitos vieram das aldeias deste distrito. No início, Pepe Diez chegou a contar à volta de cinquenta. Eles discutiam acaloradamente os acontecimentos, mesmo em público. As meninas foram muito sensíveis à forma como os sacerdotes celebravam a Santa Missa, e eles notaram em especial que os irmãos Andreu faziam isso muito bem.

Depois da época das aparições, foi possível observar que esta lição sobre os sacerdotes tinham sido totalmente assimilada pelas videntes.Em Burgos entre 1966-67, Conchita falou muitas vezes dos sacerdotes e que iria rezar para que eles se tornassem santos.

"O que a Santa Virgem quer do sacerdote, acima de tudo é a sua própria santificação.
Ele deve cumprir os seus votos através do amor de Deus, e levar muitas almas a Ele através do exemplo e da oração, porque no nosso tempo, isso é difícil."
"Que os sacerdotes possam ser sacrificados pelo amor das almas em Cristo!
Que eles possam de tempos a tempos fazer retiros de silêncio para ouvir Deus que fala com eles constantemente."

"Que eles pensem muito sobre a Paixão de Jesus, para que as suas vidas sejam mais unidas a Cristo, e convidar as almas à penitência e ao sacrifício, e também tornar mais tolerável para eles a cruz que Cristo envia para todos nós."

"Para falarem de Maria, que é o caminho que nos conduz a Cristo, e também falar e fazer as pessoas acreditarem que existe um céu, assim como também existe um inferno.
Eu acredito que é isso que o Céu quer dos sacerdotes."

Conchita González

Em Burgos, Conchita escreveu:" Rezemos muito pelos sacerdotes, que são o sal da terra e são os amados de Cristo."

González Conchita, 15 de Novembro de 1967 "


Um ano depois, em Outubro de 1968, ela foi inquirida por um teólogo, se ela ainda pensava que "muitos padres estavam no caminho da perdição". Ela disse que sim e para esses sacerdotes ela responde: " Imitem Cristo na Eucaristia". Isto soa teologicamente bem, como Jesus na hóstia é perfeitamente consagrado a Deus e totalmente consumido pelos homens.

Das muitas coisas que a Santíssima Virgem disse, Jacinta lembra-se mais vividamente das Suas palavras sobre os sacerdotes: "Eu acho que foi isso que me impressionou mais do que tudo, e deixa na minha alma uma grande estima e uma veneração por eles....". "


Em 21 de Novembro de 1968, um grupo de visitantes foi despedir-se de Mari Loli. Disseram-lhe que eles foram rezar por ela nos pinheiros. Ela protestou e disse-lhes que em primeiro lugar devem sempre rezar pelos sacerdotes.


Em Dezembro de 1968, Conchita foi operada à apendicite. Embora sob anestesia, ela foi ouvida a dizer: "Temos de rezar pelos sacerdotes ... vamos rezar pelos sacerdotes ... como devemos rezar pelos sacerdotes", o que mostra que foi uma das suas principais preocupações.
No Outono de 1969, em resposta a uma pergunta que lhe foi enviada, ela explicou que Nossa Senhora pediu a Conchita e às suas companheiras, que rezassem pelos sacerdotes... porque os crentes seguiriam o seu exemplo.

Em 1970, Mari Loli escreveu a um autor de livros sobre Garabandal que ela iria "pedir à Santíssima Virgem para que ele fosse um padre santo."

As visitas frequentes da Virgem Maria a Conchita, os seus numerosos retiros, a sua vida de oração, a sua profunda inteligência intuitiva, e talvez o especial carisma que recebeu como presente de Deus, deu-lhe a capacidade de dar respostas profundas e criteriosas. Walter J. Kushion e um grupo de visitantes da Irlanda perguntam-na no dia 13 de Setembro de 1970, "Porque que razão os sacerdotes estão a deixar a Igreja hoje?" Ela respondeu: "Porque eles não têm amor à Virgem Maria."

Aquele que ama Maria fielmente, ama o Seu filho de forma fiel e a Igreja que Ele ama (Efésios 5:25). Conchita considera que todos nós somos responsáveis: "Vamos rezar muito pelos sacerdotes. Nós mesmos somos culpados pelo facto de muitos sacerdotes estarem na estrada para a perdição, porque não rezamos o suficiente por eles, porque nós não nos sacrificamos, e também porque devemos dar exemplo para os sacerdotes que são consagrados à Santíssima Virgem... Temos que ajudar os sacerdotes... para que possam levantar-se para que possam prosseguir em frente na sua vocação "

As orações pelos sacerdotes tornou-se contagiosa, particularmente na aldeia, quando a tia e Madrinha de Conchita, Maximina, começou a orar diariamente pelos sacerdotes.Desde que aprendeu com a Santíssima Virgem para rezar pelos sacerdotes, a Senhora Julia Mazon, mãe de Mari Loli, nunca passou um dia sem rezar por eles, pela sua santificação, enquanto ordenhava as vacas ou quando ela levava os animais para pastar.Este exemplo de oração pelos sacerdotes é seguido em grande parte nos Estados Unidos, onde os amigos de Garabandal promovem vigílias de oração pelos sacerdotes, e de adoração ao Santíssimo Sacramento. O Santo Padre [o Papa Paulo VI] tinha conhecimento sobre estes factos e aprovava-os.

Através da sua oração sacerdotal (João 17), Jesus quis consagrar os seus apóstolos para o sacerdócio ministerial:

"....Como Tu me enviaste ao mundo, assim também eu os enviei ao mundo. E por causa deles eu me consagro, que também eles sejam consagrados pela verdade "(João 17:17-19).

Os apóstolos ficaram, portanto, plenamente conformados com Jesus, Sacerdote e Vítima do novo culto da Nova Aliança ", em verdade" (João 4:23-24), ou seja, em conformidade com a revelação divina dada por Jesus. Ver (João 14:6), através da operação de "o Espírito da Verdade que irão orientá-los em toda a verdade" (João 16:13).

Estes sacerdotes ministeriais terão sucessores que recebem "um dom, o carisma de Deus através da imposição das mãos", conferido pelo Colégio de Presbíteros (II Tim 1:6.)
"A leitura, pregação, instrução, sejam estes os teus cuidados constantes", escreveu Paulo a Timóteo. "Não negligencies o dom que há em ti, que te foi dado por profecia, com a imposição das mãos... Continue nestas coisas: porque, ao fazer isto, te salvarás a ti mesmo e aos que te ouvem" ( I Tm. 4:13-16).


Os sacerdotes são "ministros de Jesus Cristo, .... consagrados pelo Espírito Santo" (Rm 15:16). Este verso indica o fim, a meta do ministério da Nova Aliança.Esse é o ensinamento do Concílio: "Deus ... queria ... consagrar os sacerdotes que desejam participar do sacerdócio de Cristo de uma forma especial ... Através da celebração da missa, oferecem sacramentalmente o sacrifício de Cristo" (presb, n. 5)





Foto tirada em 1968, em Candè, França, durante a reunião anual sobre Garabandal. De esquerda para a direita, Padre Turner, Padre Bailliencourt, junto com um senhor do norte de França, Padre Materne Laffineur, Suzanne Laudet, Padre Blanco Bispo J. Bretault, o jesuíta espanhol Padre José Alba, Padre. Alfred Combe e a Senhora Teresa le Pelletier à direita da foto.









Garabandal visto por um sacerdote missionário

O Padre Geraldo (Gerry) Farrel, natural de Nova Iorque, foi ordenado padre missionário em Junho de 1957. Dos 26 anos ao serviço ao Senhor, 21 anos foram passados na Korea. Em 1993, depois de passar alguns dias em Rhode Island, Nova Iorque, na casa de Betânia, voltou novamente a ser chamado para a Korea. No passado verão, regressou a Brooklyn onde vive a sua mãe e irmã, aproveitando o pedido de férias prolongado que costuma ter de três em três anos.

O padre Farrel, acredita que as mensagens de Garabandal vêm de Deus e a 15 de Julho de 1986, Marie Fitz Patrick da nossa equipa editorial entrevistou-o sobre assunto de Garabandal. As suas reflexões sob o ponto de vista de um missionário relativamente ao impacto do Aviso e do Milagre, são vistos numa outra perspectiva que quase ninguém ainda tinha considerado.

Pergunta: Como ficou a saber sobre Garabandal?

Resposta: Ouvi falar sobre Garabandal através de um livro de Joseph Pelletier. " Our Lady comes to Garabandal". A casa de Betânia ficava situada na diocese de Providence, não muito longe da casa de Pelletier em Worcester, Massachusetts. Quando em 1975 se soube que o padre Pelletier tinha tido um ataque cardíaco, fomos visitá-lo ao hospital. Foi nessa ocasião que fiquei a saber sobre o livro de Garabandal e foi a partir daí que comecei a lê-lo. Nos anos seguintes, eu visitei-o por várias ocasiões juntamente com outros sacerdotes, onde através dele aprendi muita coisa sobre Garabandal.

Pergunta: Chegou a encontrar-se com Conchita[1]?

Resposta: Sim, por diversas vezes. Depois da casa de Betânia ter sido mudada para a localidade de Hastings on Hudson, Nova Iorque, conheci um leigo numa conferência que me perguntou sobre o tipo de trabalho que realizávamos. Eu respondi: " pela intercessão dos sacerdotes." Ele depois comentou-me que ia muitas vezes à " Hora santa pelos sacerdotes" a casa de Conchita Keena em Nova Iorque, e se um dia eu gostasse de lá ir, ele teria todo o gosto em levar-me com ele. Então, um dia aceitei a proposta dele e fui pela primeira vez a casa de Conchita no dia 18 de Junho de 1981.(Depois mais tarde as "Horas Santas" eram realizadas às sextas-feiras.) Durante o caminho pude constatar que naquele dia, faziam 20 anos depois da primeira aparição em Garabandal. Quando cheguei a sua casa, cumprimentei-a, ao início ela olhou-me de forma um pouco intrigada, mas depois sorriu. Depois da "Hora Santa", ela trouxe-nos um bolo que trazia " Feliz vigésimo aniversário ".

Uma vez que da casa de Betânia até casa de Conchita demorava apenas quarenta e cinco minutos, eu fui lá mais vezes e levava comigo alguns sacerdotes convidados. Quase todos os membros da nossa casa foram à "Hora Santa" que se realizava em casa de Conchita. Eles ficavam impressionados com a seriedade da "Hora Santa", as orações pelos sacerdotes e a fidelidade das pessoas em relação àquele momento. Fiquei muito impressionado com a humildade, simplicidade e frontalidade de Conchita, alguém a quem Nossa Senhora quis aparecer e a quem quis confiar as mensagens, que foram ouvidas directamente por ela.

Pergunta: Também chegou a conhecer as restantes videntes?

Resposta: Conheci Mari-Loli e a sua família quando regressei de uma viagem a Garabandal, em 1982. Falei-lhe sobre as notícias mais recentes de Garabandal e ela ficou interessada em ouvir. Fiquei impressionado com a sua humildade e simplicidade.

Pergunta: Como conhecestes Joey?

Resposta: Através de um amigo comum, o padre Carl Hammer of Albuquerque, Novo México. O padre Carl esteve com o Joey na sua paróquia para falar sobre Garabandal, então quando o padre veio à casa de Betânia como convidado, em 1981, fomos juntos visitar Joey a sua casa. Um ano mais tarde fui com o Joey na peregrinação a Guadalupe, México, onde celebrou o quinto aniversário de casamento e os meus vinte e cinco anos de ordenação sacerdotal.

Pergunta: Como missionário, o que é que encontrou de tão especial sobre Garabandal, que o tenha levado a divulgar as mensagens?

Resposta: Existiram demasiados fenómenos ligados a Garabandal que foram muito marcantes para mim. O que eu achei de maior destaque, teve a ver com a forma como Nossa Senhora apareceu, a sua maior aproximação e ligação com as meninas, quando comparamos com as outras aparições, como Lourdes por exemplo.

Em Lourdes, esteve numa gruta, em Fátima esteve numa azinheira, em Guadalupe numa colina. Mas em Garabandal ela foi muito maternal e doméstica, muitas das vezes aparecia em todas as casas da aldeia, vielas, no cemitério, na Igreja e nos "pinos". Ela queria estar com as meninas em todos os lugares e em todas as situações, mesmo nas brincadeiras como as escondidas, etc. Por isso acho que esta aproximação maternal foi o facto mais notável para mim.

Neste ponto da entrevista, o padre Farrel falou e reflectiu sobre alguns tópicos chave relacionados com os acontecimentos de Garabandal:

A mensagem eucarística

O ponto mais importante para mim em relação ao meu apostolado foi estabelecer nas paróquias da Koreia, as Adorações Perpétuas, o que vai ao encontro da urgência com que Nossa Senhora falou em Garabandal sobre a importância da Eucaristia e da visita ao Santíssimo Sacramento. Na primeira mensagem pública que diz:" visitar o Santíssimo Sacramento frequentemente..." e na segunda mensagem:" Cada vez dão menos importância à Eucaristia...", a palavra Eucaristia é usada de forma bastante significativa. Também pelo facto das meninas receberem a Eucaristia por parte do Anjo sempre que um Sacerdote não estivesse presente em Garabandal, pelo facto de ter havido um prodigioso milagre da hóstia visível em Garabandal, é de facto notável.

O Aviso e o Milagre

Na mensagem de Fátima de 1917, Nossa Senhora disse que se o seu apelo não fosse atendido, a Rússia espalharia os seus erros pelo mundo. E isto aconteceu! Muitas pessoas encontram-se privadas de entrar em contacto com missionários, porque os seus países transformaram-se em países comunistas. Existem milhares de pessoas no mundo que estão impedidas de escutar o Evangelho. Por exemplo, na China, onde moram um bilião de pessoas, pregar o Evangelho é estritamente proibido. Para além disso, poderíamos falar de mais situações de países comunistas ou de países onde se pratica o budismo, o Hinduísmo, onde a evangelização cristã é proibida. Esta situação de confronto com os missionários é muito mais grave agora do que em 1917.

Acredito que estas duas profecias transmitidas por Nossa Senhora revelam o lindo antídoto de Deus para toda esta situação. Estas profecias dizem-nos que Deus através de um acto da Sua misericórdia, independentemente da relação que cada um de nós terá com Deus, irá dar-nos uma oportunidade de conversão. Estes dois eventos profetizados por Nossa Senhora, estão projectados para nos trazer os elementos essenciais para a realização de uma verdadeira conversão de vida, e que podemos encontrar nas primeiras palavras proferidas pelo Senhor: " Arrependei-vos e acreditai no Evangelho."

O Aviso, o primeiro dos acontecimentos, foi designado para nos trazer o arrependimento. Através deste evento, todas as pessoas, ao mesmo tempo, os que acreditam e os que não acreditam, verão a sua relação com Deus num verdadeiro momento de verdade na qual teremos a oportunidade de nos arrependermos dos nossos pecados. Será um acontecimento único na história da humanidade. Deus faz simplesmente isto porque Ele é um Pai amoroso que vê as nossas necessidades e decidiu fazê-lo desta forma.

O Milagre, o segundo acontecimento, foi designado para conseguirmos aprofundar a nossa fé no Evangelho, a nossa fé em Jesus Cristo. Isto porque será claro que é Ele que preparará o Milagre apontado desta forma para a Sua verdadeira Igreja. Tal como no Aviso, os benefícios do Milagre serão apreciados por todos. De acordo com a providência de Deus, tudo isto irá acontecer num tempo de comunicações globais. Muitos verão directamente, outros serão informados desses acontecimentos. Uma vez que todos vão vivenciar o Aviso, aqueles que se arrependerem, estarão dispostos para acreditarem em Jesus e no Seu Milagre, completando desta forma a sua conversão pessoal.

Quantos irão arrepender-se? Só Deus sabe a resposta a esta pergunta. Mas de certeza que serão muitos e tudo isto criará um enorme desafio aos missionários para ensinar as verdades do Evangelho para todos aqueles que foram recentemente convertidos, e dar-lhes também as boas-vindas à Igreja. Por outras palavras, num futuro próximo, poderemos olhar para um glorioso período de Evangelização.

Traduzido pelo apostolado de Garabandal em língua Portuguesa


Garabandal salvou a minha vida Sacerdotal

Soube de Garabandal em 1966, o que salvou a minha vida de sacerdócio. Perto do final do Concílio e nos primeiros anos que sucederam este acontecimento histórico, criou-se o letal "espírito do Vaticano II".

A carta do Concílio, a sua interpretação ortodoxa e genuína, foi tranquilamente posta em descanso. Poucos se deram ao trabalho de ler os documentos, a acta. Toda uma "Igreja nova", como foi chamada ingenuamente, foi conjurada por conferencistas e editores libertadores. Não só os rituais tradicionais e as formas de devoção foram declaradas abertas a uma mudança radical, mas os dogmas da fé e da moral foram rapidamente considerados alvos merecedores de revisão e desacordo.

Esta revolução foi vivenciada de forma mais atenta nos seminários e conventos. Eu era instrutor num seminário durante o período áureo desta nova era audaz. Segui o Concílio com avidez e fiquei exultante com os seus progressos e com aquilo que prometia, mas comecei a ficar seduzido pelo pseudo-espírito que pairava sobre todos nós.

Neste ponto crucial, em 1966, li uma notícia curta sobre as aparições em Garabandal. Pedi para me enviarem o primeiro relato de Sanchez-Ventura. Foi uma graça especial, um dom do reconhecimento de Nossa Senhora do Bom Conselho. Fui enviado para fora para desenvolver estudos superiores sobre as Escrituras. A necessidade de conhecimento tornou-se o mais urgente num tempo de agitação escolar e de desmistificação sistemática. Quando regressei com o meu doutoramento, o seminário encontrava-se perto da dissolução e fui nomeado para desenvolver trabalho pastoral. Ao longo de todos esses anos, mantive-me atentamente informado sobre os acontecimentos e as mensagens, "as palavras e feitos", de Garabandal. Um dia memorável foi a visita à minha paróquia de Joey Lomangino.

De encontro ao breve resumo que fiz sobre o contexto, gostaria de notar somente alguns dos muitos elementos de Garabandal que me suportaram e que, literalmente, me "salvaram" durante anos de dor espiritual e de sofrimento interior intensos.

Como referi, fiquei muitíssimo entusiasmado pelo anúncio e avanços do Vaticano II. Foi uma alegria inesperada que tal acontecimento histórico tivesse ocorrido nos meus primeiros tempos de sacerdócio. Se alguma designação pudesse ter-me sido dada, teria sido conotada com aquilo a que na altura se chamava a ala "liberal", ou "progressista". Quando tomei conhecimento, em 1966, do relato das aparições no norte de Espanha, fiquei convencido de que não fora uma mera coincidência os anos da "residência" de Maria em Garabandal terem coincidido com os do conselho ecuménico. A forma como devemos interpretar este facto não é fácil de presumir. Talvez Garabandal signifique um comentário do Céu à acta do Concílio, para dar aos crentes a chave do verdadeiro significado do Vaticano II e um antídoto para o "espírito" que rapidamente se propagara. Seja qual for o caso, tomei esta coincidência como um sinal para avaliar as ondas da mudança com o máximo cuidado.

Fátima e Garabandal

Fiquei também convencido de que a Mensagem de Garabandal foi uma declaração actualizada da Mensagem de Fátima, ao interpretar o que sucedeu anteriormente e o que acontecerá num futuro próximo. O facto destes acontecimentos terem tido lugar tão perto da data da revelação do "terceiro segredo" de Fátima e de terem passado com a consequente desilusão de muitos que, talvez confusos na sua curiosidade, esperavam ansiosamente por uma revelação pública, levou-me a estabelecer uma relação das duas aparições de Maria no nosso século.

Toda a atmosfera das aparições de Garabandal, bem como o resumo dos seus temas na Mensagem final parecem transportar o que muitos peritos crêem constituir grande parte do Segredo de Fátima, nomeadamente a crise dentro da Igreja, o grave ataque contra a Sagrada Eucaristia, o sacerdócio, o papado, a devoção a Maria e a apostasia que só poderia ter-se tornado possível através de uma hierarquia dividida. Em Fátima, Maria avisou que a Rússia espalharia os seus erros pelo mundo. Os erros da Rússia eram, por definição, um "materialismo dialéctico" ateu. Compreendi que, sem uma conquista política ou militar, a Igreja das nações ocidentais tinha sucumbido involuntariamente sem luta aos "erros" da Rússia.

O Cerne da Vida Cristã

A Mensagem final recapitula os grandes temas de Garabandal. A Sagrada Eucaristia, o Mistério da Fé, como epicentro da Mensagem de Maria. Tal como o Concílio tão magnificamente declarou, este Sacramento é a "fonte e o cerne" de toda a vida Cristã. Durante os dias e anos das suas aparições, Maria, directa e indirectamente, chamou a nossa atenção para a Presença Real do Seu filho. "Por que não visitais o meu Filho com mais frequência? Ele espera por vós dia e noite." A frequente recepção da Sagrada Comunhão por parte das meninas, através do ministério de um anjo, coroada pelo "milagrucu" da Hóstia visível, são tecidos no padrão como um fio místico. Um dos milhares de episódios espantosos tocou o meu coração: o do orgulho firme com que a Hóstia Sagrada foi levada a prisioneiros, pela Fé, durante as perseguições espanholas. Tanto as crianças como a multidão ficaram intrigadas quando Maria pediu para a beijar antes de todos os outros: "Ela pertence a meu filho". Que memória de reverência pelos cálice sagrado!

Enquanto a primeira Mensagem (18 de Outubro de 1961) nos instiga a "... visitar o Sagrado Sacramento com frequência...", a mensagem final (18 de Junho de 1965) transmite o veredicto dilacerante do Céu: "Cada vez menos importância tem sido dada à Eucaristia". Esta mensagem veio numa altura em que a diminuição da fé na Eucaristia tinha começado a instalar-se, em consequência de negligência, dúvida, negação, desprezo, abuso e sacrilégio. Durante séculos, a Igreja alimentou a existência de um cerco protector em torno do seu Tesouro mais precioso, a Eucaristia, inaestimabile donum , um tesouro sem preço. No entanto, nas últimas décadas caóticas, este cerco foi desmontado, peça a peça, até que agora as Espécies Sagradas estão expostas aos caprichos e pontos fracos de todos. A doutrina deste Mistério da Fé perdeu-se para grande parte da nossa geração. Resultados práticos: menos visitas, menos sinais de reverência, para não falar de adoração por aquilo que muitas vezes é apenas tratado como simples pão e vinho, símbolos ineficazes que têm mais a ver com temas laicos do que com realidades sagradas.

Aqui, a mensagem, em poucas palavras, resgatou a minha consciência. A perda da adoração pela Eucaristia tornou-se um sofrimento crescente e constante na minha vida de sacerdócio. É conferido o poder a todos os pastores para serem depositários da Eucaristia. Dei por mim envolvido num combate diário para proteger Nosso Senhor e manter os instintos de fé e de reverência do meu povo. Fui abençoado com pessoas profundamente devotas que me concederam uma grande consolação.

A Mensagem, por si só, parece ser negativa, mas tida como um veredicto do Céu confirmou a minha própria avaliação do que é talvez o aviso mais sério à vida católica.

Dignidade Sacerdotal

A Eucaristia nunca pode ser separada do sacerdócio. Esta é outro assunto principal de Garabandal - profunda preocupação pelos sacerdotes. Conchita comentou que Maria falava sobre os sacerdotes quase todos os dias. Enquanto muitos padres agonizavam numa "crise de identidade", numa aldeia remota o Céu proclamava, em palavras e actos, a grandiosidade e dignidade sacerdotais, a sua verdadeira identidade. Maria mostrou um amor maternal por todos os padres, porque são seus filhos, outros Cristos. Não exploro aqui aquilo que a maior parte dos leitores tão bem sabe. Irei somente mencionar o facto de que o Anjo distribuiu a Santa Comunhão às meninas só quando o pároco estava ausente da aldeia. Quando Conchita, incitada pelos observadores, perguntou como o Anjo obtinha Hóstias, uma vez que só os sacerdotes as podiam consagrar, o anjo confirmou que na verdade só eles as podiam consagrar. As Hóstias eram tiradas de tabernáculos terrenos. Maria repetiu às meninas a advertência tradicional: se encontrarem um padre e um anjo ao mesmo tempo, deverão reverenciar primeiro o padre.

Após estes factos, ouvimos as palavras chocantes da Mensagem final: "Muitos cardeais, muitos bispos e muitos padres encontram-se no caminho da perdição e levam muitas almas com eles". Pode compreender-se a relutância de Conchita em divulgar estas palavras. Não fora a própria Maria que ensinou as crianças a prestarem reverência aos padres? Houve alguma evasão piedosa temporária na intervenção de Conchita. A primeira versão só mencionou "muitos padres". Quando o bispo lhe perguntou se fora exactamente isto que o Arcanjo lhe dissera, ela acrescentou: "Muitos cardeais, muitos bispos...". Quando foi questionada por não os incluir a todos, Conchita perguntou: "Eles não são também padres?".

Dois Caminhos Divergentes

Como podemos conciliar o contraste? As palavras da Mensagem transmitem-nos a razão por que a sublimidade do sacerdócio precisa de ser enfatizada e "por que o crente tem que rezar fervorosamente pelos pastores das suas almas". Embora as palavras sejam tão indiciárias e pareçam tão negativas, foram-me especialmente úteis. Também eu tinha sentido a relutância de Conchita. Nos primeiros dias, esforcei-me para explicar a deriva de tantos padres irmãos relativamente a assuntos de doutrina e disciplina. Estaria eu, afinal, a julgar mal? Eis, depois, a amarga tomada de consciência: os padres encontravam-se agora divididos em dois grupos e caminhavam em sentidos divergentes. E, apesar das evidências acumuladas, foi somente alguns anos depois que acabei por aceitar toda a verdade. De facto, os cardeais e os bispos também eram padres e, tal como os padres, estavam divididos em dois caminhos: fidelidade ou afastamento.

Durante as aparições, Maria, Mãe da Igreja, sublinhou a autoridade suprema e unificadora do papado. Os dois caminhos de que falámos são, numa análise final, os da fidelidade ou afastamento em relação ao Papa. O Papa é a rocha, o portador da chave, o vigário, o pastor universal, e todos os dissidentes, mesmo os pastores mais importantes, estão "no caminho da perdição...". É esta deserção, responsável, sobretudo, pelo fenómeno da confusão, que Maria pressagiou que se intensificaria até à altura do Milagre. Quando os pastores são atingidos, o rebanho dispersa-se. A misteriosa "contagem final" sobre os papas recentes, que acabou com João Paulo II, assinalará el finale de los tiempos, literalmente "o fim dos tempos", interpretado de formas distintas. Esta profecia, no entanto, traz-nos a notícia consoladora de que a anarquia presente não durará. Haverá um tempo limite para o triunfo ilusório de Satanás.

Aviso-Milagre-Castigo

Como a crise se intensifica, torna-se cada vez mais evidente que os fundamentos das profecias têm que ser a solução. Quando nada na terra se pode aproveitar, então o céu intervirá. E, de todas as formas possíveis que a intervenção possa ter, a sequência do Aviso-Milagre-Castigo condicional parece espelhar melhor a misericórdia e a justiça de Deus. O Aviso, "a correcção da consciência do mundo", "uma antecipação no tempo do nosso julgamento final na eternidade", é, seguramente, o derradeiro apelo da misericórdia de Deus. Observei muitas vezes a relação destes acontecimentos com a revelação da Misericórdia Divina da Irmã Faustina.

O grande Milagre será uma efusão do amor curativo e da misericórdia purificadora do Coração de Jesus para com aqueles que reagiram ao Aviso. Será que a Cruz de Cristo, ao aparecer nos céus a iluminar a Terra, tal como previu a Irmã Faustina, está de algum modo relacionada com o Milagre?

A crise da Eucaristia, que mais tarde se veio a desenvolver, parece ter sido antecipada em Garabandal com a sua ênfase essencialmente na Eucaristia


Garabandal e o Concílio Vaticano II

Esta é uma mensagem muito positiva e reconfortante sobre o Amor de Deus que decidiu enviar, entre 1961 e 1965, à nossa Mãe celeste uma missão de grande misericórdia para todos nós, num dos momentos mais críticos da história da humanidade. Ela veio para tranquilizar-nos e dar-nos os seus avisos misericordiosos e conselhos úteis para a salvação e santificação das nossas almas, e alertar-nos para o perigo da grande apostasia que estava para vir.

O artigo que se segue, é um artigo que foi publicado no jornal de Garabandal sobre o Concílio Vaticano II tendo como base a perspectiva do Bispo Nickless da cidade de Sioux, situada no sul do estado do Dakota. O sr. Barry Hanratty, editor deste jornal, deu-me permissão para que o pudesse partilhar com todos vós.

A imagem em cima indicada dos sacerdotes do Concílio Vaticano II foi adaptada à imagem de Garabandal com o objectivo de podermos transmitir o verdadeiro significado que o trabalho do Espírito Santo teve neste Concílio, bem como da missão que a nossa Mãe do céu teve em relação à realização do mesmo.

Ao longo das várias etapas do fenómeno de Garabandal, Nossa Senhora falou às quatro meninas, sobre a futura unificação das igrejas. Este será o maior evento, que irá pavimentar o caminho para a rápida difusão do Reino de Deus e da Vontade Divina na Terra como no Céu! Deo Gratias!

A leitura deste artigo vai permitir trazer-nos alguma paz, conforto e alegria para todos aqueles que queiram aceitá-la de boa vontade

Respeitosamente na Vontade Santíssima e adorável de Deus,

Thomas Fahy

O MILAGRE E O CONCÍLIO

O que é que Nossa Senhora quis dar a conhecer em Garabandal sobre o Concílio Vaticano II?


Foi o Concílio Vaticano II algo de bom e muito necessário para o nosso tempo ou não? Se julgarmos o sucesso do Concílio por tudo aquilo que aconteceu depois do Concílio, teríamos que concluir que foi uma falha colossal, na qual milhares de sacerdotes e religiosos abandonaram as suas vocações, na qual se verificou o êxodo dos leigos das nossas igrejas em grande escala, sem falar de todos aqueles que deixaram de acreditar em factos importantes da nossa fé, como por exemplo na real presença de Jesus Cristo na Eucaristia. Podemos ainda juntar a tudo isso, e talvez a causa de tudo isso, a tentativa em nome do ecumenismo, para mudar a face do Catolicismo, para uma versão mais atractiva para os nossos irmãos separados, uma experiência que afinal de contas teve o efeito contrário, onde milhares de Católicos passaram a fazer parte de igrejas protestantes.


Mas nem toda a gente, culpabiliza o Concílio por essa falha. O Bispo R. Walker Nickless da cidade de Siox, do Dakota do sul, por exemplo, vê mais o problema na forma como o Concílio foi implementado. Numa última carta pastoral de 2009, ele chama a atenção para a distinção entre "o espírito do Vaticano II" sobre o disfarce na qual muitas alterações foram realizadas, e o verdadeiro Concílio. Ele escreve:

"...é crucial que nós todos compreendamos a hermenêutica ou a interpretação da descontinuidade ou ruptura, na qual muitas pessoas pensavam que tinham sido estabelecidas de forma oficial pelo Concílio, mas que não é o verdadeiro significado do Concílio. Esta interpretaçãovê a Igrejapré-conciliare pós-conciliarquase comoduas igrejasdiferentes."

Tudo parece que o Concílio Vaticano II realizou uma rotura radical com o passado. Não pode haver divisão, entre a igreja e a sua fé antes e depois do Concílio. Temos de parar de dizer a Igreja "Pré-Vaticano II" e "Pós-Vaticano II", e também deixar-nos de dizer sobre várias características da Igreja como "pré" e "pós" Vaticano II. Em vez disso, devemos avaliá-las de acordo com o seu valor intrínseco. O chamado "espírito "do Concílio não tem interpretação autorizada. É um fantasma ou demónio que deve ser exorcizado, se quisermos continuar com a obra do Senhor.

O Bispo exorta para que todos os seus sacerdotes celebrem a Santa Missa com o máximo fervor, façam confissões de forma frequente, e que promovam a Adoração Eucarística e a devoção Mariana.

Tudo isso estava longe daquilo que acontecia realmente nos anos 70. Lembro-me de um jovem rapaz no seu primeiro ano do seminário numa diocese na qual eu não vou mencionar até porque a situação agora é bem diferente, que dizia que eles não tinham autorização para rezar o rosário de forma aberta, nem de fazer uma acção de graças depois de receber a Santa comunhão.


Nossa Senhora e o Concílio Vaticano II

O que Nossa Senhora falou sobre o Concílio em Garabandal está de acordo com a posição do Bispo Nickless e de muitos outros, isto porque nas suas aparições ela reforçou e falou bem sobre o próprio Concilio.

A 26 de Setembro de 1962,de acordo com a informação disponível, foi a data da primeira vez que Nossa Senhora falou sobre o Concílio Vaticano II em Garabandal. As seguintes palavras de Conchita que vão ser apresentadas em baixo, foram transcritas pelo advogado, Luís Navas Corillo, de uma gravação áudio de um padre Basco, no momento em que Conchita estava em estado de êxtase:

"O Concílio, é o melhor de todos? Será um sucesso? Que bom! Dessa forma, todos nós conheceremos-te muito melhor e tu ficarás muito contente..."

Comentando aquilo que é dito no livro "SHE WENT IN HASTE TO THE MOUNTAIN", pelo padre Eusébio Garcia de Pesquera, ele refere que seria muito bom sabermos exactamente aquilo que Nossa Senhora disse nas conversas de Conchita, uma vez não ser possível retirar conclusões definitivas sobre este assunto.

Mas quando Conchita disse: "Como isso é bom!..." tem de haver pouca dúvida que algo de positivo foi dito por Nossa Senhora para que houvesse esse tipo de resposta. O Padre Pesquera sugeriu que talvez tenha sido por causa de um capítulo pertencente a um dos pontos da constituição dogmática do Concílio, totalmente dedicado a Nossa Senhora.

Existe, no entanto, outra possibilidade que não foi mencionada pelo próprio padre Pesquera e que faz mais sentido com o tipo de resposta dada por Conchita "Como isso é bom...!". No fecho da terceira sessão do Concílio, a 21 de Novembro de 1964, o Papa Paulo VI proclamou Maria "Mãe da Igreja." Por isto, Nossa Senhora nunca esteve ausente do Concílio Vaticano II, que aliás, abriu na festa da Maternidade de Maria (11 de Outubro, 1962) e encerrou na festa da Imaculada Conceição (8 de Dezembro, 1965).

No entanto, achamos que aquilo que Nossa Senhora disse a Conchita no dia 26 de Setembro de 1962, possa não estar relacionado nem com o capítulo da constituição nem com a proclamação de Mãe da Igreja por parte do Papa Paulo VI. Ás quatro da manhã do dia 18 de Novembro de 1962, cinco semanas depois da abertura do Concílio, foi obtido um outro registo de Conchita em estado de êxtase. Mostro-vos os principais excertos dessas conversas:

"...Devo dizer...oh! Bom! Quecom o Concílioe o Milagre, o mundovai serconvertido?...e depoiso mundo vaiser perdoado ? Oh, isso é bom...O quê?... e posso dizerque, como Concílio e oMilagrehaverá conversão.... direi tudo isso depois do Concílio e...o quê? Então eu quero que o Concílio acabe agora... Não vou dizer mais nada, mais nada, está bem?....Quando o Concílio terminar, eu não vou dizer uma palavra ...oh, adeus."

O que podemos retirar disto tudo é que o Milagre fará efeitos de longo alcance no que respeita a um elevado número de conversões e que o Vaticano II desempenhará um papel de liderança no sentido de facilitar essa mesma transição na aceitação de novos membros para a Igreja. Será isto a grande unificação também predita em Garabandal? Embora não possamos confirmar com 100 % de certeza sobre este assunto, estamos encorajados em pensar que algo monumental irá acontecer e que vai ao encontro daquilo que Nosso Senhor disse a Conchita na locução do dia 20 de Julho de 1963. Mostro-vos alguma das partes desse diálogo:

CONCHITA: Porque é que o Milagre vai acontecer? Para converter muita gente?
JESUS: Para converter o mundo inteiro.

CONCHITA: A Rússia será convertida?

JESUS: Sim, ela também será convertida e assim desta forma todos amarão nossos corações.

Vaticano II

Enquanto durante todos estes anos (4 décadas), o Vaticano II tem sido responsabilizado por muitos, pelas coisas más que aconteceram na Igreja nos últimos tempos, eu não encontrei nada que diga que o Concílio seja a causa de tudo isso.

O Bispo Nickless, na sua carta pastoral define duas interpretações do Concílio Vaticano II, uma de "continuidade" (com o continuar da tradição da Igreja), e uma outra de "rotura" e aí reside o problema. A hermenêutica da rotura tornou-se o assunto dominante, causando confusão e divisão sobre a fé a crença. O que é mais curioso, é que passado quatro décadas, esta visão tornou-se uma tradição tão bem entrincheirada, que a aplicação adequada e correcta do Concílio para toda a Igreja não pode ocorrer até que algo drástico aconteça.

E foi exactamente isso que foi predito em Garabandal. Mari Loli disse que como resultado da grande tribulação, a Igreja vai parecer que desapareceu, como muitas outras profecias católicas, que a Igreja vai desaparecer por um tempo. Quando voltar a ressurgir depois da grande tribulação e do Aviso, estará desta forma pronta e apta para a correcta implementação universal do Concílio Vaticano II. Depois do grande Milagre, o Concílio Vaticano II estará apto para fazer o trabalho a que estava destinado para fazer. E se realmente um grande número de pessoas serão convertidas depois do Milagre entrarão desta forma para a Igreja juntamente com a referência do Concílio Vaticano II. Desta forma, Nossa Senhora fará com que mais pessoas possam reconhecê-la como sua Mãe. Talvez o " Como isso é bom..." de Conchita tenha algo a ver com tudo isto que acabamos de falar. Então, de acordo com Garabandal, podemos concluir que o Concílio Vaticano II ainda está por vir.

Um artigo de Barry Hanratty

Traduzido para português pelo Apostolado de Garabandal em língua portuguesa


A missão de Mari-Loli : Rezar pela Santificação dos Sacerdotes

24 de Outubro de 1965: Ultima locução de Mari-Loli.

Numa das locuções que Mari- Loli teve com Nossa Senhora foi dito o seguinte:

" Nossa Senhora disse-me que iria ter que sofrer muito neste mundo, que iria passar por muitas provações, que seria o que lhe iria custar mais."

"Perguntei a Nossa Senhora se iria tornar-me Freira. Nossa Senhora não respondeu sobre este assunto. Nossa Senhora também disse que estava muito contente por eu estar naquela escola. Pedi também a Nossa Senhora para dar uma prova ao meu pai, para que o mesmo acreditasse nas aparições. Nossa Senhora disse-me que em breve, o meu pai iria acreditar". ( o pai acabou por acreditar a 2 de Junho de 1974).

"Disse-me também que estava muito contente com os meus sacrifícios, mas que teria que rezar mais vezes o rosário (bastante agradável para Nossa Senhora), e de tentar ser melhor, pois queria muito que um dia, ela e as outras videntes estivessem com Ela na Glória do Céu."

Mari-loli faleceu na passagem do dia 20 para o dia 21 de Abril de 2009. Mari-loli sofreu durante estes últimos anos com uma doença como sendo terminal. Os médicos davam-lhe apenas alguns meses de vida, mas ela sofreu durante aproximadamente 9 anos. Para as pessoas que sabem sobre a vida de Mari-Loli, especialmente durante a sua infância, sabem que ela visionou inúmeras aparições de Nossa Senhora, bem como algumas locuções. Numa dessas locuções, Mari-Loli pediu a Nossa Senhora que lhe atribuísse uma cruz, ou sofrimento. Nossa Senhora disse-lhe que ela iria ter sofrer muito na Terra. Por diversas vezes Mari-loli pediu a Nossa Senhora que a levasse para o Céu. Esse dia chegou, Mari-Loli está no céu contemplando os anjos e Nossa Senhora. Estes dias são tristes pela sua partida, mas no fundo representam a felicidade eterna, pois todos nós sabemos que ela está bem, junto de Jesus e de Deus.


Mari-Loli deixou de sofrer, precisamente do dia 20 (Domingo da Misericórdia), para o dia 21 ! Durante muitos anos, Mari-Loli rezou a Divina Misericórdia e conclui a última novena precisamente no dia anterior à sua morte ( 19 de Abril de 2009).






Os sacerdotes ligados a Garabandal

Este é o lugar onde o seu texto começa. Pode clicar aqui e começar a digitar. Ipsam voluptatem quia voluptas sit aspernatur aut odit aut fugit sed.

Padre Pio

O famoso Capuchinho Padre Pio teve uma das vidas mais extraordinárias da história da Igreja. O Padre Pio foi estigmatizado durante 50 anos, e tinha numerosos carismas: visões, poder de cura, bilocação e profecia, discenirmento, etc. Ele também foi um dos grandes confessores da nossa era, pessoas vinham de todo o mundo para receber a sua benção, mas mais em particular, pelas orientações de vida que o Padre transmitia às pessoas.

É deveras significativo saber que este magnífico sacerdote, tão devoto a Nossa Senhora, tão zeloso em relação a Deus, viesse a estar ligado à história de Garabandal. Alguns consideráveis estudos foram feitos no sentido de relacionar a ligação do Padre Pio a Garabandal, graças ao trabalho dos testemunhos de Conchita, Joey, Padre Pel, Padre Laffineur e Padre Marcelino Andreu, que chegaram todos a conhecer o Padre de Pietrelcina pessoalmente.

Até aos dias de hoje têm ficado na confidencialidade muitos documentos, e em particular muitas fotos que foram tiradas em Janeiro de 1966 quando Conchita conheceu pessoalmente o Padre Pio.

É importante lembrar que Padre Pio foi beatificado pelo Papa João Paulo II, no dia 2 de Maio de 2000. Mesmo que Garabandal ainda não tenha sido reconhecido oficialmente pela Igreja, sabemos e temos a certeza que o irá ser um dia, uma vez que ligado a Garabandal esteve também ligado um homem Santo

Padre Alfred Combe

O Padre Alfredo Combe foi pároco en Chazay d'Azergues, Lozanne, França. Vivendo en Aix, continuou o seu incessante esforço por dar a conhecer a mensagem de Garabandal no seu país e nos países vizinhos.

De uma zona campestre da parte central de França, o Padre Combe nasceu numa vila montanhosa mais alta e mais pequena que São Sebastião de Garabandal e tão pobre como no tempo das aparições. Aos 10 anos, era un jovem, educado, e quando leu um livro sobre o Cura de Ars, escutou o chamamento do Senhor: "Não queres ser Meu sacerdote?" Tratava-se de uma voz interior, e ele todavia ainda recorda a sua tonalidade e sua doçura. Assim, esse menino deixou tudo para seguir Jesus.

No largo caminho do sacerdócio, o Padre Combe recebeu uma formação árdua em ambas as esferas, na do estudo e na da espiritualidade. O jovem Alfred passou 13 anos em vários seminários. Este jovem demonstrou desde novo ser um trabalhador incansável, usando a sua abundante energia como estudante e como desportista. Era particularmente dotado em Latim e Grego, Recebeu a permissão do Papa para ser ordenado sacerdote com a idade de 23 anos, o mais jovem da sua classe. O seu bispo imediatamente o nomeou professor num seminário. Alguns dos seus seminaristas eram os seus amigos mais velhos.

Até se reformar, foi encarregue de uma pacata paróquia em Beaujolais, Borgonha, um bairro famoso pelos seus vinhos. Ele sentiu-se honrado por ter entre os seus paroquianos alguns dos discípulos directos de São João Maria Vianney, o Cura d'Ars.

Comprometido com o que ele chama de "a causa de Garabandal", tem um bom senso comum para quantificar os problemas, minimizá-los e resolvê-los, e um dom.

Padre Nieto


Sucedendo ao Padre Rodrigo, o Padre Nieto, servo de Deus, e também Jesuíta, foi por sua vez, conselheiro espiritual de Conchita entre os anos de 1969 a 1974. Este Sacerdote tinha um especial amor pelo amor à Eucaristia e pelo Sacerdócio, numa altura em que a Eucaristia perdia alguma notoriedade no mundo .

O Padre Nieto era também um sacerdote Mariano, muito devoto a Maria e que viveu em perfeita harmonia com as duas mensagens principais dadas em Garabanda por Nossa Senhora. Também chegou a ser testemunha de alguns dos êxtases das meninas. Existe quase a certeza que o Padre Nieto chegou a saber sobre a futura data do milagre que um dia irá acontecer em Garabandal.

Algum tempo antes de morrer, ele disse a Conchita: "Eu ofereço a minha vida para que tu possas atingir a santidade."

Um pormenor interessante a revelar é o facto de no ano 1985, os seus restos mortais terem sido transferidos para a paróquia de São José, cujo nome se chama " Milagre", situada na cidade de Salamanca, espanha.

O mesmo Padre Nieto assegurou a autenticidade dos acontecimentos de Garabandal a um dos seus colegas, o Padre John Bosco Ramos, que lhe disse " Sim, Garabandal é verdadeiro ".

O seu processo de beatificação deu entrada no Vaticano em Dezembro de 2000..


Padre Laffineur


Padre Laffineur nasceu em 1897, em Walcourt, Bélgica. Foi ordenado sacerdote em 1924. Ele foi mais tarde um dos responsáveis no inquérito canónico sobre as aparições de Beuraing e em 1963 tornou-se investigador não oficial dos acontecimentos ocorridos em Garabandal a cargo do Bispo de Santander, o Monsenhor Beitia. Tornou-se um incansável difusor da mensagem em França e no mundo, trabalhou sem descanso, para que a autenticidade sobrenatural destes acontecimentos pudessem ser reconhecidos pela Igreja, reunindo toda a documentação sobre os factos ali ocorridos.

Foi o fundador do " centro de informação sobre Garabandal", em Maio de 1966; à causa da Nossa Senhora do Carmo de Garabandal ofereceu ele todos os momentos da sua vida; cumpriu o seu dever com o heroísmo de um verdadeiro soldado que era :" bater-me-ei até ao fim". Faleceu no dia 28 de Novembro de 1970.

Em Julho de 1965, Conchita transmitiu-lhe, numa carta, as palavras que Nossa Senhora dirigiu a este sacerdote dominicano "Diz ... ao Padre Laffineur de França que o meu filho o escolheu para espalhar a mensagem que Eu dei ao mundo, assim como o meu amor para com todos... eu estarei sempre com ele eo meu Filho, também ".



Padre Walter Ciszek

Padre Walter Ciszek, servo de Deus, nasceu na Pennysylvania ( Estados Unidos), filho de imigrantes polacos. Entrou para a companhia de Jesus quando foi ordenado Sacerdote, de acordo com o rito Bizantino, em 1937. Movido pelo desejo em servir os católicos do outro lado da cortina de ferro, ele decidiu ir para a Rússia em 1940. Ele foi preso imediatamente após a sua chegada e passou vinte anos num campo de concentração soviético. Foi só em 1963 que ele regressou aos estados unidos.

Ficando mais tarde informado sobre os eventos de Garabandal, ele rapidamente soube discernir a autenticidade dos acontecimentos sobrenaturais de Garabandal. O Padre Walter foi amigo pessoal de Conchita , o que lhe permitiu aumentat ainda mais a sua convicção sobre a veracidade desses acontecimentos.

O processo de beatificação do Padre Walter, deu entrada no fim dos anos 80.

Padre Turner

O teólogo francês, P. François Turner, foi um dos favoritos do Papa Bento XVI pelo grande trabalho de estudo teológico que realizou sobre as Aparições de Garabandal.

Depois de submeter as Aparições de Garabandal a uma rigorosíssima prova teológica de 24 critérios a uma das partes negativas, estas deram um resultado favorável. Concluiu, juntamente com o professor Jacques Serre, professor da Universidade de Sorbona em Paris, que Garabandal é uma obra portentosa de Deus, uma inegável manifestação da sua Omnipotência.

O Padre Turner nasceu em Paris de pais americanos residentes en França. Baptizou-se e cresceu na Igreja Episcopal. Aos 14 anos perdeu a fé e assim esteve quatro anos até que um amigo católico e sua família, convidaram a família de Robert para um sermão onde um Sacerdote católico explicava os fundamentos da doutrina católica em toda a sua extensão. Um sentido sermão que levou Robert Turner a dizer:

- Se há uma Religião verdadeira, esta é a religião Católica.

Todas as suas falsas impressões e dúvidas que tinha tido em relação à Igreja católica se desvaneceram a partir daquele momento.

Padre Joseph Peletier

Ao longo de vários anos, desde 1972 até 1981, o Padre Joseph Peletier deu valiosos contributos escritos para a revista de Garabandal " Needles", num total de 58 artigos.

Nesses artigos o Padre Joe explorava sobre os vários aspectos das mensagens de Garabandal, relacionando-as com a doutrina da Igreja. Os seguintes excertos sumarizam algumas das suas reflexões sobre os acontecimentos de Garabandal.

" Garabandal é simplesmente uma história de fé e de perdão. Deus quis chegar a estas crianças não para as punir, mas para as ajudar. O castigo que foi profetizado em Garabandal nunca poderá ofuscar a principal razão da intervenção de Deus nesta aldeia situada na região da Cantábria. A razão da Sua vinda é o amor. O amor atinge o seu pico no perdão, o amor que Cristo revelou na cruz.

"....a mensagem de Garabandal é muito significativa. Aparece como um preventivo antídoto que foi preparado pelo amor do nosso Deus, com vista a uma tempestade espiritual que estava prestes a rebentar na Igreja.

Padre Lúcio Rodrigo


Padre Lucio Rodrigo esteve presente em alguns êxtases das meninas videntes. O Padre Lucio era um excelente teólogo, a sua prudência de espírito crítico levou-o a acreditar firmemente sobre a autenticidade da sobrenaturalidade dos fenómenos ocorridos em Garabandal. Ele ficou a conhecer sobre a natureza do futuro milagre através de Conchita, mas não chegou a saber sobre a sua data..

Pouco tempo antes de morrer o Padre Lucio veio a confirmar mais uma vez a sua convicção pela sua veracidade : " Se existir no Mundo uma janela onde possamos comtemplar o Céu, esse lugar é Garabandal ."

Meditações do Padre Turner sobre Garabandal

Ao longo de vários anos, desde 1972 até 1981, o Padre Joseph Peletier deu valiosos contributos escritos para a revista de Garabandal " Needles", num total de 58 artigos.

Nesses artigos o Padre Joe explorava sobre os vários aspectos das mensagens de Garabandal, relacionando-as com a doutrina da Igreja. Os seguintes excertos sumarizam algumas das suas reflexões sobre os acontecimentos de Garabandal

"....a mensagem de Garabandal é muito significativa. Aparece como um preventivo antídoto que foi preparado pelo amor do nosso Deus, com vista a uma tempestade espiritual que estava prestes a rebentar na Igreja. Embora em preparação durante alguns anos antes da abertura do Concílio Vaticano II, no Outono de 1962, a tempestade apenas se manifestou ela própria, durante o próprio Concílio de forma bastante séria e grave. Deus antecipou tudo isto e deu o remédio para a sua Igreja, através das aparições de Garabandal. As mensagens recebidas através destas aparições deram-nos respostas aos problemas que começavam a oportunar a Igreja. Maria e o rosário, a Eucaristia e o sacerdócio, foram os principais alvos dos ataques. A doutrina do céu e do purgatório também sofreram muito devido à investida de novos pensamentos e ideias. Todos os pontos da doutrina católica foram faladas de uma maneira ou outra em Garabandal. Olhando para a mensagem de Garabandal, segundo outro ponto de vista, podemos dizer que ela fala de duas situações: o propósito da vinda de Nossa Senhora, que foi a renovação da Igreja, e o apelo à mudança de vida, à sua conversão, que expressou de forma muito positiva: Primeiro, temos que ter vidas boas, depois o significado de tudo aquilo que seria necessário para a sua realização. Os restantes pormenores da mensagem fazem referência de uma maneira directa, ao arrependimento, à Eucaristia e ao sacrifício


Orações:

Nossa Senhora apelou em Garabandal à oração, aliás tratou-se da principal parte da mensagem de Garabandal. Rezar é sem dúvida a forma mais vitalizadora para a nossa vida espiritual. Se ela (a oração) for pobre e inadequada, todo o resto será afectado: os sacramentos, a penitência, a Eucaristia, simplesmente não produziriam em nós o fruto de Jesus Cristo.

Nós todos conseguimos através de Maria, fortalecer a nossa fraqueza através da oração, quando através Dela lhe pedimos para apresentar as nossas petições ao Seu Divino filho e intercede por nós.....Ele deu-nos Maria como nossa Mãe, para ser Sua intercessora.

As nossas orações vocais devem normalmente envolver pensamentos. Os pensamentos podem ser sobre Deus, Jesus, Maria, sobre os mistérios do rosário se estivermos a recitar uma oração. Devemos assim, enquanto rezarmos, trabalhar a nossa mente nesse sentido, de forma a evitar que as palavras proferidas não sejam apenas simples movimentos dos nossos lábios. Um considerável grau de lentidão torna-se necessário quando se prenunciam as palavras no momento da oração.

Todos nós devemos ter total confidência quando rezamos para e através de Maria. Isto é o que fazemos quando rezamos o Rosário.

Rezem o rosário, foi o que Nossa Senhora disse. Rezem bem. Rezem devagar e pensem naquilo que estão a rezar.

Nós somos corpo e alma, não apenas alma. Por isso temos que nos preocupar com os locais que escolhemos para oração, ambientes calmos, de forma que seja um momento relaxado do nosso dia.....Nenhuma destas coisas devem ser negligenciadas , mas elas só não são suficientes. Representam apenas os passos preliminares que nos levam ao limiar da oração. É apenas o Espírito santo que nos conduz para além do limiar da oração, até à presença de Deus e que nos ajuda a estabelecer contacto efectivo com Ele. É só apenas de forma repetida ao Seu chamamento, através da oração que Nossa Senhora nos ensinou em Garabandal, que conseguiremos atingir os frutos da Salvação.

A Eucaristia

Um dos sinais mais fortes da autenticidade das mensagens das aparições de Nossa Senhora em Garabandal, foi pelo facto de as mensagens estarem centradas em Cristo. A centralização em Cristo vem principalmente da verdade Eucarística: comunhão (ensinado pela forma de comunhão mística dada pelo Anjo), visitando o Santíssimo Sacramento, rezando pelos Sacerdotes, e pensar na paixão de Cristo. A missão de Maria foi e será sempre orientar-nos para Jesus, para que possamos reconhecer a Sua verdadeira presença.

Parece-nos que só agora estamos verdadeiramente a conhecer o entendimento e a importância da mensagem Eucarística de Garabandal. Esta mensagem foi em primeiro lugar como uma lembrança e defesa do tradicional ponto de vista católico sobre a Eucaristia, e em especial da Divina presença. Este entendimento da mensagem Eucarística de Garabandal está claramente correcta e foi bem precisa para os dias de confusão que se seguiram ao concílio Vaticano II.....O Espírito Santo lembra-nos de algo que nós na prática esquecemos, os sacramentos e em particular a Eucaristia e a penitência que têm grandes poderes de cura....

Quando Conchita foi questionada "....Nossa Senhora falava frequentemente da Eucaristia? Ela disse: "Sim, mas não estritamente sobre a Eucaristia. Ela dava-nos muitos exemplos. Por exemplo, Ela disse-nos acerca do valor de um Sacerdote. Nossa Senhora comparava-o com um Anjo e Ela disse se visse-nos um Anjo e um Sacerdote que cumprimentássemos primeiro o Sacerdote ou então deveríamos ajoelhar-nos perante o Sacerdote do que ao Anjo. Nossa Senhora explicou-nos isso, o Sacerdote consagra e segura Jesus com as suas mãos e o Anjo não. Ela disse-nos que era uma maior graça receber Jesus ( Santa Comunhão), do que Vê-la.

O sacerdócio

Podemos dizer que uma das principais razões de Nossa Senhora ter aparecido em Garabandal a quatro meninas entre 1961 e 1965, foi devido à crise na Igreja, ou seja, a crise no Sacerdócio que representa o coração da crise da Igreja.

Torna-se bastante evidente que a questão urgente pela qual Nossa Senhora falou às quatro meninas videntes foi devido à crise do sacerdócio e da necessidade de como agir perante tal problema. Ela (Nossa Senhora) falou mais sobre os Sacerdotes, sobre os seus problemas e suas necessidades, do que qualquer outro assunto, exceptuando talvez o Rosário. Outras coisas de que falou mais frequentemente foi sobre o rezar e o sacrifício, relacionando-os com os Sacerdotes. Nossa Senhora estava sempre a pedir às meninas para que oferecessem os seus sacrifícios pelos Sacerdotes.

Rezar pelos sacerdotes, fazia parte das vidas das meninas de Garabandal. Conchita dizia " Temos de rezar pelos Sacerdotes, ....rezemos pelos Sacerdotes, ...como devemos todos nós rezar pelos Sacerdotes!....

Penitência e sacrifício

Em Garabandal, existiram superabundantes evidências que demonstram que a solução que Nossa Senhora propôs para aliviar a crise do Sacerdócio foi através da oração e do sacrifício. Nossa Senhora explicou que o sacrifício estava ligado aos nossos deveres diários, pelo sofrimento, pela dor das coisas do nosso dia-a-dia. Quando as meninas perguntavam a Nossa Senhora como podiam fazer sacrifícios, Ela disse que podiam realizá-los através da obediência e da paciência. Em cada dia, a providência de Deus, dá-nos coisas desagradáveis que nos podem causar sofrimento em vários graus. Ele pede-nos para aceitar todos esses sofrimentos, pelos pecados do mundo e em especial pela santificação dos sacerdotes, e para usarmos o rosário e outras orações para oferecermos essas mesmas intenções.

Nossa Senhora não nos pede nada de extraordinário, longas horas de oração e jejum. Quando Loli pediu uma cruz, para que ela pudesse sofrer pelos sacerdotes, Nossa Senhora disse-lhe:" aguenta tudo com paciência, reza o terço todos os dias, reza pelos Sacerdotes..." Nossa Senhora pede-nos para praticar-nos as simples virtudes de humildade, de obediência, modéstia e paciência. Ela pede-nos para interceder por Ela pelos Sacerdotes através da oração e do sacrifício. Ela sabe que as nossas tarefas e obrigações diárias dão-nos oportunidade de oferecer sacrifícios com amor a Deus. Se o fizéssemos desta maneira, quão rapidamente o Sacerdócio, a Igreja seriam renovadas!

Pensar na paixão de Jesus

Uma palavra é necessária para relacionarmos a penitência e o sacrifício e a paixão de Cristo. Este pensamento sobre a necessidade de pensarmos na paixão de Cristo, encerra uma das mensagens dadas por Nossa Senhora em Garabandal. Existe uma ligação próxima entre ambos, o pecado e o sacrifício. Nada, absolutamente nada, tem o poder para nos motivar mais a detestar o pecado que o pensar na paixão de Cristo. É com base na reflexão do Seu sofrimento, sobre os nossos pecados que Lhe custaram ao longo da Sua Paixão e morte, que o Espírito Santo ilumina-nos sobre o mal do pecado e inspira-nos em detestar e em deixar os caminhos pecaminosos. Também é através da reflexão do sofrimento de Cristo, que Ele toca nos nossos corações, para assim expiar-nos dos nossos pecados através do sacrifício e da penitência. Os Santos, os nossos modelos, tiveram sempre uma enorme capacidade de reflectir sobre a paixão de Cristo e isso constituiu a forma de conseguirem vencer o pecado e alcançarem assim a eternidade.

Pensamentos do Padre Joe sobre os ensinamentos da Igreja e sua relação com Garabandal